Violação em grupo de menina de 13 anos reacende bandeiras anti-imigração em Itália

CNN Portugal , Barbie Latza Nadeau
11 fev, 18:35
Carabinieri (Foto: Giuseppe Aresu/AP)

Itália foi abalada pela alegada violação em grupo de uma rapariga de 13 anos, à frente do namorado, num parque público da cidade siciliana de Catânia, o último de uma série de ataques sexuais chocantes no país.

O caso faz lembrar duas alegadas violações em grupo ocorridas no verão passado. Um grupo de sete homens e adolescentes com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos está atualmente a ser julgado pela alegada violação de uma rapariga de 19 anos em Palermo, também na Sicília, em agosto.

Semanas mais tarde, nove jovens foram detidos e acusados de alegadamente terem violado duas primas de 10 e 12 anos perto de Nápoles e de terem transmitido o ataque em direto nas redes sociais. Também estão a ser julgados.

A alegada violação coletiva ocorrida no mês passado em Catânia tornou-se não só um símbolo da violência contra as mulheres no país, mas também uma arma para o governo de extrema-direita italiano. Os sete presumíveis autores do crime eram todos imigrantes egípcios, três dos quais com menos de 18 anos, confirmou a polícia de Catânia à CNN.

A CNN contactou os advogados dos suspeitos para obter comentários, sendo que a defesa de três homens disse que os seus clientes negam o envolvimento na agressão, enquanto os outros não quiseram comentar porque os seus clientes são menores.

Em paralelo, o caso foi rapidamente aproveitado como prova de que os imigrantes deviam ser impedidos de entrar no país.

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, chegou ao poder em setembro de 2022 com uma plataforma anti-imigração, mas os seus esforços para travar a migração irregular para o país têm sido, até agora, infrutíferos.

Villa Bellini em Catânia, Sicília, Itália, onde a  rapariga de 13 anos foi alegadamente violada (Orietta Scardino/EPA-EFE/Shutterstock)

Os homens acusados no último caso siciliano entraram em Itália de barco em 2021 e 2022 como menores não acompanhados, de acordo com a polícia de Catânia. O vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, uma das figuras de extrema-direita mais visíveis do país, disse na rede social X que os menores não deveriam ter sido autorizados a ficar.

Entretanto, durante uma visita a Catânia, Meloni expressou a sua solidariedade para com a alegada vítima de violação e a sua família.

"O Estado estará presente e o Estado garantirá que será feita justiça", afirmou.

A forma como estão a ser tratados os processos entre os suspeitos italianos e os suspeitos egípcios já está a ser analisada.

Os homens acusados de violar a jovem de 19 anos em Palermo foram objeto de um processo acelerado, disseram os advogados à CNN, o que significa que serão julgados à porta fechada.

Para os suspeitos egípcios foram nomeados advogados que ainda não se pronunciaram, mas o procurador do caso já apresentou acusações adicionais relacionadas com a imigração ilegal, disse à CNN Alessandro Fidone, advogado nomeado pelo tribunal que representa dois dos suspeitos.

Os que já tinham mais de 18 anos e, por conseguinte, não estavam classificados como menores não acompanhados, já não tinham o direito de permanecer no país, porque os egípcios não têm direito a asilo em Itália.

O Ministério do Interior de Itália apelou a uma análise exaustiva de todos os centros que acolhem menores não acompanhados para verificar se existem casos semelhantes.

A culpa é da imigração

Há muito que Itália se debate com o problema da violência baseada no género.

Em novembro, ambas as câmaras do parlamento aprovaram por unanimidade uma nova medida que reforça as penas contra os autores de violência de género e aumenta as medidas de proteção para as mulheres que temem pela sua vida.

A legislação foi inspirada no caso de Giulia Cecchettin, uma mulher de 22 anos assassinada por um ex-namorado. Foi uma das 118 vítimas de feminicídio em Itália no ano passado. Em 2022, as mulheres foram vítimas de 91% dos homicídios cometidos por familiares, parceiros ou ex-parceiros, de acordo com a Rede Europeia de Jornalismo de Dados.

"A violência contra as mulheres é um fenómeno mais ou menos presente em todos os países, causado por causas estruturais como a disparidade entre homens e mulheres, estereótipos e preconceitos", disse Elena Biaggioni, vice-presidente da D.i.Re, uma associação nacional que coordena centros anti-violência e abrigos para mulheres, em junho passado.

Matteo Salvini defendeu que os suspeitos - que são imigrantes egípcios - não deveriam ter sido autorizados a permanecer em Itália (Massimo Di Vita/Mondadori Portfolio/Getty Images)

Falando num protesto depois de uma mulher grávida ter sido alegadamente esfaqueada até à morte pelo companheiro, acrescentou: "Mas é claro que em países onde existe uma cultura machista e o sexismo é mais forte, como em Itália, esta violência é justificada de uma forma diferente."

No entanto, no último caso, as autoridades centraram a sua atenção nos antecedentes dos alegados autores.

O juiz que investigou o caso mais recente, Carlo Umberto Cannella, disse que os suspeitos eram suscetíveis de reincidir porque não estavam "habituados à civilização".

Por isso decidiu que todos deveriam permanecer em prisão preventiva enquanto a investigação está a decorrer.

"Parece claro que existe o perigo de repetição do crime, tendo em conta o facto de o horror só ter terminado graças à tentativa da rapariga de se libertar", disse Cannella, ao decidir que os suspeitos não deviam ser libertados sob fiança, segundo um porta-voz do tribunal.

Num artigo de opinião mordaz publicado no jornal de direita Il Giornale, fundado pela família do falecido ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, os redatores também culparam a migração pela alegada violação na Sicília.

"Porque é que estes indivíduos, sem qualquer requisito de acesso a proteção internacional, continuam em Itália e não foram sujeitos a expulsão?", escreveram os editores.

"Porque, ao chegarem ao nosso país, declararam-se menores e a lei impede a rejeição de imigrantes irregulares que ainda não atingiram a maioridade. Agora vão ser julgados por violação mas, entretanto, aquela menina carregará para sempre consigo a dor e o trauma da violação, sofrida com apenas 13 anos de idade. Este não é o primeiro caso de menores não pertencentes à UE que são acolhidos em instalações italianas e que depois se envolvem em actividades criminosas".

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados