"A Rússia não está interessada nas nossas vidas". Soldados ucranianos presos na Azovstal pedem ajuda (incluindo a Guterres)

8 mai, 20:13

Após ter sido concluída a retirada de civis da siderurgia Azovstal, os soldados ucranianos que ainda lá permanecem pedem ajuda para serem libertados, quando o cerco russo continua. A maioria são membros do Batalhão Azov, que a Rússia diz ser neonazi, e a ajuda chega a ser pedida a António Guterres.

Europa

Mais Europa

Patrocinados