Zelensky apelou mas Montenegro diz que Portugal não tem capacidade para ajudar defesa antiaérea da Ucrânia

Agência Lusa
18 abr, 18:32
Luís Montenegro (Olivier Hoslet/Lusa)

Vários países disponibilizaram-se para enviar sistemas Patriot para a Ucrânia, mas o primeiro-ministro afirmou que Portugal não dispõe de meios para fazer o mesmo

O primeiro-ministro reconheceu esta quinta-feira que Portugal não está entre os países que podem disponibilizar sistemas de defesa antiaérea à Ucrânia, mas considerou que o apelo de Zelensky “caiu fundo” nos Estados-membros da União Europeia (UE).

“Esse apelo caiu fundo em todos os Estados da UE e aqueles que têm maior capacidade anunciaram a sua predisposição de, num futuro próximo, poder reforçar essa mesma capacidade, ajudando a Ucrânia”, disse Luís Montenegro, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

No final da sua primeira reunião do Conselho Europeu, o primeiro-ministro admitiu que “há países que já o anunciaram, à cabeça dos quais está a Alemanha”, que antecipou que iria enviar mais um sistema de defesa antiaérea MIM-104 Patriot.

“Nós, por exemplo, em Portugal, infelizmente, não dispomos de meio para poder colaborar nesse domínio”, admitiu Luís Montenegro.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, repetiu na quarta-feira o apelo que tem feito nas últimas semanas de mais sistemas de defesa antiaérea, nomeadamente os MIM-104 Patriot, de fabrico norte-americano, mas utilizados por países da UE.

A Alemanha, por exemplo, já tinha enviado dois sistemas como este para o território ucraniano, mas as constantes investidas russas com 'drones' (veículos aéreos não tripulados) obrigaram o presidente ucraniano a pedir mais.

Volodymyr Zelensky também criticou que haja países a acudir mais rapidamente Israel do que a Ucrânia.

“Compreendo [a crítica de Zelensky], é evidente que a situação não é exatamente igual nas duas geografias e a capacidade de defesa, nomeadamente aérea, do Estado de Israel não é a mesma capacidade de defesa da Ucrânia”, comentou o primeiro-ministro.

Com uma porção do território ucraniano congelado nos últimos meses, imobilizando as tropas dos dois lados e impedindo avanços terrestres, a ofensiva de Moscovo tem-se concentrado na utilização de 'drones' para atingir alvos militares e infraestruturas civis, como centrais elétricas.

Governo

Mais Governo

Patrocinados