Saiba tudo sobre o Euro aqui

Hazard explica adeus: «Passei momentos difíceis no Real Madrid»

19 out 2023, 14:24
Eden Hazard (foto REX)

Antigo craque belga voltou aos relvados num jogo de solidariedade e falou do final de carreira

Eden Hazard voltou a jogar futebol, uma semana depois de ter anunciado o final da carreira de jogador de futebol profissional. Foi numa partida de solidariedade em Calais, França, esta quarta-feira. Hazard ainda brilhou, como seria normal, dentro das circunstâncias. Chegou a fazer uma assistência para o pai de Mbappé!

No final, a antiga estrela da Bélgica, do Real Madrid e do Chelsea comentou, pela primeira vez, a decisão de pendurar as botas, aos 32 anos.

«Passei por momentos difíceis no Real Madrid», explicou. «Sempre disse que pararia quando já não me divertisse a jogar e perdesse o prazer nos treinos. Não estava a jogar, a decisão foi simples, mas posso dizer que joguei no Real Madrid, o maior clube do mundo», acrescentou.

O ex-internacional também comentou a possibilidade de ter representado o Union St. Gilloise, da Bélgica, conforme foi noticiado.

Hazard garante que «não houve nada, apenas especulações», mas entende que «isso faz parte do mercado». De resto, até gostou de ter o nome associado a clubes belgas. «Nunca tive a possibilidade de jogar na liga belga, teria sido uma história bonita, mas não aconteceu», acrescentou.

Ainda não sente falta do futebol, garante, mas sabe que esse tempo irá chegar. Está preparado para isso, apesar de se manter ligado, nem que seja pela família. Acima de tudo, sente-se em paz.

«Estou a tirar um tempo para mim. Mas vou sentir saudades, é claro. Assistir a jogos na televisão, ver os meus filhos a jogar, nunca estarei muito distante. Amadureci a ideia e estou em paz comigo mesmo. Estou tranquilo. Já vinha a pensar nisto desde que me retirei da seleção (após o Mundial 2022 no Catar)», disse.

Parar de jogar não significa para de fazer desporto. Hazard gosta de jogar golfe e acaba de comprar uma bicicleta de estrada – o ciclismo é outra paixão.

E tem um desejo – que, pela forma como ainda agora foi recebido em Calais, não será muito fácil de concretizar, pelo menos, para já: «quero ser uma pessoa comum", disse o belga.

 

 

 

Relacionados

Patrocinados