Porque é que o A380 superjumbo está a preparar um regresso

CNN , Jacopo Prisco
11 jul, 17:00
Airbus A380

A recuperação pós-pandémica da aviação comercial pode ter um protagonista precoce e improvável: o superjumbo A380

O maior avião de passageiros do mundo parecia estar a caminho da sucata há apenas dois anos, quando as companhias aéreas se debatiam com a propagação do coronavírus. Toda a frota ficou imobilizada, muitos dos aviões entraram para os armazéns a longo prazo e algumas companhias aéreas até aproveitaram a oportunidade para se livrarem completamente dos seus A380, com a Air France a retirar a sua frota em maio de 2020.

Mas agora, à medida que o número de passageiros aumenta e o tráfego aéreo regressa aos níveis pré-pandémicos, o avião está a desfrutar de um ressurgimento. Mais de metade da frota global já está de volta ao serviço, de acordo com dados do Flightradar24.

O gigante dos céus (comparação entre o A380-800 e o Boing 747-8)

A Lufthansa foi o último transportador a anunciar o regresso do avião - embora não antes de 2023 - e há razões para acreditar que mais A380 irão progressivamente voar de volta aos céus.

“Está definitivamente a ter um regresso”, diz Geoff Van Klaveren, analista de aviação e diretor-geral de consultoria da IBA. "Os operadores estavam bastante relutantes em trazê-lo de volta porque é um avião muito caro, mas penso que temos visto a procura a recuperar mais rapidamente do que as pessoas esperavam".

Mais a voltar

A Airbus produziu e entregou 251 A380, e 238 permanecem hoje disponíveis para serviço, tendo os restantes sido reformados ou desmantelados. O avião, que já não está em produção, é popular entre passageiros e tripulações, mas não entre companhias aéreas - apenas 14 o operaram até à data.

Dessas, nove estão atualmente a pilotá-lo: British Airways, All Nippon Airways, Emirates, Singapore Airlines, Qantas, Qatar, Asiana, Korean Airlines e China Southern Airlines. Algumas destas companhias já têm planos para voltar a colocar ao serviço ainda mais dos seus A380.

A Singapura Airlines, por exemplo, está atualmente a voar dez A380 da sua frota de 12, mas confirmou à CNN que os dois restantes estão atualmente a ser reequipados e voltarão a entrar na frota em breve. A Korean Airlines disse também que irá trazer de volta um terceiro A380 da sua frota de dez, para se juntar aos dois já em serviço.

A Qantas, que está a operar três dos seus doze A380 na rota Sidnei-Singapura-Londres, confirmou à CNN que pretende ter um total de seis de volta ao serviço antes do final do ano, com um plano para reintegrar mais quatro até 2024 (os dois restantes deverão ser desmantelados).

A Emirates, o maior operador de A380 com 123 aeronaves, também está a subir a fasquia. "Hoje operamos [...] mais de metade dos nossos A380", diz Richard Jewsbury, vice-presidente da divisão do Reino Unido da Emirates. "No final do ano, o nosso objetivo é operar perto de 90 A380 em toda a nossa rede". Isto significa que mais de uma dúzia de A380 irão juntar-se aos que voam atualmente.

 

Interiores do A380. Imagens do Grupo Emirates

O último A380 alguma vez produzido, em finais de 2021, foi para a Emirates. Está entre um punhado de A380 que incluem uma zona de classe económica premium - um meio-termo entre a económica básica e a classe executiva.

Já se mostrou ser suficientemente popular que a companhia aérea planeie equipar mais 67 dos seus A380 com esta classe, ao longo de 18 meses e a partir do final deste ano. Nessa configuração, com quatro classes, incluindo a primeira classe, executiva, económica premium e económica, a aeronave pode acomodar 484 passageiros. Na configuração mais densa, de duas classes apenas com executiva e económica, os Emirates A380 têm capacidade para 615 passageiros.

Venda difícil

A Lufthansa anunciou que vai trazer os seus A380 de volta em 2023. Thomas Lohnes/Getty Images

Há várias razões pelas quais as companhias aéreas estão a voltar para o superjumbo. "Há uma falta de capacidade de aviões largos, já que alguns operadores como a British Airways reformaram aviões mais antigos, como o Boeing 747. Houve também alguns problemas de produção com o novo A350 e assim por diante. Por isso, algumas companhias aéreas precisam da capacidade", diz Van Klaveren.

Isso não é tudo. Para algumas companhias aéreas, colocar o avião de volta ao serviço faz sentido porque o valor do avião caiu tanto que já não é possível vendê-lo.

"Alguns operadores aperceberam-se de que é um avião muito difícil de vender, por muitas razões diferentes. Se não tiver nenhum A380, definitivamente não o vai trazer para a sua frota, porque isso é muito arriscado e caro", diz Van Klaveren.

"O valor de um A380 de 10 anos caiu 60% em relação à pré-pandemia, para cerca de 30 milhões de euros, em comparação com cerca de 76 milhões antes, o que é bastante extraordinário. Portanto, muitas [companhias aéreas] pensam que mais vale operá-los, porque lhes está a custar dinheiro mantê-los em condições de navegabilidade".

Duas companhias aéreas, a Thai e a Malasia, colocaram de facto todos os seus A380 à venda, mas ainda não encontraram nenhum comprador. A única outra companhia aérea até agora é a Etihad; a companhia sediada em Abu Dhabi tem dez na sua frota, mas não está a operar nenhuma e, atualmente, não tem planos firmes para o fazer.

Vida mais curta

Em comparação com as previsões sombrias de há dois anos, talvez seja agora tempo de imaginar um futuro mais promissor para o superjumbo.

"Penso que a maioria das companhias aéreas continuará a operar os aviões até ao fim da sua vida", diz Van Klaveren. "O ponto de interrogação é se essa vida é mais como 18 anos do que 25 anos, que é a vida útil da maioria dos aviões. Se compararmos com a nova geração de aeronaves, não é particularmente eficiente em termos de combustível, o que sugere que a sua idade média irá baixar".

Como a Emirates tem tantos A380, o destino do avião está em grande parte nas suas mãos. "Penso que os farão voar todos de novo, porque são bastante críticos para o seu modelo de negócio", diz Van Klaveren.

A companhia aérea baseada no Dubai continua a mostrar um apoio entusiástico à aeronave.

Tim Clark, presidente da Emirates, disse à AirlineRatings que, assim que o A380 se for embora, deixará um vazio que não pode ser preenchido por nenhuma outra aeronave atualmente em produção: "Eu construiria outro A380 com o dobro do tamanho devido aos motores com emissões zero que temos agora, com quatro, possivelmente três motores", acrescentou.

Por enquanto, o A380 continua a ser bem recebido pelos clientes em todo o mundo e continuará a ser o avião principal da companhia aérea durante muitos anos, diz o Richard Jewsbury, da Emirates. "Para nós, o avião icónico de dois andares redefine a experiência de viagem e continuará a ser um pilar vital dos nossos planos de rede".

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados