Percorri o Caminho de Santiago em Espanha, Portugal e França. Estas são as lições que aprendi

CNN , James Jeffrey
9 set 2023, 11:00
Caminho de Santiago (ver créditos na foto)

Peneire e reduza a sua "mochila emocional": toda a raiva desnecessária, amargura, vergonha e culpabilização de si próprio e dos outros que carrega da vida. Aplique a versão espiritual da fita de óxido de zinco: o perdão - tanto para si como para os outros. Esta é apenas uma das lições a partilhar.

O Caminho de Santiago é, sem dúvida, a peregrinação mais famosa do mundo. Pelo menos no que diz respeito às que têm de ser feitas a pé, ao longo de centenas de quilómetros, carregando o seu mundo simplificado numa mochila às costas.

Quando fala de "el Camino", a maioria das pessoas está a referir-se à rota de 800 quilómetros que parte da aldeia francesa de Saint-Jean-Pied-de-Port, na base dos Pirenéus.

Depois, ele atravessa a fronteira e segue para oeste, passando pelas grandes cidades espanholas de Pamplona, Burgos e Leon, em direção ao destino lendário de Santiago de Compostela, o proclamado local de descanso do apóstolo Santiago.

Mas, mais precisamente, o Caminho de Santiago é o nome coletivo da rede de diferentes rotas de peregrinação do Caminho que correm por toda a Europa como afluentes de um rio. Estes reflectem as origens dos antigos peregrinos e os diferentes caminhos que tomaram em direção a Santiago de Compostela.

Fiz o meu primeiro Caminho - a rota do Caminho Francês a partir de Saint-Jean-Pied-de-Port - em 2017. Foi revelador, e seguiram-se vários Caminhos. Durante a pandemia de Covid-19, iniciei uma caminhada prolongada de 11 meses e mais de 3200 quilómetros através de rotas do Caminho interligadas para escapar aos confinamentos.

Aprende-se muito quando se vive de mochila na estrada durante tanto tempo, habitando um reino entre o viajante, o turista e o vagabundo sem raízes. Aqui ficam algumas dessas lições.

Sobre caminhadas

Uma subida no Camino Norte é recompensada com vistas deslumbrantes da costa circundante. Fotos: James Jeffrey

Caminhar é extremamente igualitário. Independentemente da sua idade, sexo, etnia ou capacidade económica, se tiver uma saúde mediana, será capaz de caminhar mais longe do que julga ser capaz - mesmo carregando peso.

Como Ernest Hemingway disse sobre as caminhadas no livro "Paris É Uma Festa": "O teu coração sentia-se bem e tu sentias-te orgulhoso do peso da tua mochila."

No Caminho, a maioria dos caminhantes tende a percorrer cerca de 20-25 quilómetros por dia. Uma regra geral é que o peso ideal da mochila, incluindo comida e água, deve ser cerca de 10% do peso do corpo. Para a maioria das pessoas, isso equivale a cerca de 5-10 kg às costas.

Percorrer 20-25 quilómetros por dia parece ser um intervalo que está programado no nosso corpo - talvez remontando a 600 mil anos atrás, quando os nossos antepassados começaram a sua caminhada para fora de África para se espalharem pelo mundo.

No entanto, assim que se ultrapassa o limiar dos 25 quilómetros, o corpo começa a queixar-se visivelmente. Pode continuar, mas os músculos começam a ficar tensos a um ritmo semelhante ao dos juros compostos.

Se nos mantivermos nesse intervalo ótimo, é notável o tempo que podemos continuar a fazer 20-25 quilómetros por dia, sucessivamente, como fazem pessoas de todas as idades e origens no Caminho.

Sobre os bastões de caminhada

No primeiro Caminho, eu não ia usar bastões de maneira nenhuma. Eu tinha decidido que eles nos fazem parecer ridículos, a arrastarmo-nos como um louva-a-deus enlouquecido.

"Se só puderes fazer uma coisa, arranja uns bastões", foi o conselho de uma mulher com quem falei na plataforma do comboio para Saint-Jean-Pied-de-Port.

Ela tinha acabado de terminar o Camino del Norte - um percurso mais exigente ao longo da lindíssima mas acidentada costa norte de Espanha - e sabia claramente o que estava a dizer.

O escritor, à direita, com dois peregrinos suíços com quem fez amizade durante a sua viagem. Foto James Jeffrey

Cheguei a Saint-Jean-Pied-de-Port pouco antes da hora de fecho de uma loja de artigos para caminhadas. Continuo a usar o mesmo par de bastões que, ao longo de milhares de quilómetros, aliviaram até 25% da pressão sobre os meus pobres joelhos, de acordo com alguns estudos.

Qualquer que seja a percentagem, os bastões ajudam-no a equilibrar-se em terrenos irregulares - especialmente em descidas complicadas com pedras soltas. Distribuem mais uniformemente as forças entre os braços e as pernas e permitem que todo o corpo esteja mais envolvido e em sintonia com o ato de caminhar.

Além disso, nas subidas difíceis - que são muitas no Caminho Norte - a ação constante de empurrar e puxar dos bastões ajuda a impulsionar para cima.

Sobre as doenças

Touros espanhóis na rota do Camino Via de la Plata. James Jeffrey

Apesar da capacidade humana inata de vaguear - especialmente quando apoiado por bastões - as coisas continuam a correr mal. Aqui estão algumas das doenças mais comuns que os peregrinos enfrentam.

Tornozelos torcidos: Siga o acrónimo RICE para reduzir o inchaço e apoiar a cura.

Repouso: pare todas as actividades e tente não colocar qualquer peso sobre o tornozelo.

Ice (gelo): aplique um saco de gelo - ou um saco de ervilhas congeladas embrulhado numa toalha fina - durante um máximo de 20 minutos a cada duas ou três horas, durante cerca de dois dias.

Compressão: Envolva uma ligadura à volta da lesão ou use uma meia de compressão para a suportar.

Elevar: mantenha-o elevado tanto quanto lhe for possível.

Bolhas: primeiro, use meias decentes e grossas. Verifique os seus pés e procure pontos de pressão - áreas que ficam vermelhas. Assim que detetar isso - ou assim que as bolhas aparecerem - o remédio mais eficaz que encontrei é uma fita adesiva barata de óxido de zinco, que se encontra nas farmácias. Rasgue pequenas tiras e aplique-as na pele, com cada tira a cobrir metade de outra camada, como a carapaça de um tatu.

Assaduras: use roupa leve e respirável, normalmente à base de poliéster em vez de algodão, que é mais pesado e absorve a humidade. Se a irritação se instalar, a fita de óxido de zinco pode ajudar no seu tronco. Se estiver "em baixo", vista regularmente roupa interior limpa - lavada à mão, se necessário - e aplique uma quantidade generosa de pó de talco!

Sobre Espanha

A belíssima Catedral de Salamanca, em Espanha. O Caminho de Torres, uma das muitas rotas do Caminho de Santiago, vai de Salamanca a Santiago de Compostela. James Jeffrey

Antes do Caminho, não fazia ideia da dimensão da história e das lendas que permeiam esta vasta terra. A sua essência viva parece infiltrar-se nas próprias paredes de pedra da sua arquitetura, cidades e igrejas deslumbrantes.

"Tal como os arranha-céus estão para Nova Iorque, também as catedrais estão para Espanha: (...) obras-primas, todas elas complementadas, em todas as regiões de Espanha, por estruturas menores que seriam, em qualquer outro país, eles próprio gabaritos nacionais", escreveu Jan Morris no seu livro seminal "Spain" ["Espanha"].

Também não me apercebi da amplitude da topografia, que vai desde os campos de trigo dourado e as vinhas espalhadas por colinas ondulantes, passando pela austeridade meditativa das planícies áridas da Meseta, até às florestas e encostas rochosas que se encontram com as praias cintilantes da costa norte.

Além disso, Espanha não é apenas a Península Ibérica. Existe outro mundo hipnotizante de temática espanhola ao largo da costa de África, nas Ilhas Canárias. Na Gran Canaria existe mesmo uma rota oficial de três a quatro dias do Caminho que atravessa a ilha de sul a norte.

Sobre o vinho

O vinho desempenha um importante papel de ligação em Espanha e no Caminho. De facto, o Caminho Francês passa pelas regiões produtoras de Rioja, no norte de Espanha.

O Rioja é um vinho esplêndido, mas pode roubar a atenção a outras regiões espanholas, que estão a produzir excelentes vinhos que vale a pena experimentar (recomendo particularmente Ribera del Duero).

Do mesmo modo, os vinhos de Portugal - o Caminho Português atravessa o país de Lisboa para norte e depois atravessa a fronteira com Espanha - são igualmente variados, acessíveis e subvalorizados.

Tanto em Espanha como em Portugal - tal como em grande parte da Europa - beber vinho não é uma questão de parecer sofisticado ou conhecedor. É tão natural como comer e é um meio para abraçar os que nos rodeiam.

Sobre a peregrinação

As setas do Caminho de Santiago dão aos peregrinos a certeza de que estão no caminho certo. James Jeffrey

Os seres humanos sempre foram peregrinos num longo arco de viagem, percorrendo a vida, o mundo e a história.

Muitas vezes, esta tendência tem sido motivada pelos aspectos mais práticos de encontrar comida e abrigo adequados. Mas também é tipicamente sustentada por uma procura de significado e de um modo de existência mais satisfatório.

Nesse primeiro Caminho, ouvi continuamente peregrinos - ateus ou religiosos, quase todos se referem voluntariamente a si próprios como peregrinos - a lamentarem-se dos mesmos problemas e armadilhas da sociedade moderna.

"Para vislumbrar o transcendente, de outra forma impossível na azáfama da vida moderna, é necessário fazer um esforço todo-poderoso e contra-intuitivo - como fazer uma peregrinação numa era secular", escreve Peter Stanford sobre o Caminho no seu livro "Pilgrimage: In Search of Meaning".

A procura de um elemento espiritual pode muito bem ser um fator de partida. Mas também o são os desejos mais vulgares de encontros inspiradores com estranhos e de encontros edificantes com a natureza e a beleza.

Sobre abraçar o místico

Muitos peregrinos do Caminho terminam a sua viagem na Catedral de Santiago de Compostela, na Galiza, em Espanha. Foto samael334/iStockphoto/Getty Images

Saia da sua cabeça durante a caminhada e pare de pensar em todas as suas dificuldades. Preste apenas atenção ao mundo físico que o rodeia. Considere realmente as árvores e a natureza, a sua composição complexa e todos os ruídos que a acompanham.

Pare junto a um rio ou riacho, mergulhe o dedo na água e rode-o, aconselha Paulo Coelho em "O Diário de Um Mago", o seu primeiro grande livro sobre as suas experiências no Caminho. Concentre-se inteiramente nisso durante pelo menos cinco minutos.

Mais uma vez, trata-se de abrandar, concentrar-se e envolver-se fisicamente com a natureza - e ver o que isso faz pelo seu estado emocional e espiritual.

Faça um esforço consciente para dizer olá a todas as pessoas que encontra e com quem se cruza, e para lhes sorrir. Pode receber olhares estranhos de alguns. Mas o objetivo é manifestar pessoalmente um fluxo de energia positiva e ver o que isso faz por si e pelos outros.

Sobre viagens em geral

Não há nada de errado com o passeio organizado de autocarro turístico por uma cidade ou em passar uma semana a descansar numa bela praia. Cada um tem o seu lugar e utilidade, dependendo das circunstâncias.

Mas o potencial problema com as maravilhas dos transportes modernos e do turismo é que muitos de nós não vão a nenhum sítio diferente. Demasiadas vezes, é o mesmo tipo de hotéis e estâncias de férias que move muitas pessoas.

Para viajar verdadeiramente e absorver o que nos rodeia, é difícil bater o simples ato antiquado de percorrer a distância a pé.

"Trezentas milhas a pé em três semanas dar-lhe-ão um sentido de viagem infinitamente maior, mostrar-lhe-ão experiências infinitamente mais surpreendentes e belas do que 30.000 milhas de transporte mecânico", escreveu o romancista inglês Richard Aldington.

Além disso, não tenha medo de fugir ao plano e ao calendário. Muitas vezes, é aquele mergulho num beco intrigante, ou aventurar-se naquele bar ou café pequeno e de aspeto simples que conduz a alguns dos momentos mais gratificantes e esclarecedores.

O mais importante, como aconselhou Paulo Coelho, é deixar o orgulho à porta quando viajar. Seja aberto, curioso e vulnerável: peça orientação e conselhos, tente falar a língua local - junte-se a nós.

Sobre ligações humanas

O escritor faz uma pausa para almoçar enquanto caminha pela região do Algarve, em Portugal. James Jeffrey

Pode ser difícil não se tornar desconfiado e cínico em relação às outras pessoas, especialmente tendo em conta o ciclo de notícias que dura 24 horas.

No entanto, com base nos meus infindáveis encontros durante as viagens pelo Caminho, as provas sustentam fortemente que a grande maioria das pessoas - tanto locais como companheiros de viagem - nunca tem a intenção de o enganar ou magoar. Longe disso.

A "bondade de estranhos" continua a ser uma realidade duradoura. As pessoas compreendem intuitivamente que cada um de nós está a dar o seu melhor para navegar na vida e neste mundo complexo. Compreendem também que isso requer cooperação, orientação e, em casos extremos, caridade e generosidade - e as pessoas oferecem-nas de bom grado.

Em última análise, apesar da nossa crescente utilização e dependência dos telemóveis inteligentes, da tecnologia e da Internet, no fundo as pessoas compreendem a verdade - e querem experimentar - o famoso conselho dado pelo romancista inglês E.M. Forster sobre as relações pessoais: "Apenas conectar".

Sobre a auto-consciência

Aprendi da maneira mais difícil que, tal como muitas outras pessoas, tento demasiadas vezes avançar sozinho e manter-me totalmente autossuficiente - mas a viagem melhora sempre e resulta graças ao envolvimento e à companhia dos outros.

Também aprendi que quando tentamos fazer e carregar demasiado - tanto física como mentalmente - acabamos por quebrar. Nesse caso, temos simplesmente de ouvir o nosso corpo e parar e descansar - por mais irritante que isso possa ser - enquanto comemos uma humilde tarte à medida que vamos conhecendo os nossos limites.

Também precisa de fazer uma triagem na mochila e livrar-se das coisas supérfluas - aquilo a que o meu melhor amigo chama os artigos não essenciais "só para o caso de..." que insistimos sempre em levar.

Mais importante ainda, deve peneirar e reduzir a sua "mochila emocional": toda a raiva desnecessária, amargura, vergonha e culpabilização de si próprio e dos outros que carrega da vida. Aplique a versão espiritual da fita de óxido de zinco: o perdão - tanto para si como para os outros.

Depois disso, a caminhada será muito melhor.

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados