Nova vaga de incêndios "era expectável", mas podia ter sido evitada. "Os motivos estruturais continuam lá. Tem-se feito muito pouco"

14 jul, 09:50

João Joanaz de Melo considera que seria de esperar que fogos desta dimensão voltassem a ocorrer no país, desde a última grande vaga de incêndios que atingiu Pedrógão Grande, em 2017. O professor da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa explica que esta é uma "situação estrutural que dura há décadas, e que tem tendência para se agravar". "Os motivos estruturais continuam lá", desde as monoculturas do eucalipto, passando pela ausência de gestão das áreas florestais e do despovoamento do interior, terminando nas alterações climáticas. "Tem-se feito muito pouco", critica. 

Comentadores

Mais Comentadores

Patrocinados