Festival de cinema IndieLisboa cumpre 20 edições com recorde de filmes

Agência Lusa , MJC
27 abr 2023, 08:39
Filme  "Rosinha e outros bichos do mato", de Marta Pessoa

IndieLisboa começa esta quinta-feira e prolonga-se até 7 de maio em vários espaços da capital

O Festival de Cinema IndieLisboa arranca esta quinta-feira com uma programação que inclui mais de 300 filmes e vai reforçar a vertente de indústria, para se posicionar no panorama internacional.

Sobre a 20ª edição, Susana Santos Rodrigues, uma das três diretoras do festival, lembrou à Lusa, em meados de abril, a “pré-disponibilidade dos programadores para procurar novas vozes, novas formas de fazer as coisas, novas formas de contar uma história, esteticamente, formalmente”.

“Eu acho que há uma temática que sentimos que sobressai nos festivais que fomos indo, que são as questões de género. É uma temática que talvez noutros anos tenha estado presente de uma forma mais subtil, mas que este ano está presente de uma forma marcada”, disse Susana Santos Rodrigues.

Nessa perspetiva, destaca-se o filme de abertura, “Something you said last night”, primeira obra da realizadora ítalo-canadiana Luis De Filippis e cuja história vai para lá das questões identitárias de género, ou ainda a estreia de “Orlando, ma biographie politique”, do ensaísta espanhol Paul B. Preciado, a partir da obra homónima de Virgínia Woolf e com a participação de pessoas trans e não-binárias.

Este ano foi criado um prémio em parceria com a associação Mutim - Mulheres Trabalhadoras das Imagens em Movimento e foi criado um laboratório para desenvolver projetos “que contrariem o estereótipo de personagens e de histórias mais convencionais e estereotipadas dentro do cinema”.

Da programação deste ano, a competição nacional contará com mais de uma vintena de filmes, como por exemplo "Rosinha e outros bichos do mato", de Marta Pessoa, "Índia", primeira longa de Telmo Churro, o díptico "Mal Viver" e "Viver Mal", de João Canijo, e as curtas-metragens "Dildotectónica", de Tomás Paula Marques, "Pátio do Carrasco", de André Gil Mata, e "A febre de Maria João", dos irmãos Afonso e Bernardo Rapazote.

Fora de competição, destaque para "Primeira obra", de Rui Simões, "veterano documentarista que conseguiu apoios para uma estreia na ficção após 40 anos de tentativas".

A programação anunciada contém ainda um foco dedicado ao "Trabalho e movimento sindical", antecipando os 50 anos dos 25 de Abril, com uma escolha que inclui filmes de António Campos, Manoel de Oliveira, Harun Farocki ou Ben Russell.

Segundo Carlos Ramos, a edição de 2024 do IndieLisboa será dedicada aos 50 anos do fim da ditadura, mas ainda está tudo em aberto.

Ainda sobre a 20.ª edição, Susana Santos Rodrigues e Carlos Ramos sublinharam o objetivo de reforçar a vertente de contacto entre profissionais do cinema e audiovisual.

"Este ano há um aumento de atividades, vai haver um fórum de coprodução, há um incremento de atividades de indústria, porque houve este apoio para as redes da União Europeia", explicaram, dando como exemplo a recente Smart7, uma rede de sete festivais europeus, criada para fomentar "a circulação transnacional" de filmes europeus.

Este ano o IndieLisboa volta a ocupar o cinema São Jorge, a Culturgest, a Cinemateca Portuguesa e o Cinema Ideal, juntando-lhe ainda o Cinema Fernando Lopes – uma sala de cinema que existe na Universidade Lusófona – e a piscina da Penha de França, onde haverá três sessões em que os espectadores poderão estar dentro de água a ver cinema.

Relacionados

Artes

Mais Artes

Patrocinados