"Bombardearam tudo". Português que luta na Ucrânia garante que só a determinação ucraniana segura os avanços russos

24 fev, 22:19

É português e há quase dois anos está na Ucrânia a lutar lado a lado com o exército ucraniano. Atualmente, combate pela Brigada Azov, uma das unidades mais temidas, na frente de batalha de Kremina. 

Admite que o medo existe, mas só aceita vir embora quando sentir que já não consegue ajudar.

Europa

Mais Europa

Mais Vistos

Patrocinados