Bombas de fragmentação? “A possibilidade de uma boa parte não rebentar é grande” (e isso traz um risco enorme, avisa Agostinho Costa)

Especialista em assuntos de segurança
8 jul, 09:56

O major-general Agostinho Costa, especialista em assuntos de segurança, analisa o envio pelos Estados Unidos da América de bombas de fragmentação para a Ucrânia. “Quando os EUA começam a falar de uma arma, é a preparação da opinião pública para que ela seja cedida”. Agostinho Costa admite que tenham existido envios prévios. O especialista alerta que o facto de “boa parte” destas bombas não rebentar significa um risco para os civis, ficando no terreno à espera desse momento. Isto bloqueia a posição ucraniana, que veio dizer que vai utilizá-las com “responsabilidade”, considera.

Europa

Mais Europa

Mais Vistos

Patrocinados