Cromo do dia: a italiana que decapitava bonecas para jogar à bola

6 jul, 13:18
Valentina Giacinti (Getty)

Dom de Valentina Giacinti, avançada da seleção de Itália, começou a manifestar-se de forma macabra

O dom de Valentina Giacinti começou a manifestar-se bem cedo e de uma forma... macabra.

«A minha avó oferecia-me sempre bonecas de presente. Mas eu arrancava-lhes a cabeça e jogava futebol com elas. Os meus pais rapidamente perceberam que a minha paixão era outra», contou um dia.

Hoje, aos 28 anos, leva mais de 300 golos marcados na carreira e foi três vezes a Bota de Ouro da Serie A.

É uma das referências do ataque da «squadra azzurra» - que estará no Grupo D com França, Bélgica e Islândia - e quer terminar uma época difícil a sorrir. É que no inverno foi emprestada pelo Milan à Fiorentina depois de um desentendimento com o treinador.

Hoje, é fã do estilo de jogo Álvaro Morata, mas antes, talvez quando ainda jogava à bola com as cabeças das bonecas, tinha em Christian Vieri a principal referência.

Tremenda futebolista, é também uma mulher dos sete ofícios: toca guitarra, sabe cozinhar e é apaixonada por fotografia.

Uma artista!

Este texto foi baseado no perfil de Valentina Giacinti, que pode ler no dossier dedicado às 23 jogadoras da seleção italiana, um dos vários conteúdos publicados no âmbito da Guardian Experts’ Network, a rede de meios de comunicação que tem o Maisfutebol como representante português para partilha de informação relativa ao Euro 2022 feminino.

 

Relacionados

Patrocinados