Homem sofre corte profundo e espera seis horas por ambulância

18 mai, 15:02

No Algarve, um homem que se cortou com uma rebarbadora foi obrigado a esperar seis horas por uma ambulância. O ferido grave deu entrada numa unidade de saúde em Lagos, mas devido à falta de ortopedistas na região teve de aguardar para ser transportado para o hospital de Santa Maria. O transporte foi-lhe negado por oito vezes.

O homem, de 35 anos, deu entrada no serviço de urgência básica (SUB) de Lagos, às 9:30 de segunda-feira, com ferimentos graves causados pelo corte de uma rebarbadora. O quadro clínico do doente apontava para “exposição óssea com compromisso tendinoso”. Uma hora depois, o Hospital de Portimão comunicou que o Serviço de Ortopedia estava indisponível para receber o doente. O raio-X foi enviado para o Hospital de Faro, que pediu que o doente fosse enviado para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.
Mas nem INEM, Cruz Vermelha e Bombeiros Voluntários tinham ambulância disponível para transportar o doente. No total, foram cinco corporações de bombeiros a recusar o transporte: Lagos, Portimão, Albufeira, Silves, Alcantarilha e Lagoa.
O doente só deu entrada, às 18:15 de segunda-feira, no Hospital de Santa Maria, transportado por uma ambulância do INEM de Portimão.   
A TVI/CNN Portugal tentou contatar o Centro Hospitalar Universitário do Algarve, mas sem sucesso.

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados