Esta cidade está cheia de médiuns e histórias de fantasmas - e a pessoa que aqui entra pode não ser a mesma que sai

CNN , Terry Ward*
26 nov 2023, 16:00
Cassadaga fica a cerca de 80 quilómetros de Orlando, no centro da Florida. É o lar do Acampamento Espírita Sul de Cassadaga, onde médiuns afirmam comunicar com os mortos

Embora não exista uma contagem oficial, estima-se que entre 15.000 e 17.000 pessoas visitem Cassadaga, na Florida, todos os anos. E chegam de todo o mundo

Quando finalmente pensas que conheces a Florida, nos Estados Unidos, ela surpreende-te com uma cidade cheia de médiuns.

Localizada a cerca de 80 quilómetros dos parques temáticos de Orlando, Cassadaga é um bucólico enclave na Florida Central, com ruas repletas de carvalhos cobertos de musgo espanhol e casas vitorianas coloridas, decoradas com vitrais em forma de girassóis, símbolos de paz e estátuas de anjos.

E uma considerável parte dos residentes são médiuns que afirmam poder comunicar com os mortos.

Numa área não incorporada do Condado de Volusia, Cassadaga é a casa do Southern Cassadaga Spiritualist Camp (Acampamento Espírita do Sul de Cassadaga), uma comunidade fundada em torno do movimento do Espiritismo que se "baseia no princípio da vida contínua através da Mediunidade", de acordo com o kit de imprensa oficial do acampamento.

O que são espíritas e o que é o espiritismo?

A crença fundamental do espiritismo gira em torno da "continuidade da vida", ou seja, a crença de que o corpo pode morrer, mas o espírito continua a existir - e que é possível os vivos (médiuns) comunicarem com os mortos, a quem os espíritas frequentemente se referem como "espírito" ou o "outro lado da vida".

O Acampamento Espírita do Sul de Cassadaga acredita em Deus, em Jesus e na Bíblia, de acordo com o seu folheto informativo, mas não adota uma "filosofia Deus-Salvador" que envolva o diabo ou o "cair em desgraça".

O movimento espírita moderno tem as suas raízes em Nova Iorque, em 1848, quando se diz que duas irmãs começaram a comunicar com um espírito que fazia sons de pancadas em sua casa.

O Templo Colby Memorial no Acampamento Espírita do Sul de Cassadaga organiza um serviço e uma escola dominical para adultos. Na escola dominical, reverendos, médiuns e curandeiros partilham os seus conhecimentos sobre um tema relacionado com o Espiritismo

No século XIX e início do século XX, o novo movimento foi confrontado com oposição e condenação por parte de líderes religiosos, que equiparavam as tentativas dos médiuns de comunicar com os espíritos à bruxaria. Alguns médiuns, que usavam ilusionistas para "provar" a sua clarividência, foram expostos como vigaristas, e Harry Houdini foi um dos que interveio para denunciar práticas fraudulentas.

O Acampamento Espírita do Sul de Cassadaga, na Florida, remonta a 1894, depois de o seu fundador, um espírita nova-iorquino chamado George Colby, ter sido levado para o local por um guia chamado "Séneca", depois de lhe ter sido dito durante uma sessão espírita que iria fundar uma comunidade espírita no sul. Colby tinha feito parte do acampamento de Lily Dale em Nova Iorque, que ainda hoje existe como Assembleia de Lily Dale e afirma ser a maior comunidade de espíritas do mundo.

Os espíritas de Cassadaga defendem que o espiritismo é uma doutrina, uma filosofia, e também uma ciência. É uma ciência "porque investiga, analisa e classifica factos e manifestações do espírito", de acordo com as definições publicadas pelo acampamento. Estas manifestações podem ocorrer durante sessões mediúnicas, que podem envolver um médium a trabalhar com um grupo ou um indivíduo, ou sessões espíritas, quando grupos sentados numa sala escura procuram contacto com o mundo espiritual.

Se isto parece muita história e tradição para absorver, visitar Cassadaga e ver por si próprio o que é o espiritismo e o que são espíritas, pode dar-lhe uma melhor compreensão.

Conhecer o terreno ao visitar Cassadaga

Percorra cerca de 80 quilómetros a nordeste dos parques temáticos de Orlando, saia da autoestrada e siga por algumas estradas rurais para chegar a uma zona histórica de mais de 23 hectares, o Acampamento Espírita do Sul de Cassadaga. Inscrito no Registo Nacional de Lugares Históricos, é o lar de médiuns, curandeiros e membros do espiritismo, que habitam cerca de 44 casas em terrenos arrendados pelo acampamento. Alguns oferecem os seus serviços ao público.

Mesmo à saída do acampamento (marcado por dois pilares brancos no topo da Stevens Street), a Casa e Museu da História Assombrada de C. Green e a Purple Rose Trading Co. estão entre um conjunto de negócios que não estão associados ao acampamento e dedicam-se a serviços como leituras de tarot, sessões de numerologia e cristais abundantes. É importante notar que os médiuns do acampamento não usam ferramentas como cartas de tarot ou cristais nas suas leituras, que envolvem comunicação mental.

A Casa Ann Stevens, um alojamento histórico com dez quartos, que data de 1895 e foi construído por uma das primeiras espíritas do acampamento, inclui, alegadamente, nos seus terrenos, dois vórtices, pontos na terra considerados por alguns como centros de energia.

Estes sinais de trânsito em Cassadaga estão de acordo com a história da cidade

E de volta aos terrenos do acampamento, o Hotel Cassadaga, construído em 1927 e que se diz estar assombrado, pertenceu à comunidade espírita mas atualmente é gerido de forma independente, alberga um grupo de leitores de cartas de tarot, mestres de reiki, videntes e até uma casa assombrada durante a época do Halloween. Também tem um restaurante italiano surpreendentemente bom, o Sinatra's, que serve refeições ao som do piano duas sextas-feiras por mês e karaoke todos os sábados à noite, acompanhados de pratos de burrata e calamares. E não seria um hotel assombrado sem uma loja de souvenirs repleta de cristais, spray de limpeza de energia de palo santo, caçadores de sonhos e afins.

No entanto, se veio a Cassadaga à procura da experiência oficial espírita, a sua primeira paragem deve ser o Espaço Educativo/Livraria Andrew Jackson Davis, um edifício de cerca de 1905, nomeado em honra de um pioneiro espírita, e o centro oficial de boas-vindas. Uma placa no exterior anuncia “Casa de Médiuns Certificados Est. 1894" e na loja, as t-shirts à venda dizem "Onde Mayberry encontra a Twilight Zone".

Todos os dias, autocarros cheios de turistas de comunidades de reformados, como The Villages, misturam-se com visitantes de todo o mundo.

A livraria está repleta de produtos de esoterismo e espiritualidade da nova era - livros sobre milagres, calças folgadas com elefantes estampados prontas para uma festa de lua cheia, molhos de sálvia e pacotes de pedras preciosas que dizem aliviar desde pesadelos e vícios até à menopausa.

Numa sala nas traseiras, um quadro de cortiça coberto de panfletos anuncia eventos que vão desde os “Talking Stick Circles” dos nativos americanos, Círculos de Cura Reiki, Passeios Noturnos de Encontro com os Espíritos e até um círculo de croché. É também aqui que se encontra um espesso dossier branco com as biografias dos cerca de 35 médiuns que trabalham no acampamento e um quadro branco com os nomes dos que estão disponíveis para sessões sem marcação, com preços que variam entre os 50 e os 200 dólares por hora. Convenientemente, existe um multibanco nas proximidades, uma vez que é geralmente pedido para pagar em dinheiro diretamente ao médium escolhido. Os clientes também podem contactar os médiuns e curandeiros do acampamento e reservar com antecedência.

"Leia as biografias e escolha a pessoa com a qual se sente mais próximo", disse Deb Jordan, 66 anos, médium e curandeira certificada, que faz parte do conselho administrativo do acampamento. "Preferimos que as pessoas escolham um médium com base na conexão pessoal e afinidade."

Mobiliário de época decora o salão do Hotel Cassadaga, que se diz estar assombrado

As almas que encontra em Cassadaga

A pessoa que entra em Cassadaga pode ou não ser a mesma que sai, afirmou Jordan.

Embora não exista uma contagem oficial, estima-se que entre 15.000 e 17.000 pessoas visitem Cassadaga todos os anos - e chegam de todo o mundo.

"É frequente as pessoas virem à procura de orientação e de cura e à procura de encerramento para situações trágicas", contou. "Descobri que, à medida que partilhamos informações sobre os seus entes queridos, a que chamamos de evidência – com informações suficientes para que possam dizer 'este é o meu ente querido' - é verdadeiramente incrível porque percebem que eles estão presentes em espírito."

A possibilidade de acreditar no que os espíritas oferecem tem sido recebida com uma série de respostas desde que o movimento se instalou. As práticas foram firmemente rejeitadas, abraçadas com todo o coração e tudo o mais. E a situação atual não é diferente.

Felicitas Schroeder, uma terapeuta de massagens de Lingen, Alemanha, passeia pelo Trilho das Fadas - um dos muitos parques repletos de objetos que as pessoas deixaram como ofertas, desde estátuas de gnomos e borboletas a um par de “O meu Pequeno Pónei”, uma Casa de Sonho da Barbie e um frasco de loção de limpeza da árvore do chá. 

É a segunda visita de Schroeder a Cassadaga com a sua filha de 14 anos.

"É uma sensação boa aqui, ou se gosta ou não se gosta", descreveu Schroeder, acrescentando que não tem planos de visitar um médium ou fazer uma leitura de tarot no hotel. "Se eu estivesse aqui sozinha, sentava-me e ficava assim durante horas."

O Trilho das Fadas do Parque Horseshoe está repleto de exibições extravagantes em constante mudança

Uma variedade de perceções

Lloyd Lightsey, 66 anos, da The Pond Monster, a empresa responsável pela construção do elemento de água, disse que vive na Florida desde os seis anos e sempre ouviu falar de Cassadaga - mas que só a visitou pela primeira vez quando o projeto começou.

Cristão renascido, assistiu recentemente a uma cerimónia no Templo Colby Memorial, que data de 1923 e onde se realizam semanalmente serviços espíritas, e disse que foi uma experiência espiritual diferente de todas que já teve antes. "Não somos julgados, é uma sensação de descontração", observou.

Eu entrei e disse: "OK, provem-me o que estão a fazer"", disse Lightsey sobre um culto de domingo à tarde em Grove, ao qual assistiu, e onde os médiuns se conectam com pessoas que escolhem aleatoriamente para uma leitura improvisada.

"Eu e o meu filho fizemos as leituras e ambos recebemos alguém", contou, reconhecendo o seu falecido pai na descrição detalhada do médium.

Os fundos para uma nova cascata de pedra, que em breve nascerá atrás do Templo Colby Memorial, foram doados por um amigo de longa data do acampamento

Para cada crente, é claro, há muitos céticos.

No Parque Colby-Alderman, parque oficial do condado, mesmo à saída do acampamento, onde a sinalética conta a história das ligações do espiritismo à região, uma funcionária do condado que vive nas proximidades de Lake Helen "acha que fazem horóscopos" em Cassadaga, mas que nunca lá foi nem tenciona ir.

De volta à Stevens Street, no acampamento, Jerusalen Morales, de 93 anos, trouxe o filho e um amigo da família para visitar o acampamento pela primeira vez, no que ela disse ser provavelmente a sua 50.ª visita a Cassadaga.

Morales explica que trabalhou como médium em Porto Rico e Nova Iorque antes de se reformar e ir para a Florida e considera Cassadaga "um lugar muito espiritual e angelical".

"As pessoas vêm aqui pelo benefício do que sentem no local", apontou.

O seu filho, Ricardo Morales, que vem de Nova Iorque, disse que há alguns lugares no mundo onde sente que a sua mente fica mais aberta às coisas, mencionando o Muro das Lamentações de Jerusalém e a Basílica de São Pedro em Roma.

"Quando se anda por Cassadaga, há uma sensação de segurança, de cura e de bem-estar", disse.

Um visitante no Parque Séneca, nas margens do Lago Colby, um dos vários parques em Cassadaga

Mensagens dos médiuns

Sentado num banco de baloiço amarelo, no alpendre da sua casa de 1906, Richard Russell - um dos médiuns e curandeiros do acampamento - reflete sobre Cassadaga.

Russell, de 79 anos, chegou pela primeira vez ao acampamento em 1997, vindo de Nova Iorque, depois da sua vida ter sido virada do avesso devido a uma stressante carreira no sector imobiliário.

"Não era assim que eu imaginava passar a minha velhice", recordou. O seu cão e a sua gata, Harley e Leala, estavam ao seu lado e um autocolante na janela atrás dele dizia: "Se vivesses no teu coração, já estarias em casa."

A autocaravana que comprou há alguns anos para explorar a beleza da Florida está estacionada e não está a fazer os quilómetros que esperava porque o trabalho e a vida têm sido demasiado agitados.

"O público continua a vir a Cassadaga, mas não temos o número suficiente de médiuns e curandeiros para satisfazer a procura", indicou Russell.

Para se tornar um médium e curandeiro certificado, é necessário frequentar cursos presenciais em Cassadaga durante quatro a seis anos, com demonstrações públicas dos seus "dons", como parte dos requisitos.

"Recebemos muitas pessoas interessadas, mas que não querem assumir o compromisso", disse Russell.

"As pessoas empenhadas em servir o público podem fazer disto a sua carreira", acrescentou, antes de atender uma chamada de um cliente habitual a marcar uma sessão.

Richard Russell, médium e curandeiro certificado, relaxa com seu cão, Harley, na sua casa em Cassadaga

"A maior parte do meu negócio vem de recomendações. Se não tivermos o dom, as pessoas não vêm ter connosco. O acampamento leva isso muito a sério para eliminar as pessoas que não têm qualquer dom espiritual."

A sócia de Russell, Deb Jordan, membro do conselho de administração, está em Cassadaga desde 2006 e diz que há uma ideia errada sobre a cidade e o acampamento.

"As pessoas pensam em Cassadaga como um lugar assustador ou uma cidade-fantasma", disse. "A minha experiência, como alguém que trabalha como médium e com espíritos, considera-o um lugar bonito e sagrado."

"Algumas pessoas têm medo de descer a rua; pensam que algum fantasma vai aparecer e agarrá-las", contou Russell.

As noites que antecedem o Halloween enchem-se todos os anos de centenas de foliões, atraídos sobretudo pela atração assombrada que o Hotel Cassadaga organiza (até 31 de outubro deste ano) e pelas tendas ao ar livre que vendem cerveja e comida.

Mas durante o resto do ano, Cassadaga é calma e pacífica, garantiu Russell.

"A maioria das pessoas nem sequer sabe que o acampamento e Cassadaga existem. As pessoas que falam mal de nós nunca cá estiveram."

*Terry Ward é um escritor de viagens e jornalista freelance na Florida, em Tampa, que já visitou Cassadaga várias vezes

Relacionados

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados