Bilionários estão a financiar uma enorme caça ao tesouro na Gronelândia

CNN , René Marsh
14 ago, 14:00
Gronelândia

À medida que o gelo desaparece no mar à volta da Gronelândia acendem-se as luzes das oportunidades para a indústria mineira

Alguns dos homens mais ricos do mundo estão a financiar uma enorme caça ao tesouro, com recurso a helicópteros e transmissores, na costa ocidental da Gronelândia.

A crise climática está a fazer derreter a Gronelândia a um ritmo sem precedentes, o que – ironicamente - está a criar uma oportunidade para investidores e empresas mineiras que procuram um tesouro de minerais críticos que sejam capazes de impulsionar a transição da energia verde.

Um grupo de bilionários, incluindo Jeff Bezos, Michael Bloomberg e Bill Gates, entre outros, aposta que abaixo da superfície das colinas e vales da Ilha de Disko e da Península Nuussuaq, na Gronelândia, existem minerais críticos suficientes para alimentar centenas de milhões de veículos elétricos.

"Estamos à procura de um depósito que será o primeiro ou segundo maior depósito de níquel e cobalto do mundo", disse Kurt House, CEO da Kobold Metals, à CNN.

O desaparecimento do gelo do Ártico - em terra e no oceano - realça uma dicotomia única: a Gronelândia é “chão zero” para os impactos das alterações climáticas, mas também pode tornar-se “chão zero” para a obtenção dos metais necessários para alimentar a solução da crise.

O clube bilionário está a apoiar financeiramente a Kobold Metals, uma start-up de exploração mineral sediada na Califórnia, disseram os representantes da empresa à CNN. Bezos, Bloomberg e Gates não responderam aos pedidos de comentários da CNN sobre esta notícia. A Kobold está associada à Bluejay Mining para encontrar metais os raros e preciosos na Gronelândia, que são necessários para construir veículos elétricos e baterias maciças para armazenar energia renovável.

Trinta geólogos, geofísicos, cozinheiros, pilotos e mecânicos estão acampados no local onde a Kobold e a Blujay estão à procura do tesouro enterrado. A CNN foi o primeiro meio de comunicação social a registar em vídeo da atividade que aí se realiza.

Um trabalhador da Kobold Metals na Gronelândia.

Equipas estão a recolher amostras de solo, drones voadores e helicópteros com transmissores medir o campo eletromagnético do subsolo e mapear as camadas de rocha abaixo. Estão a utilizar a inteligência artificial para analisar os dados, a fim de identificar exatamente onde perfurar já no próximo Verão.

"É uma preocupação testemunhar as consequências e impactos das alterações climáticas na Gronelândia", disse à CNN Bo Møller Stensgaard, CEO da Bluejay Mining. "Mas, de um modo geral, as mudanças climáticas em geral tornaram a exploração e a exploração mineira na Gronelândia mais fácil e mais acessível".

Stensgaard disse que, como as alterações climáticas estão a tornar os períodos sem gelo no mar mais longos, as equipas são capazes de embarcar equipamento pesado e enviar com mais facilidade metais para o mercado global.

O derretimento do gelo está a expor terras que têm estado enterradas debaixos de gelo de há séculos a milénios - que podem agora tornar-se locais potenciais para a exploração mineira.

"Como estas tendências continuam no futuro, não há dúvida de que mais terra se tornará acessível, e algumas destas terras poderão ter potencial para o desenvolvimento mineral", disse à CNN Mike Sfraga, presidente da Comissão de Investigação do Ártico dos Estados Unidos.

A Gronelândia poderá ser um ponto especial para carvão, cobre, ouro, elementos raros e zinco, de acordo com o Estudo Geológico da Dinamarca e da Gronelândia. O governo da Gronelândia, de acordo com a agência, fez várias "avaliações de recursos em toda a terra sem gelo" e o governo "reconhece o potencial do país para diversificar a economia nacional através da extração mineral".

Sfraga disse que a postura pró-mineração não é desprovida de respeito pelo ambiente, que é central para a cultura e a subsistência da Gronelândia.

"O governo da Gronelândia apoia o desenvolvimento responsável, sustentável e economicamente viável dos seus recursos naturais, para incluir a extração de uma vasta gama de minerais", disse Sfraga.

Um funcionário da Bluejay Mining cava durante a exploração de minerais críticos na Gronelândia.

Stensgaard observou que estes minerais críticos irão "fornecer parte da solução para enfrentar estes desafios" que a crise climática apresenta.

Entretanto, o desaparecimento do gelo da Gronelândia - que está a elevar o nível do mar - é uma grande preocupação para os cientistas que estudam o Ártico.

"A grande preocupação com o gelo do mar no Ártico é que tem vindo a desaparecer ao longo das últimas décadas, prevendo-se o seu potencial desaparecimento em 20 a 30 anos", disse Nathan Kurtz, um cientista da NASA que estuda o gelo do mar, à CNN. "No Outono, o que costumava ser a cobertura de gelo do Ártico durante todo o ano vai agora ser apenas cobertura de gelo sazonal".

 

Clima

Mais Clima

Patrocinados