China anuncia sanções contra "fanáticos separatistas" de Taiwan

Agência Lusa , CE
16 ago, 06:24
O presidente da China, Xi Jinping

Entre os alvos de sanções estão o vice-presidente da Assembleia Legislativa de Taiwan, o ativista Lin Fei-fan e membros do Partido Democrático Progressista

O gabinete para os assuntos de Taiwan do Comité Central do Partido Comunista Chinês anunciou este terça-feira sanções contra “fanáticos separatistas taiwaneses”, avançou a agência noticiosa oficial Xinhua, num período de crescente tensão entre Pequim e Taipé.

Entre os alvos de sanções estão o vice-presidente da Assembleia Legislativa de Taiwan, Tsai Chi-chang, o ativista Lin Fei-fan e membros do Partido Democrático Progressista, que atualmente governa a ilha.

Estas pessoas juntam-se assim a uma lista que já incluía, entre outros, o atual ministro dos Negócios Estrangeiros de Taiwan, Joseph Wu.

Estes passam a estar impedidos de entrar na China continental, Hong Kong e Macau, e as suas empresas e organizações não vão poder realizar atividades na China continental com fins lucrativos.

Em comunicado, o gabinete apontou que “alguns separatistas fanáticos de Taiwan formaram um amplo conluio com forças estrangeiras para defenderem a independência de Taiwan”.

Este comportamento tornou-se “mais flagrante” durante a viagem da líder do Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, à ilha, no início do mês, lê-se na mesma nota.

A China respondeu à visita de Pelosi com manobras militares ao redor da ilha e com sanções a produtos taiwaneses e contra a própria Pelosi e familiares seus.

Logo após a visita da política norte-americana, as autoridades chinesas detiveram um cidadão taiwanês, residente na cidade de Wenzhou, no leste da China, pelo seu alegado envolvimento em “atividades separatistas”.

China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas. Os 23 milhões de habitantes da ilha opõem-se de forma esmagadora à unificação política com a China, preferindo manter laços económicos com o continente chinês e o ‘status quo’ de independência de facto.

No entanto, Pequim considera Taiwan parte do seu território, e não uma entidade política soberana, e ameaça usar a força caso a ilha declare independência.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados