Imagens extraordinárias em grande plano mostram os insetos como nunca os viu

CNN , Nell Lewis
1 dez 2022, 11:00

As asas azul-petróleo de uma borboleta cauda-de-andorinha, o pelo macio de uma abelha patagónica gigante, e manchas pintadas a cor de óleo de uma joaninha são alguns dos detalhes capturados pelo fotógrafo britânico Levon Biss num novo livro que documenta o declínio dos insetos

Lançado a 22 de novembro, “Extinct & Endangered: Insects in Peril” é uma colaboração entre Biss e o Museu Americano de História Natural (AMNH). Apresenta fotografias de 40 espécies de insetos que ou estão num estado vulnerável, ameaçado ou já extintos.

Biss passou dois anos a fotografar os insetos, capturando cada detalhe extraordinário, desde fios do seu pelo até ao reflexo numa asa. Cada imagem individual foi criada a partir de mais de 10.000 fotografias tiradas utilizando uma sonda à medida e lentes de microscópio. Foram depois dispostas em camadas, produzindo uma única fotografia totalmente focada e contendo detalhes minúsculos que são, normalmente, invisíveis ao olho humano.

Usando uma técnica especial de macrofotografia, Biss conseguiu capturar a textura e a beleza requintada do borboleta cauda-de-andorinha Luzon que está em perigo de extinção. Foto: Levon Biss/Museu de História Natural Americano

Biss tem esperança de que a definição das fotografias permita ao espetador ver os insetos sob uma nova luz, inspirando respeito por estas pequenas criaturas que são demasiadas vezes vistas como uma irritação – enxotadas com o braço ou esmagadas com a parte de trás de um livro.

“Esperemos que as pessoas possam olhar para uma das minhas imagens e maravilhar-se com a sua beleza, olhar para a engenharia que a natureza criou dentro destes insetos - eles têm uma beleza funcional”, referiu.

Insetos em crise

Os insetos, sejam escaravelhos, abelhas ou borboletas, são essenciais para a sobrevivência do planeta. Alguns são polinizadores, ajudando na produção de frutas e vegetais, outros são decompositores, reciclando plantas e matéria animal no solo, e muitos formam a base das cadeias alimentares que sustentam os ecossistemas naturais.

Mas globalmente, mais de 40% das espécies de insetos estão em declínio e um terço está em perigo, com a sua taxa de extinção oito vezes mais rápida do que a dos mamíferos, aves e répteis, de acordo com uma revisão científica publicada na revista Biological Conservation de 2019.

“Extinct & Endangered: Insects in Peril” encontra-se já à venda em capa dura. / Crédito: Abrams

Segundo o relatório, a maioria das espécies está ameaçada por ações humanas, tais como práticas agrícolas intensivas e urbanização, que levaram a graves perdas de habitat, e poluição por pesticidas e fertilizantes. Fatores biológicos como os agentes patogénicos e as espécies introduzidas, bem como as alterações climáticas contribuem também para este problema.

Biss espera que o livro “Extinct & Endangered” aumente a consciência da crise do declínio dos insetos, e o efeito que terá nos seres humanos.

“Embora os insetos sejam pequenos, são o animal ou criatura mais populosa que existe - e se os perdemos, há um impacto significativo na forma como vivemos”, declarou.

“Heróis não reconhecidos”

Todos os insetos fotografados no livro provêm dos arquivos do Museu Americano de História Natural em Nova Iorque, que contêm mais de 34 milhões de artefactos e espécimes no total. Quase 20 milhões são artrópodes - insetos, aracnídeos e crustáceos de todo o mundo.

Os que foram fotografados para o livro foram selecionados com base na condição do espécime, na sua área geográfica, no seu estado de conservação e consoante a gravidade das ameaças que enfrentam. “Queríamos realmente histórias ligadas a cada uma das espécies”, afirmou Biss. “Para que, quando alguém estiver a ler o texto da imagem, possa compreender, porque desapareceu? Porque continua a desaparecer?”

Biss afirma que o livro foi escrito para todas as idades e insistiu para que fosse usado o nome comum global antes do nome da espécie em latim, afastando-se da tradição de publicação do museu.

Os espécimes dos insetos foram enviados para o Reino Unido, onde Levon Biss os fotografou no seu estúdio. Crédito: Elli Biss

“Quero que o texto destas imagens possa ser compreendido por um rapaz ou rapariga de oito anos, e também por um homem ou mulher de 80”, disse ele. “Tem de ser capaz de envolver todos os estilos de vida, caso contrário está a limitar o número de pessoas a quem poderemos chegar.”

O lançamento do livro, publicado por Abrams, coincide com uma exposição em curso na AMNH que abriu em junho, onde as 40 imagens foram ampliadas em enormes impressões, algumas com oito metros de largura.

Lauri Halderman, vice-presidente da AMNH, afirmou estar entusiasmada com o livro para partilhar a sua mensagem com uma audiência global. “Os insetos são os heróis não reconhecidos em tantos ecossistemas, e o nosso projeto chama a atenção, tanto para a sua importância, como para as ameaças que surgirão com o seu declínio”, referiu.

Biss é especialista em macrofotografia que se aproxima e se relaciona de forma pessoal com a temática. Ele fotografou sementes e frutos com detalhes extraordinários, ovos de insetos, o olho humano e até mofo a crescer em sacos de chá. No entanto, Biss crê que “Extinct & Endangered” é um dos projetos mais significativos da sua carreira.

“Se segurarmos num alfinete um inseto que nunca mais vai voar neste planeta, principalmente devido à influência humana, é uma experiência que nos torna mais humildes”, declarou. “Quero que as pessoas apreciem mais estas criaturas, compreendam o trabalho que elas fazem por nós e o valor que têm.”

Livros

Mais Livros

Mais Lidas

Patrocinados