Teatro S. Luiz abre temporada de 2022 com texto de Wole Soyinka pelo Teatro Griot

Agência Lusa , DCT
21 dez 2021, 15:06
Wole Soyinka
Wole Soyinka

Em Uma dança das florestas, as personagens o Morto e a Morta, que regressam à vida por ação do deus Aroni, levantam-se das suas sepulturas de terra, no meio da floresta, e pedem àqueles que passam para “aceitarem o seu caso"

PUB

Uma dança das florestas, do escritor nigeriano Wole Soyinka, Nobel da Literatura em 1986, pelo Teatro Griot, é a peça com que o Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa, abre a temporada de espetáculos em 12 de janeiro de 2022.

Para os mais novos, a programação abre no dia seguinte, com Não, peça resultante do encontro entre o encenador italiano Giacomo Scalisi e o escritor português Afonso Cruz, que fala da importância da negativa e da recusa, sempre que ela tiver de existir.

PUB

Quanto a Uma dança das florestas, com encenação e dramaturgia de Zia Soares, põe em palco "dois espíritos mortos inquietos, que trazem consigo as feridas de outro tempo e confrontam os seus carrascos num estranho ritual de morte, expiação, desobediência e renascimento", refere o São Luiz, no texto de apresentação da temporada.

Em Uma dança das florestas, as personagens o Morto e a Morta, que regressam à vida por ação do deus Aroni, levantam-se das suas sepulturas de terra, no meio da floresta, e pedem àqueles que passam para “aceitarem o seu caso”.

PUB
PUB
PUB

O Morto e a Morta foram marido e mulher, em vida. Ambos possuem feridas de um outro tempo e irão confrontar quatro mortais – Rola, Adenebi, Agboreko e Demoke - que carregam consigo o seu passado, apesar de não manterem a identidade anterior.

Rola é uma prostituta que, na vida anterior, foi Madame Tartaruga, Adenebi é um historiador da corte do império Mata Kharibu, que agora é um orador do conselho, enquanto Agboreko, foi um adivinho do Imperador Mata Kharibu e, nesta vida, mantém a mesma atividade; e Demoke, que foi poeta da corte, é agora escultor.

Uma dança das florestas estará em cena de 12 a 23 de janeiro, tem tradução de Rita Correia e, na interpretação, vão estar Ana Valentim, Cláudio Silva, Gio Lourenço, Júlio Mesquita, Matamba Joaquim, Miguel Sermão, Rita Cruz e Vera Cruz.

Já para os mais novos, o primeiro espetáculo de 2022 do S. Luiz é Não, uma iniciativa pensada para crianças com mais de oito anos que nasceu a partir de um diálogo entre o encenador italiano Giacomo Scalisi e o escritor português Afonso Cruz, sobre os seus livros “Paz traz paz”, “O livro do ano” e ainda alguns textos inéditos do autor de "O pintor debaixo do lava-loiça" e "Nem todas as baleias voam".

PUB
PUB
PUB

Não é como um lembrete de coisas importantes, das quais não nos podemos mesmo esquecer. É a história do “sim” que deveria ter sido “não” na qual três mulheres se fundem numa só para nos explicar que os monstros podem mesmo existir – e que ganham forma com as mais pequenas coisas e com os medos mais infundados.

A interpretar e na cocriação de Não, que fica em cena de 13 a 16 de janeiro, vão estar Ana Root, Rita Rodrigues e Sofia Moura.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Artes

Mais Artes

Patrocinados