Depois da morte dos três filhos, Mavis Paterson (85 anos) percorreu 1.600 quilómetros de bicicleta pela Escócia

CNN , Issy Ronald
25 nov 2023, 17:00
Mavis Paterson (85 anos) percorreu 1.600 quilómetros de bicicleta pela Escócia após a morte dos três filhos

"Se eu não tivesse a minha bicicleta, e isto é terrível de dizer, acho que não quereria viver"

Andar de bicicleta tornou-se mais do que um hábito para a "Avó Mave", como é conhecida Mavis Paterson, de 85 anos. Tornou-se essencial para o seu próprio ser, a sua própria razão de viver, depois de os seus três filhos adultos terem falecido com um intervalo de quatro anos - Sandy em 2012, Katie em 2013 e Bob em 2016.

Foi em memória dos filhos que se lançou em maio num desafio de resistência, percorrendo 1.600 quilómetros de bicicleta à volta da Escócia, começando em Mull of Galloway, antes de se dirigir para norte, traçando o contorno do país até chegar novamente a Mull of Galloway.

"Se eu não tivesse a minha bicicleta, e isto é terrível de dizer, acho que não quereria viver", disse à CNN Sport.

"Perder toda a família é inacreditável. A minha filha disse uma vez, porque uma das suas amigas tinha morrido, e ela disse 'oh, mãe, imagina perder um filho'. Eu disse-lhe 'eu sei, não consigo imaginar'. E agora os meus foram-se todos embora."

O ciclismo proporcionou-lhe algum consolo, uma forma de lidar com uma perda inimaginável.

"Tem sido difícil para mim, mas tenho conseguido e as pessoas dizem 'oh, és forte', e eu não sei de onde vem a força. Perguntam-me. Não sei. Eu aguento, a minha bicicleta ajuda-me e tenho amigos maravilhosos."

Paterson pedalou todos os dias durante um mês à volta da circunferência da Escócia, percorrendo uma paisagem ondulante, estradas expostas e um clima imprevisível. Acordava cedo todos os dias e saía para pedalar - percorrendo até 80 quilómetros por dia - e para angariar fundos para a instituição de caridade britânica Macmillan Cancer Support.

Ao longo de todo o percurso, Paterson recorda que outros ciclistas fizeram-lhe companhia, oferecendo-lhe "um apoio fantástico". Alguns acompanharam-na durante vários dias seguidos.

"Muitos deles têm todo o equipamento de ciclismo, as presilhas da bicicleta e toda a licra. Eu não tenho nada disso. Tenho pedais normais. Não posso usar presilhas... estaria sempre a cair da bicicleta... Sou apenas uma ciclista feliz."

Este apoio foi uma constante durante toda a odisseia de Paterson pela Escócia, culminando com uma multidão na meta que se juntou para a aplaudir.

"E no meio da multidão tenho um neto que mede 1,80 metros e vi-o e corri na direção dele e foi tão emocionante", conta, antes de acrescentar que celebrou o seu feito com um copo de merlot.

Mavis Paterson abraça o neto, William, no final da viagem de 1.600 quilómetros pela Escócia

Ao longo do percurso celebrou também o seu 85º aniversário, ocasião assinalada com uma festa na cidade escocesa de Moffat, entre a subida e a descida das colinas.

"Espero não ter de sair da minha bicicleta" - Patterson recorda-se de ter pensado isto ao passar a colina mais íngreme da sua viagem.

"Consegui chegar ao topo. As pessoas perguntavam 'porque não compras uma bicicleta eléctrica?' e eu digo 'bem, não, não, não quero uma bicicleta que faça todo o trabalho, quero fazer o trabalho nas colinas para que, quando chegar ao topo, possa dizer Ei, eu fiz isto'."

"Se aquela velhota o consegue fazer"

Anteriormente habituada a correr maratonas e meias maratonas, Paterson começou a andar de bicicleta quando os joelhos começaram a dar-lhe problemas.

Em 2008 atravessou o Canadá de bicicleta com uma amiga, embora tenha feito parte do percurso sozinha quando a amiga teve problemas de saúde.

A pedalar pela província de Saskatchewan, Paterson lembra-se de "quilómetros e quilómetros de estradas e campos sem nada realmente lá" e, "embora estivesse sozinha, nunca me senti só, costumava falar com a minha bicicleta e fazer uma piada de tudo isto".

Depois, em 2019, percorreu de bicicleta toda a Grã-Bretanha, desde o ponto mais a sul, em Lands End, até ao ponto mais a norte, em John O'Groats, tornando-se a mulher mais velha de sempre a completar este famoso percurso.
 

Mavis Paterson celebra o seu 85.º aniversário em Moffat, na Escócia

Com cada desafio, Paterson angariou dinheiro para a Macmillan Cancer Support - que presta cuidados de saúde, aconselhamento e apoio às pessoas afetadas pela doença - e só a sua volta à Escócia já angariou quase 80.460€ para a instituição de caridade, mais do dobro do seu objetivo inicial de 25.600€.

"Estou espantada com a generosidade das pessoas e estou muito contente por poder dar-lhes dinheiro desta forma."

O treino exigiu que Paterson saísse para andar de bicicleta em todos os tipos de clima cinco ou seis vezes por semana.

"Quando se tem a minha idade, se não se treina e caso se pense que se pode fazer alguma coisa, não se pode. É um treino difícil. O treino que fiz não me fez sentir velha de todo."

Mavis Paterson planeia completar mais desafios de resistência no futuro

Paterson tenciona embarcar em mais desafios de resistência e angariação de fundos no futuro, continuando a pedalar em memória dos seus filhos.

"Sei que houve pessoas que subiram para a bicicleta e pensaram 'se aquela velhota consegue eu também consigo'. E também de pessoas que estavam um pouco deprimidas e pensaram 'meu Deus, eu não devia estar assim, olha para a pobre Mave, perdeu todos os filhos'. Muitas pessoas começaram a andar de bicicleta por causa dos meus passeios e, aparentemente, inspirei-as", conta.

"As pessoas estão sempre a dizer que sou uma inspiração. Se o sou, isso é ótimo, fico feliz por isso."

Patrocinados