As mulheres Millennial enfrentam o primeiro declínio no bem-estar desde a Geração Silenciosa

CNN , Madeline Holcombe
18 fev, 11:00
Tyler Azure

As coisas não estão necessariamente melhores para as mulheres americanas de hoje do que aquilo que eram para as suas mães e avós. É o que aponta um novo relatório.

Nos últimos anos, os dados mostraram que os marcadores mais importantes da segurança e da saúde das mulheres diminuíram.

O Population Reference Bureau criou um índice de bem-estar das mulheres, identificando os fatores que melhor indicavam a situação geral de pobreza, educação, confinamento, representação política, saúde física e mental e participação na força de trabalho.

O índice foi criado para comparar a situação de diferentes gerações de mulheres norte-americanas na mesma fase da vida – entre os 25 e os 34 anos.

“Embora tenha havido algumas áreas de melhoria de geração em geração, a geração Millennial é a primeira geração de mulheres desde a (chamada) Geração Silenciosa que está a registar declínios no bem-estar geral com base no nosso índice”, disse uma das autoras principais do relatório, Sara Srygley, analista de pesquisa do Population Reference Bureau, uma organização sem fins lucrativos que coleta dados populacionais sobre saúde e bem-estar. (A Geração Silenciosa nasceu entre 1928 e 1945, vivendo durante a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial.)

Cuidados de saúde acessíveis e de qualidade são particularmente um problema nas comunidades rurais para mulheres como Tyler Azure, uma mãe de 28 anos da nação Chippewa que cria seis filhos – três filhos biológicos, um enteado e as suas duas irmãs após a morte da sua mãe - em Havre, Montana.

Tyler Azure, o marido John “JJ” Allery e os seus quatro filhos. (Cortesia Judith Rae Photography)

Frequentemente, os médicos vêm à cidade para pagar as suas dívidas estudantis e depois mudam-se para uma cidade maior, diz ela. E cuidados de saúde mental são difíceis de encontrar.

“Não se pode realmente construir uma relação com médicos que estão permanentemente a desistir”, diz Tyler Azure.

Enquanto jovem, mulher e indígena, ela sente que muitas vezes é esquecida e não levada a sério.

O declínio na saúde e na segurança não se alinharam com a classificação das mulheres Millennial no que diz respeito à educação e ao emprego – muitos desses números aumentaram em relação às gerações anteriores, de acordo com o relatório.

“Não se trata de saber se as jovens de hoje estão a trabalhar arduamente ou a tentar melhorar as suas vidas”, diz Sara Srygley. “Eles estão a conseguir ensino superior. Eles estão entrando em áreas mais competitivas, como áreas STEM [acrónimo em inglês de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática] e propriedade de empresas. Eles estão a fazer coisas que realmente foram criadas para acreditar que levarão a uma vida melhor.”

“Apesar dos seus maiores esforços, estes são desafios muito reais”, diz a especialista.

E o relatório mostrou que os desafios são ainda maiores para algumas mulheres.

“O que realmente se destacou foi que houve ainda menos progresso entre os jovens negros”, diz a Dra. Jamelia Harris, diretora sénior de pesquisa da Justice and Joy National Collaborative, uma organização sem fins lucrativos que defende os jovens negros, que não esteve envolvida no relatório. “Este foi provavelmente o aspeto menos surpreendente do relatório.”

Progresso em declínio

Houve um progresso acentuado na saúde, segurança, educação e emprego, desde a Geração Silenciosa até às mulheres da geração baby boomer, diz Sara Srygley. O progresso desacelerou um pouco para a Geração X em comparação com assuas mães, mas depois as coisas começaram a estagnar em 2017, acrescenta.

“Neste relatório atualizado, vimos que já não está estagnado, mas agora está ativamente em declínio” para a Geração Millennial, diz Sara Srygley.

A taxa de homicídios de mulheres da Geração Millennial aumentou em comparação com a Geração X, de acordo com os dados. As taxas de suicídio quase duplicaram entre os membros da Geração X e os da Geração Millennial e as taxas de mortalidade materna aumentaram dramaticamente, mostra o relatório.

As disparidades na saúde e no bem-estar são ainda maiores para as mulheres negras, indicam os dados.

A mortalidade materna negra é mais do dobro da média nacional dos EUA e as estudantes negras e hispânicas eram menos propensas a receber bolsas de estudo para a universidade do que os seus pares brancos de estatuto económico semelhante, de acordo com o relatório.

As políticas que desempenham um papel

Embora seja difícil apontar uma razão pela qual as mulheres millennial estão a sofrer este declínio no bem-estar, não é surpreendente, tendo em conta as estruturas sociais e políticas em jogo, diz Sara Srygley.

O progresso na redução das disparidades salariais entre homens e mulheres estagnou, diz ela. E um aumento no acesso a meios letais pode ter um impacto nas taxas de suicídio, embora essas taxas não tendam a mudar drasticamente de uma geração para outra, acrescenta.

“Sabemos que algumas políticas podem ter desempenhado um papel em questões como a redução das proteções dos cuidados de saúde reprodutiva, que vários estudos descobriram que aumenta o risco de mortalidade materna e potencialmente também as taxas de suicídio”, sublinha Sara Srygley.

Faz sentido, então, que as mulheres mais jovens também estejam a sofrer problemas de saúde mental, acrescenta Martha Sanchez, diretora de políticas de saúde e defesa da Young Invincibles, uma organização que defende a educação, os cuidados de saúde e o emprego dos jovens americanos.

“As mulheres jovens estão a sofrer uma enorme pressão e as barreiras – porque são literalmente barreiras legais – impedem-nos realmente de cuidar de nós mesmas”, diz Martha Sanchez.

“Tudo, desde a falta de acesso e cuidados reprodutivos, à falta de cuidados de saúde acessíveis e, em alguns estados, à proibição total, por exemplo, do aborto ou do aborto altamente restrito – tudo está realmente a afetar a nossa saúde mental, para além do que o país tem vivenciado em termos das consequências da pandemia de Covid-19”, acrescenta.

Genisus Holland tem um emprego, é estudante e defende as mulheres negras no Justice for Joy. (Cortesia Genisus Holland)

As mulheres precisam de um lugar à mesa

Quando se trata de mudar as tendências de bem-estar das mulheres – especialmente das mulheres negras – os especialistas querem ver mais acesso e tomada de decisões mais inclusiva.

“Quando falamos de saúde, falamos da nossa capacidade de ter acesso a cuidados preventivos”, diz Martha Sanchez. “É a nossa capacidade de pagar cuidados preventivos e até cuidados de rotina para condições crónicas e a nossa capacidade de pagar pela saúde mental, quando se trata de crise de saúde mental.”

Quando se trata de resolver estes problemas, as mulheres devem ser incluídas na tomada de decisões, defende a Dra. Jamelia Harris.

Conferências, protestos e votações são formas eficazes de as pessoas usarem a sua voz, mas Genisus Holland, 21 anos, de Richmond, Virgínia, considera que cabe aos decisores políticos fazer também a sua parte.

“Muitas vezes podemos dizer a mesma coisa, mas não nos cabe a nós continuar a dizê-lo. Cabe aos agentes de mudança começar a fazê-lo”, diz ela.

E pode ser tentador percorrer histórias sobre como isso é difícil para mulheres e pessoas de cor, mas é importante que prestemos atenção, continua.

“É tão difícil ouvir sobre a mesma velha luta e não ver ação por trás dela. Mas eu também diria que é importante que cada vez que tu tenhas a capacidade, cada vez que tenhas a força… espalhes a mensagem”, diz ela.

“É a mesma luta de sempre, mas a luta não termina até vencermos”, acrescenta Genisus Holland.

Família

Mais Família

Mais Lidas

Patrocinados