"Levem-me para Gaza, eu vou convosco agora mesmo, a minha vida não vale a pena sem a minha família": 180 homens retidos em Dheisheh

CNN , Ivana Kottasová, Abeer Salman, Wisam Jafari, Jeremy Diamond e Matthias Somm. Fotos Ivana Kottasova
16 out, 18:16
Refugiados em Gaza Foto Ivana Kottasova CNN

São homens de Gaza com autorização para trabalhar em Israel - para alguns deles foi como se tivessem ganho a lotaria quando conseguiram essa autorização. Mas agora não conseguem voltar para casa porque estão retidos em Israel desde o ataque terrorista do Hamas. E por isso a lotaria perdeu todo o valor: preferem morrer com a família do que viver sem ela

"Há pessoas acordadas a noite toda a chorar": quando os homens palestinianos querem voltar a Gaza para as suas famílias - mas não podem

"Todos nós, fisicamente, estamos aqui, mas as nossas mentes estão em Gaza"

por Ivana Kottasová, Abeer Salman, Wisam Jafari, Jeremy Diamond e Matthias Somm (texto) Ivana Kottasova (fotos), CNN

 

Cisjordânia (CNN) - Os homens no salão de casamentos do campo de refugiados de Dheisheh, na Cisjordânia, passam a maior parte dos seus dias e noites colados aos telemóveis, a fumar, a atualizar constantemente os seus feeds de notícias. Parecem exaustos - e os horrores dos últimos dias são claramente visíveis nos seus rostos.

Estes 180 homens - são todos homens - são refugiados de Gaza. Fazem parte dos cerca de 18 mil residentes do enclave que têm autorizações de trabalho israelitas e estão autorizados a atravessar a fronteira de um lado para o outro. Quando as Forças de Defesa de Israel (FDI) fecharam todos os acessos a Gaza, na sequência do ataque mortal do Hamas no passado sábado, estes homens ficaram retidos.

Alguns têm mulheres e filhos em Khan Younis, uma cidade no sul de Gaza que é agora o epicentro da sua própria crise de refugiados em rápida evolução, sem qualquer forma de sair.

As FDI têm estado a bombardear Gaza com ataques aéreos e artilharia, depois de os combatentes do Hamas terem montado um ataque terrorista e lançado milhares de rockets que, até agora, mataram pelo menos 1400 pessoas. O grupo terrorista também raptou cerca de 150 pessoas no sábado passado durante o seu ataque sem precedentes.

As forças armadas israelitas afirmam que o seu objetivo é destruir o Hamas e garantir que nunca mais possa levar a cabo um ataque deste tipo. Mas o número de civis afectados por esta campanha tem sido imenso. O Ministério da Saúde palestiniano em Gaza disse que 2.450 pessoas foram mortas nos últimos oito dias, o que é mais do que durante toda a guerra de 2014, que durou 51 dias.

A mulher e os cinco filhos de Ismail Abd Almagid - quatro raparigas e um rapaz - estão em Gaza enquanto ele está no campo de refugiados. Tem vídeos de todos eles no seu telemóvel. Um deles mostra a sua filha mais nova, Misk, a comer um pedaço de manga. Quando passa o vídeo, as lágrimas começam a correr-lhe pela cara.

Tala, a sua segunda filha mais velha, foi ferida na guerra de 2014 quando a família estava em casa dos pais dele. "Ela adora patins, por isso disse-lhe que os traria quando voltasse", diz ele.

Abd Almagid, de 44 anos, afirma à CNN que tenta manter-se sempre em contacto com a mulher, mas a comunicação tem sido difícil desde que Israel cortou o acesso de Gaza à eletricidade, alimentos e água.

"Os meus filhos dizem-me para rezar por eles. A situação é muito difícil por lá. Eu voltaria (para Gaza) agora mesmo... mesmo com tudo o que se está a passar, levem-me para Gaza, eu vou convosco agora mesmo... a minha vida não vale a pena sem a minha família."

Ismail Abd Almagid está alojado num campo de refugiados na Cisjordânia. Ivana Kottasova/CNN

Neste momento, está em curso uma enorme deslocação da população em Gaza, com centenas de milhares de pessoas a dirigirem-se para sul, muitas delas para as ruas sobrelotadas de Khan Younis.

Os militares israelitas disseram às pessoas que vivem no norte de Gaza, densamente povoado, incluindo a cidade de Gaza, para se deslocarem para o sul da faixa. As Nações Unidas afirmaram que a instrução, que, segundo a organização, afecta 1,1 milhões de pessoas, causaria "consequências humanitárias devastadoras".

As FDI disseram à CNN no domingo que estimavam que 500 mil pessoas tinham deixado o norte de Gaza para o sul até então.

