Jornalista detido em Myanmar acusado de encorajar dissidência e violar lei da imigração

Agência Lusa , CF
4 ago, 09:02
Myanmar

Toru Kubota foi detido quando cobria uma manifestação antigovernamental em Rangum

Um jornalista japonês detido em Myanmar (antiga Birmânia) na semana passada foi acusado de encorajar a dissidência contra os militares no poder e de violar a lei da imigração, anunciou esta quinta-feira a junta militar.

Toru Kubota, detido no sábado quando cobria um protesto antimilitar em Rangum, arrisca uma pena de até cinco anos de prisão.

O jornalista, de 26 anos, foi detido com dois cidadãos birmaneses perto de uma manifestação antigovernamental na capital económica do país.

Trata-se do quinto jornalista estrangeiro a ser detido pelas autoridades desde o golpe de Estado de 1 de fevereiro de 2021, depois dos norte-americanos Danny Fenster e Nathan Maung, do polaco Robert Bociaga e da japonesa Yuki Kitazumi. Todos acabaram por ser libertados e expulsos do país.

Desde o golpe de Estado militar que depôs a então líder civil, Aung San Suu Kyi, o exército tem levado a cabo uma repressão violenta contra os opositores, ao mesmo tempo que restringe severamente a liberdade de imprensa.

Numa contagem até 31 de março, 122 jornalistas foram detidos desde o golpe, e 48 ainda estão detidos, de acordo com a plataforma 'online' de informação Reporting ASEAN.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados