Novo Encontro Juventude: como são os jovens de hoje, em Portugal?

, Conteúdo patrocinado
23 nov, 20:28
Fundação Francisco Manuel dos Santos
Fundação Francisco Manuel dos Santos

Nos dias 27 e 28 de novembro, os jovens serão tema de debate no Novo Encontro «Juventudes», uma conferência organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. Neste evento, que contará com a presença de inúmeros especialistas nacionais e internacionais, serão apresentados os resultados do retrato “Os jovens em Portugal, hoje”.

As diferenças geracionais são um assunto amplamente debatido na sociedade, principalmente no que diz respeito ao mercado de trabalho e aos valores sociais. Será esta divisão entre gerações uma realidade ou um preconceito exacerbado pelos meios de comunicação? Será que os jovens de hoje são assim tão diferentes dos jovens dos anos 60 ou 80 do século passado?

É este tema que estará em cima da mesa no Novo Encontro «Juventudes», organizado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, nos dias 27 e 28 de novembro, no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa. O debate terá como ponto de partida a apresentação do estudo “Os jovens em Portugal, hoje”, mas procurará olhar para os jovens de hoje e de ontem, para perceber se há mais pontos que os unem do que os separam.

Ser jovem não é de hoje

Cabe a John Goodwin, sociólogo da Universidade de Leicester, a tarefa de abrir o encontro para falar sobre a “juventude através dos tempos”, as dificuldades que as gerações anteriores enfrentaram na transição para a vida adulta, a integração e precariedade no mercado de trabalho, que em muito se assemelham aos desafios das atuais. Aliás, estudos dos anos 60 demonstram que a precariedade emocional e ocupacional já pautava a vida da juventude durante esse período.

Boomers, Geração X, Millenials e Gen Z. Serão assim tão diferentes?

Cada geração é moldada pelas circunstâncias históricas próprias do tempo e espaço em que vivem, que as torna únicas e singulares. Estas particularidades, muitas vezes exacerbadas pela comunicação social, dão origem a estereótipos e rótulos geracionais “pouco úteis ou rigorosos como Millenials, Rasca, Boomers, X, Y ou Z, ou ainda através de sobre-simplificações do social expressas em categorias como, por exemplo, a de ‘jovens nem-nem’ (que urge desconstruir)”, explica Magda Nico, socióloga e investigadora do CIES - Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, que será uma das participantes do debate “O que distingue e aproxima os jovens de hoje e de ontem?”.

Mas se existem inúmeros pontos que distinguem as diferentes gerações, há questões e dúvidas que saltam a barreira do tempo e são transversais a todas as juventudes em Portugal, como a incerteza em relação ao futuro, a precariedade ou a saída tardia de casa dos pais.

A acompanhar Magda Nico no debate sobre as diferenças geracionais, no dia 27 de novembro, às 16h, estarão Lia Pappámikail, professora adjunta na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém e membro da Direção do Observatório Permanente da Juventude, e Maria Gouveia Pereira, professora universitária no ISPA-IU, psicoterapeuta e terapeuta familiar e de casal.

A minha geração tem melhor humor do que a tua

Telefone com fio ou telemóvel? Vinil, cassete ou CD? Televisão a preto e branco ou a cores? Por carta ou via SMS? Buraco de ozono ou crise climática? Comprar casa ou viajar? O debate geracional também se estende ao humor e é a brincar que Mariana Cabral (Bumba na Fofinha), Carlos Coutinho Vilhena e Eduardo Madeira, humoristas de faixas etárias diferentes, vão responder a algumas destas questões. “A minha juventude é melhor do que a tua” está marcada para dia 27 de novembro, às 16h45.

Quem são os jovens de hoje?

Pensa-se que as gerações mais novas, conhecidas por Millenials e Gen Z, são movidas por valores bastante vincados no que diz respeito a questões sociais, como as alterações climáticas, a desigualdade e a discriminação. No mercado de trabalho, dão menos importância ao “emprego para a vida” e valorizam as experiências, o bom ambiente, a flexibilidade e trabalharem numa empresa alinhada com os seus valores sociais.

Mas será este um retrato fiel das gerações mais jovens? Para perceber quem são, o que pensam e o que sentem os jovens em Portugal, a Fundação realizou o retrato “Os jovens em Portugal, hoje”, um inquérito a cerca de 4.900 pessoas entre os 15 e os 34 anos, que permite conhecer os seus valores, a sua relação com a família ou os amigos, os seus hábitos, a forma como reagem à pressão social, até que ponto se sentem felizes, se sofrem de discriminação, o que pensam em relação a questões como a mobilidade, a parentalidade, a política, o meio ambiente, entre muitos outros aspetos.

O estudo foi produzido por uma equipa de analistas liderada por Laura Sagnier, com a consultoria de duas investigadoras externas: Alice Ramos, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, e Evelia Alvarez, do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, e será apresentado no dia 27 de novembro, às 17h30.

O debate certo à hora certa

Após a apresentação dos resultados do estudo, o dia terminará com o debate “Jovens: Contexto e implicações?”. A conversa conta com Vítor Sérgio Ferreira, investigador e especialista em estudos de juventude no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Pedro Freitas, investigador em Economia da Educação e Capital Humano na Nova School of Business and Economics, Sofia Serra-Silva, investigadora em ciência política no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, e Thais França, investigadora e socióloga no CIES (ISCTE-IUL), que irão refletir sobre os resultados deste retrato à juventude portuguesa.

Uma radiografia dos jovens em Portugal, a braços com os impactos da pandemia, que acentuou as desigualdades sociais e económicas e pôs em causa o seu bem-estar, a sua socialização e as suas perspetivas futuras.

Um olhar para o futuro da juventude

O segundo dia do Novo Encontro «Juventudes» será marcado pela intervenção de Howard Williamson, professor de Política Europeia da Juventude na Universidade de South Wales, que abordará a pertinência das políticas de juventude em vigor. Será que refletem os valores dos jovens de hoje?

Na sua intervenção “ADN das Políticas de Juventude”, dia 28 de novembro, às 16h10, o orador propõe-se a olhar para o futuro das políticas de juventude, por forma a integrar os ideais que movem os jovens de hoje, como a digitalização, a igualdade de género, as alterações climáticas e os valores-base, como a democracia, os direitos humanos e o Estado de Direito.

Segue-se o debate “Jovens: Que futuro?”, com sessão aberta a perguntas do público. A moderação ficará a cargo de Inês Lopes Gonçalves e contará com Joana Baptista, empreendedora social e ativista, João Pedro Videira, presidente da Direção do Conselho Nacional da Juventude, Afonso Eça, cofundador da start-up Raize, e Adriana Cardoso, colunista em vários meios de comunicação.

Também este debate terá como tema de fundo as políticas de juventude e procurará auscultar os mais novos sobre os seus desafios, as suas aspirações e conhecer as suas agendas políticas e sociais.

Marque na sua agenda: 27 e 28 de novembro

Porque a juventude é contínua no tempo, e são os jovens que se renovam, neste encontro debatem-se soluções para o futuro. Pode encontrar mais informações sobre os temas, oradores e comprar bilhetes para o Novo Encontro «Juventudes» no site da Fundação Francisco Manuel dos Santos. Os bilhetes têm o preço de 10 euros, mas os estudantes pagam apenas 5 euros. O acesso ao evento estará reservado a portadores de certificado digital de vacinação válido ou de um certificado de testagem negativo.

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

A minha geração tem melhor humor do que a tua

Telefone com fio ou telemóvel? Vinil, cassete ou CD? Televisão a preto e branco ou a cores? Por carta ou via SMS? Buraco de ozono ou crise climática? Comprar casa ou viajar? O debate geracional também se estende ao humor e é a brincar que Mariana Cabral (Bumba na Fofinha), Carlos Coutinho Vilhena e Eduardo Madeira, humoristas de faixas etárias diferentes, vão responder a algumas destas questões. “A minha juventude é melhor do que a tua” está marcada para dia 27 de novembro, às 16h45.

Marque na sua agenda: 27 e 28 de novembro

Porque a juventude é contínua no tempo, e são os jovens que se renovam, neste encontro debatem-se soluções para o futuro. Pode encontrar mais informações sobre os temas, oradores e comprar bilhetes para o Novo Encontro «Juventudes» no site da Fundação Francisco Manuel dos Santos. Os bilhetes têm o preço de 10 euros, mas os estudantes pagam apenas 5 euros. O acesso ao evento estará reservado a portadores de certificado digital de vacinação válido ou de um certificado de testagem negativo.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.

Últimas