Quando Abd Almagid obteve a sua autorização para trabalhar em Israel, em outubro do ano passado, foi como se tivesse ganho a lotaria. A economia de Gaza, que é governada pelo Hamas mas bloqueada por Israel e pelo Egipto, foi dizimada e a taxa de desemprego situa-se nos 45%, segundo o Gabinete Central de Estatísticas da Palestina.

"Sempre quis esta autorização porque a situação em Gaza é muito má. A situação financeira, a dívida... a economia é nula. Não há oportunidades de trabalho", disse, acrescentando que estava desempregado desde que se licenciou em 2004, altura em que obteve a autorização.

Israel começou a emitir milhares de autorizações de trabalho para os habitantes de Gaza entrarem em Israel como parte de uma estratégia de incentivo económico que as autoridades israelitas esperavam que dissuadisse o Hamas de continuar o conflito armado.

A sua mulher, que tem um curso de inglês, também não tem trabalho. Ele disse que estava a passar semanas alternadas em Israel, onde trabalhava numa padaria.

Muitos dos homens do campo de refugiados de Dheisheh estão na mesma situação - são os únicos membros das suas famílias que têm emprego. Os salários que ganham em Israel são várias vezes superiores aos que poderiam receber em Gaza.

Marwan Saqer, 55 anos, é o único membro de toda a sua família que tem um emprego - e o único que alguma vez pôs os pés fora de Gaza.

Estava a trabalhar num estaleiro de construção em Kafr Qassem, uma cidade árabe perto de Telavive, quando o Hamas atacou Israel. Segundo ele, a Autoridade Palestiniana disse-lhe a ele e a outros habitantes de Gaza para irem para a Cisjordânia depois de as suas autorizações de trabalho israelitas terem sido canceladas.

Vista do campo de refugiados de Deheisheh, na Cisjordânia. A pequena área alberga atualmente mais de 18.500 pessoas. Ivana Kottasova/CNN

Segundo ele, a população de Dheisheh acolheu-os de braços abertos, trazendo-lhes colchões, cobertores e artigos básicos, proporcionando-lhes conforto e companhia.

O campo de Dheisheh, em Belém, foi criado em 1949, quando 3.000 palestinianos se instalaram no local depois de terem sido expulsos ou fugido de aldeias a oeste de Jerusalém.

Desde então, a população do campo cresceu para mais de 18.500 pessoas, que ainda vivem numa área agora construída de um terço de um quilómetro quadrado, de acordo com a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina.

As paredes do campo estão decoradas com retratos dos seus residentes, na sua maioria jovens, que foram mortos no conflito israelo-palestiniano que dura há décadas. A tradição começou nos anos 90 como forma de os homenagear e tem-se mantido até agora.

Embora o campo esteja sob controlo palestiniano, as FDI efectuam regularmente incursões, prendendo pessoas e realizando rusgas. Os residentes locais disseram à CNN que as FDI chegaram no domingo de manhã e detiveram três pessoas. Embora 180 pessoas de Gaza já tenham chegado ao campo, espera-se que cheguem mais nos próximos dias.

Marwan Saqer disse que, tanto quanto sabe, a sua mulher e oito filhos deixaram a sua casa no centro de Gaza três ou quatro vezes na última semana, mas já regressaram.

Marwan Saqer olha para o telemóvel enquanto a família tenta ligar-lhe de Gaza, mas não consegue. Ivana Kottasova/CNN

Enquanto falava com a CNN, o telefone de Saqer tocou várias vezes - o seu filho estava a ligar-lhe de Gaza. Atendeu, mas a chamada caiu quase de imediato, porque o sinal do outro lado estava a falhar.

"Falamos, mas eles só me dizem metade da verdade. Não querem deixar-me mais preocupado", disse à CNN.

O facto de serem os maridos e os pais que estão na relativa segurança do campo de refugiados, enquanto as mulheres e as crianças estão em Gaza, está a pesar muito sobre estes homens.

"É difícil. Sentamo-nos todos juntos e partilhamos os nossos sentimentos. Todos os pais sentem o mesmo. Todos sentimos o sofrimento dos nossos filhos", diz Saqer.

O espaço está a tornar-se claustrofóbico e o ambiente é tenso. As discussões surgem facilmente por questões como o acesso a tomadas eléctricas.

"Há pessoas no nosso grupo que ficam acordadas a noite toda a chorar", disse Saqer. "Todos nós, fisicamente, estamos aqui, mas as nossas mentes estão em Gaza".

 

Kareem Khaddar e Hamdi Alkhshali, da CNN, contribuíram para este artigo.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Mais Lidas

Patrocinados