Manuel Beja discordou da saída de Alexandra Reis: "Poderia e deveria ter sido evitada”

11 abr 2023, 18:25

Manuel Beja explica que a saída de Alexandra Reis é resultado da vontade da CEO Christine Ourmières-Widener e descarta responsabilidades nesta decisão. 

Sobre as divergências entre Alexandra Reis e a CEO da TAP, diz que “foram crescendo ao longo do mandato”, mas que não punham em causa “a execução do plano de reestruturação”. Manuel Beja garante ainda ter tentado estabelecer “pontes de entendimento entre as duas administradoras”.

“Acreditei na altura, e continuo a acreditar que a saída poderia e deveria ter sido evitada, porque as razoes invocadas não justificam a saída. E porque a TAP não deveria perder a competência, o contributo profissional e a memória do passado de Alexandra Reis”.

A distribuição de pelouros desejada pela gestora francesa culminaria num “esvaziamento objetivo das funções de Alexandra Reis, criando uma situação pouco sustentável”, afirma, reforçando que "tentou chegar à fala em várias ocasiões" com Pedro Nuno Santos, "sem sucesso". 

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados