"As alterações climáticas não não são ‘fake news’”. O alerta de Patrícia Gaspar por causa dos incêndios

Agência Lusa , AM
11 nov, 14:30
Patrícia Gaspar

Secretária de Estado da Proteção Civil lembrou que as alterações climáticas têm um impacto cada vez mais expressivo nos incêndios rurais e que há ainda muito por fazer na prevenção de incêndios em Portugal

A secretária de Estado da Proteção Civil considerou esta sexta-feira que o país evoluiu em termos de prevenção de incêndios, desde 2017, mas defendeu que “o risco zero não existe” e que as alterações climáticas são uma realidade.

“Uma coisa é certa e isto é inegável: por mais que se trabalhe na prevenção, por mais que se trabalhe na preparação, o risco zero não existe. E as alterações climáticas não são um mito, não são ‘fake news’”, alertou Patrícia Gaspar.

Na sessão de abertura do Curso Internacional Segurança Pessoal nos Incêndios Florestais, integrado na IX Conferência Internacional sobre Incêndios Florestais, que decorre em Coimbra, a governante sublinhou que as alterações climáticas têm um impacto cada vez mais expressivo nos incêndios rurais.

“Temos todos um grande desafio pela frente, pois os próximos anos serão provavelmente difíceis, como foi difícil o verão do ano de 2022, não só aqui Portugal, mas em diferentes países da Europa. Enfrentámos um verão muito difícil, com condições meteorológicas de extrema severidade, a que se associaram a condição de seca extrema, de seca severa em grande parte do território nacional, e onde tivemos ocorrências de incêndios rurais muito difíceis de gerir”, referiu.

De acordo com a governante, as ocorrências registadas no último verão devem servir para aprender e ajudar na preparação do futuro.

“Devem servir para fazer um ponto de situação, para avaliar o que correu bem e o que correu mal, garantir que extraímos as aprendizagens necessárias e que elas são incorporadas no processo de planeamento de próximas épocas”, sustentou.

Ao longo da sua intervenção, a secretária de Estado aludiu à evolução que o país registou, depois dos incêndios de 2017, embora tenha revelado que há ainda muito por fazer.

“Acho que é inegável constatar as diferentes conquistas que já foram alcançadas desde 2017, em que temos um novo sistema de gestão integrada de incêndios rurais, com um plano de ação que está associado. São estratégias, são orientações, é uma bússola que nos vai garantidamente ajudar a orientar os nossos trabalhos, a nossa atuação, as nossas intervenções durante os próximos dez anos”, indicou.

Nesta ocasião, Patrícia Gaspar evidenciou ainda a importância de se trabalhar em rede com todas as entidades que partilham responsabilidades nesta matéria, não só numa perspetiva nacional, como também internacional.

“Temos muito a aprender, mas temos também muito a ensinar”, alegou.

A IX Conferência Internacional sobre Incêndios Florestais, promovida pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF) da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), decorre em Coimbra até dia 18.

Reúne mais de três centenas de investigadores e técnicos de todo o mundo, para discutirem temas relacionados com a gestão dos incêndios na perspetiva da investigação científica, gestão, redução e adaptação ao risco, comportamento do fogo e sistemas de apoio à decisão.

De acordo com Xavier Viegas, da organização do evento, o Curso Internacional Segurança Pessoal nos Incêndios Florestais, que arrancou hoje, conta com 230 inscritos, sendo 100 estrangeiros de várias nacionalidades.

A conferência internacional vai contar com mais de 600 participantes.

Governo

Mais Governo

Patrocinados