Advogado caído em desgraça indiciado pelos homicídios da mulher e do filho. Salpicos de sangue e telemóvel ajudaram a investigação

CNN , Randi Kaye, Dianne Gallagher e Ray Sanchez
20 jul, 15:42
Alex Murdaugh. John Monk/The State/Tribune News Service/Getty Images

O advogado caído em desgraça da Carolina do Sul, Alex Murdaugh, foi indiciado pelos homicídios, ocorridos em 2021, da mulher e do filho, por um júri de instrução do condado de Colleton.

O outrora proeminente advogado, agora expulso da Ordem, foi indiciado na quinta-feira de manhã por duas acusações de homicídio e duas de posse de arma durante a prática de um crime violento, segundo o procurador-geral da Carolina do Sul, Alan Wilson, e o chefe da Divisão de Aplicação da Lei da Carolina do Sul, Mark Keel.

Margaret "Maggie" Murdaugh, 52 anos, e o seu filho mais novo, Paul Murdaugh, 22 anos, foram encontrados mortos a tiro na propriedade da família em Islandton, cerca de uma hora a norte de Hilton Head Island, na noite de 7 de junho de 2021. Alex Murdaugh fez a chamada para o 112 a relatar o tiroteio, dizendo que tinha acabado de regressar a casa e descoberto os corpos.

Murdaugh, um pilar da comunidade jurídica da Carolina do Sul, negou o envolvimento nas mortes, dizendo que tinha ido visitar a mãe na altura.

"Alex quer que a sua família, amigos e todos saibam que ele não teve nada que ver com os homicídios de Maggie e Paul. Ele amava-os mais do que tudo no mundo", disseram os advogados de Murdaugh, Dick Harpootlian e Jim Griffin, em comunicado, quinta-feira.

Os advogados arrasaram os últimos desenvolvimentos do caso.

"Ficou muito claro desde o primeiro dia que as forças policiais e o Procurador-Geral concluíram prematuramente que o Alex era o responsável pelo homicídio da sua mulher e do seu filho", refere o comunicado.

Murdaugh enfrenta acusações ligadas a crimes financeiros

Harpootlian e Griffin disseram que vão apresentar uma moção para um julgamento rápido "solicitando que o Procurador-Geral entregue todas as provas no prazo de 30 dias, conforme requerido por lei e (exigindo)... um julgamento no prazo de 60 dias após receber essas provas."

Keel considerou a acusação como "mais um passo num longo processo de justiça para Maggie e Paul."

"Nos últimos 13 meses, agentes da SLED e nossos parceiros trabalharam dia após dia para construir um caso contra a pessoa responsável pelos homicídios de Maggie e Paul e excluir os que não o são", disse Keel em comunicado. "Em nenhum momento os agentes perderam o foco nesta investigação. Desde o início que tenho sido claro, a prioridade era garantir que a justiça fosse feita."

Murdaugh está detido em Columbia, Carolina do Sul, com uma fiança de 7 milhões de dólares, enfrentando uma série de acusações por alegados crimes financeiros.

Uma audiência sobre as acusações mais recentes será realizada hoje no Tribunal do Condado de Colleton perante o juiz Clifton Newman, de acordo com o gabinete do Procurador-Geral da Carolina do Sul, Alan Wilson.

Os alegados crimes financeiros estão, em parte, ligados a alegações de que Murdaugh roubou milhões em fundos de garantias da família da sua falecida governanta Gloria Satterfield.

As autoridades da Carolina do Sul abriram uma investigação sobre a morte de Satterfield no ano passado. Morreu na casa dos Murdaugh em 2018, depois do que Murdaugh descreveu como um acidente de em que escorregou e caiu. No ano passado, surgiram dúvidas sobre a sua morte e como foi investigada.

"Era esperado, mas continuo chocado", disseram Eric Bland e Ronnie Richt, advogados da família de Satterfield, em comunicado, referindo-se à nova acusação. "Apenas mais um capítulo vergonhoso na queda de um homem mau e desprovido de moralidade. O que é triste é a quantidade de vítimas que deixou pelo caminho. Clientes, familiares, parceiros de advocacia, colegas e amigos. Alex não discriminava quanto às vítimas que fazia."

De acordo com a SLED, Murdaugh coordenou-se com a família para se processar e chegar a um acordo de seguro, dizendo que daria à família os lucros. No entanto, depositou secretamente cerca de 3 milhões de dólares desse dinheiro numa conta que tinha, segundo os depoimentos divulgados pela SLED.

Fonte cita salpicos de sangue como provas potenciais

Uma fonte com conhecimento da investigação sobre a morte da mulher e do filho disse à CNN que os salpicos de sangue encontrados na roupa de Murdaugh podem colocá-lo no local das mortes da mulher e do filho.

Os salpicos de sangue podem colocar Murdaugh em estreito contacto com pelo menos uma das vítimas quando foram mortas, disse a fonte. Os salpicos de alta velocidade estão associados ao uso de uma arma em particular, como uma espingarda, e cria um padrão sanguíneo específico, especialmente quando usado à queima-roupa.

Além disso, um telemóvel pertencente a Paul Murdaugh foi recuperado no seu corpo contendo um vídeo e um áudio de Alex Murdaugh a falar com a mulher perto da altura em que ela e o Paul foram mortos, disse a fonte.

Alex Murdaugh e a sua família.

Alex Murdaugh não é visto no vídeo, mas é ouvido a falar com ela, e essa gravação tem uma marca de tempo, disse a fonte, o que pode revelar-se fundamental para a investigação.

Os detalhes foram inicialmente divulgados pela FITSNews.

Murdaugh, descendente de uma poderosa família política da zona de Lowcountry da Carolina do Sul, ligou em junho passado para o 112 a informar que a sua mulher e o seu filho tinham sido mortos a tiro à porta de casa, de acordo com a SLED.

A investigação sobre essas mortes levou a reviravoltas inesperadas: a reabertura de uma investigação sobre a morte não resolvida de um jovem de 19 anos em 2015; a demissão de Murdaugh como advogado de um proeminente grupo jurídico; uma admissão de que ele teve problemas com o abuso de opioides; e dezenas de queixas que o acusavam de roubar dinheiro aos clientes.

Num incidente bizarro, Murdaugh, em setembro, chamou a polícia para informar que tinha sido ferido por um tiro na cabeça. Pouco depois, admitiu que tinha conspirado com outro homem para o alvejar fatalmente para que o seu filho recebesse 10 milhões de dólares de um seguro de vida, segundo as autoridades.

O Supremo Tribunal da Carolina do Sul emitiu uma ordem na terça-feira para a expulsão de Murdaugh da Ordem dos Advogados, após ter suspendido a sua licença para exercer advocacia no estado em 2021.

 

Eric Levenson e Travis Caldwell, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados