Em atualização

AO MINUTO | Israel concordou com cessar-fogo na Faixa de Gaza. Decisão está agora nas mãos do Hamas

2024-03-02

O que está a acontecer

  • Kamala Harris reúne-se com Benny Gantz na próxima segunda-feira

  • EUA dizem que Israel concordou com cessar-fogo, que depende  agora do Hamas

  • Pelo menos dez palestinianos mortos após ataque israelita em Rafah

  • Negociações sobre cessar-fogo devem ser retomadas amanhã - desacordo sobre fim de ataques no Norte de Gaza divide Hamas e Israel

  • Novo balanço: sobe para 30.320 o número de palestinianos mortos em Gaza

  • Erdogan considera a campanha militar de Israel em Gaza "uma tentativa de genocídio"

2023-10-25
07:32

Após Israel pedir a sua demissão, Guterres volta a condenar os ataques do Hamas e a "punição coletiva" dos palestinianos

Guterres em Gaza (AP)

António Guterres voltou a condenar esta quarta-feira os ataques do Hamas a Israel. Numa publicação na rede social X, o secretário-geral da ONU afirmou que "as mágoas do povo palestiniano não podem justificar os horríveis ataques do Hamas".

No entanto, Guterres frisou também que "esses ataques horrendos não podem justificar a punição colectiva do povo palestiniano".

Os comentários do líder das Nações Unidas surgem após vários pedidos de demissão, incluindo do governo israelita e do embaixador de Israel em Portugal, na sequência de comentários considerados "inaceitáveis" por Israel.

Na abertura de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a atual situação no Médio Oriente, Guterres admitiu ser “importante reconhecer” que os ataques do grupo islamita Hamas "não aconteceram do nada", frisando que o povo palestiniano "foi sujeito a 56 anos de ocupação sufocante".

"Viram as suas terras serem continuamente devoradas por colonatos e assoladas pela violência; a sua economia foi sufocada; as suas pessoas foram deslocadas e as suas casas demolidas. As suas esperanças de uma solução política para a sua situação têm vindo a desaparecer", prosseguiu Guterres.

Siga ao minuto:

2024-03-02
17:58

Israel concordou com cessar-fogo, decisão cabe agora ao Hamas

Israel aceitou genericamente um acordo de cessar-fogo em Gaza e libertação de reféns, cabendo agora ao Hamas concordar com a proposta, disse este sábado um alto funcionário da administração norte-americana.

Os israelitas aceitaram um princípio de acordo, que inclui o cessar-fogo de seis semanas em Gaza, bem como a libertação pelo Hamas dos reféns considerados vulneráveis, incluindo doentes, feridos, idosos e mulheres, disse o responsável, citado pela agência Associated Press.

"Os israelitas subscreveram basicamente os elementos do acordo", disse o funcionário. "Neste momento, a bola está no campo do Hamas e nós continuamos a insistir tanto quanto possível”, acrescentou.

O dirigente pediu anonimato aos jornalistas porque não estava autorizado a discutir publicamente os detalhes das negociações de cessar-fogo em curso.

2024-03-02
17:57

Kamala Harris reúne-se com Benny Gantz na próxima segunda-feira

Kamala Harris, a vice-presidente dos EUA, vai reunir-se com Benny Gantz, membro do gabinete de guerra de Israel, disse funcionário da Casa Branca à Reuters.

O encontro vai acontecer na Casa Branca, numa altura em que os EUA tentam que se consiga um acordo para um cessar-fogo na Faixa de Gaza.

2024-03-02
17:53

Houthis reportam "falha" nos cabos submarinos no Mar Vermelho

As ações “hostis” dos navios britânicos e norte-americanos contra o Iémen provocaram "uma falha" no funcionamento dos cabos submarinos no Mar Vermelho, dizem os Houthis.

2024-03-02
17:20

EUA garantem que cessar-fogo em Gaza está pronto mas depende do Hamas

Está pronto um esboço de um cessar-fogo para a Faixa de Gaza. É um representante dos EUA, citado pela Reuters, quem o diz.

O acordo seria para um cessar-fogo de seis semanas, com o qual Israel terá concordado. Este fica, contudo, dependente de o Hamas concordar ou não em libertar os reféns.

"Os reféns têm de ser libertados", disse o representante. "O acordo está basicamente feito. Mas eu não quero criar expectativas de uma forma ou de outra", continuou.

2024-03-02
17:15

Cerca de 15 mil pessoas em marcha até Jerusalém para exigir trégua

Cerca de 15 mil pessoas juntaram-se este sábado a uma marcha a pé que culminou em Jerusalém e liderada pelas famílias dos reféns, para exigir um acordo de tréguas com o Hamas que permita o regresso dos sequestrados.

A marcha teve início na passada quarta-feira em Reim, local do festival de música onde o Hamas massacrou cerca de 360 pessoas em 7 de outubro, e na tarde deste sábado chegou a Jerusalém, onde se pretende manifestar mais tarde na praça Paris, defronte da residência do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Ao fim de quatro dias de caminhada, à entrada de Jerusalém, os manifestantes leram os nomes dos 130 prisioneiros que ainda se encontram no enclave, dos quais cerca de 30 se presumem mortos.

Prevê-se que vários milhares de pessoas se juntem ao protesto perto da residência de Netanyahu, mas também noutras cidades do país, para exigir que o governo negoceie uma trégua para trazer de volta todos os reféns.

2024-03-02
15:54

“Vai ser muito difícil chegarmos a um acordo nos próximos tempos”

José Filipe Pinto, especialista em relações internacionais, explica que “há estudos que apontam que durante o Ramadão há tendência para agravar a violência” e que estamos "numa situação muito complicada”, o que poderá comprometer o alcance de um acordo para um cessar-fogo.

2024-03-02
15:47

“Naquilo que depender do Hamas, não vai haver acordo antes do Ramadão”

Pedro Froufe, especialista em relações internacionais, considera que a situação em Gaza “está muito complicada” e o alcance de um cessar-fogo poderá demorar mais do que o desejado.

2024-03-02
15:29

Sobe para 116 o número de mortos em ataque israelita contra civis

O número de mortos na sequência do ataque israelita contra palestinianos que queriam receber ajuda alimentar perto da Cidade de Gaza, na quinta-feira, aumentou para 116, informou o Ministério da Saúde, citado pela Al Jazeera.

2024-03-02
15:07

Gaza: “Mesmo nas zonas que supostamente já estão livres do Hamas não temos uma condição de segurança e estabilidade”

Cristiano Cabrita, especialista em Relações Internacionais, defende que “até ao massacre que aconteceu há poucos dias”, falava-se “da pressão no sul na Faixa de Gaza”, mas a grande questão, a seu ver, é que “nem a norte existe um plano”. “Mesmo nas zonas que supostamente já estão livres da penetração do Hamas não temos uma condição de segurança e estabilidade”, atira.

2024-03-02
15:04

“Hamas não está nada preocupado com o povo palestiniano”

Ana Miguel dos Santos, especialista em Assuntos de Segurança e Defesa, considera que a situação de Benjamin Netanyahu “está mesmo no limite, Israel está a ser muito pressionado”. “A tensão é enorme e muito significativa para tentar chegar a um cessar-fogo”, adianta, defendendo que a “dificuldade” em chegar a um acordo prende-se com o que fazer no dia a seguir ao fim da guerra, uma vez que Israel que “eliminar todos os líderes do Hamas e o “Hamas não está nada preocupado com o povo palestiniano”.

2024-03-02
14:58

Borrell responsabiliza israelitas por morte de civis que tentavam aceder a alimentos em Gaza

O Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, responsabilizou hoje Israel pela morte de 112 palestinianos em Gaza, quando estes tentavam receber alimentos, e garantiu que "os disparos de soldados israelitas contra civis são injustificáveis".

Com esta acusação explícita ao exército israelita, Borrell distancia-se da posição expressa na sexta-feira pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que evitaram mencionar Israel como autor dos ataques e apelaram a uma investigação para esclarecer os factos.

Hoje, o chefe da diplomacia europeia não só apelou a uma "investigação internacional imparcial” sobre o que classificou como “trágico acontecimento", como foi mais longe ao declarar, em comunicado, que "a responsabilidade por este incidente é das restrições impostas pelo exército israelita" à entrada e distribuição de ajuda humanitária em Gaza.

Segundo Borrell, muitos dos civis que morreram ao tentarem obter os alimentos que um comboio humanitário transportava foram "vítimas do fogo israelita durante a debandada que se seguiu" a este acontecimento, que teve lugar na quinta-feira no norte da Faixa de Gaza.

É da responsabilidade de Israel "respeitar as regras do direito internacional e proteger a distribuição de ajuda humanitária às populações civis".

No entanto, o dirigente da UE também considera que "as obstruções de extremistas violentos à entrega de ajuda humanitária" são corresponsáveis pela tragédia, sem mencionar explicitamente quem são.

"Este incidente muito grave revela que as restrições à entrada de ajuda humanitária contribuem para criar carências, fome e doenças, mas também um nível de desespero que gera violência" entre os habitantes da Faixa de Gaza, acrescentou.

Borrell previu "um caos total que tornará impossível a distribuição de ajuda humanitária" se os combates entre Israel e o Hamas não cessarem e se persistir o "desrespeito pelo direito humanitário internacional".

Nesse sentido, apelou a Israel para que elimine as restrições à entrada de ajuda humanitária em Gaza e permita o acesso humanitário "livre, desimpedido e seguro" através de todos os pontos de fronteira com a Faixa de Gaza.

Josep Borrell considerou, por outro lado, que fazer chegar alimentos ou bens essenciais através de lançamentos aéreos “deve ser a solução de último recurso", uma vez que "o seu impacto é mínimo e não isento de riscos para os civis".

Esta posição de Borrell foi feita um dia depois de o Presidente dos EUA, Joe Biden, ter anunciado a distribuição de alimentos e medicamentos por via aérea para Gaza.

Borrell insistiu na necessidade de um cessar-fogo na Faixa de Gaza para permitir a distribuição em grande escala de ajuda humanitária e proteger os civis.

2024-03-02
14:57

UE pede investigação internacional a ataque a palestinianos mortos junto de comboio humanitário

Muitos dos palestinianos mortos ou feridos, quando tentavam obter sacos de farinha de um comboio de ajuda humanitária, foram atingidos por disparos do exército israelita, referiu hoje o serviço diplomático da União Europeia, pedindo uma investigação internacional.

"A responsabilidade por este incidente recai sobre as restrições impostas pelo exército israelita e as obstruções impostas por extremistas violentos ao fornecimento de ajuda humanitária", declarou o Serviço Europeu para a Ação Externa, numa referência ao ataque junto de um comboio de assistência em Gaza, após quase cinco meses de combates entre Israel e o Hamas.

Os habitantes do norte de Gaza dizem que começaram a procurar nos montes de entulho e de lixo qualquer coisa para alimentar os seus filhos, que mal comem uma refeição por dia e muitas famílias começaram a misturar alimentos para animais e aves com cereais para fazer pão.

"Estamos a morrer de fome", disse à agência norte-americana Associated Press Soad Abu Hussein, uma viúva e mãe de cinco filhos que se abrigou numa escola do campo de refugiados de Jabaliya.

O norte da Faixa de Gaza tem suportado o peso do conflito que começou quando o grupo militante Hamas lançou um ataque ao sul de Israel em 07 de outubro, matando 1.200 pessoas, na sua maioria civis, e fazendo cerca de 250 reféns, segundo as autoridades israelitas.

2024-03-02
14:34

EUA fazem lançamento aéreo de primeiros socorros em Gaza

Os EUA realizaram o seu primeiro lançamento aéreo de ajuda em Gaza, avança a NBC News, que revela que três C130 do Comando Central da Força Aérea dos EUA lançaram 66 paletes com 38.000 refeições.

A ajuda alimentar chega a Gaza dois dias após mais de 110 palestinianos terem sido mortos pelo exército israelita enquanto abordavam camiões com ajuda humanitária.

2024-03-02
13:31

Presidente iraniano diz que os EUA "devem ouvir os seus cidadãos" que "rejeitam o genocídio em Gaza"

O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, afirmou hoje, em Argel, que os Estados Unidos "devem ouvir a voz dos seus cidadãos" que "rejeitam o genocídio em Gaza".

"O assassínio contínuo de palestinianos e o bloqueio da Faixa de Gaza estão a acontecer porque o apoio dos EUA a Israel continua”, disse o líder iraniano.

O presidente do Irão acusou ainda Israel de não respeitar nenhuma convenção internacional e disse que o país deveria ser expulso das Nações Unidas e que todas as relações com ele devem ser interrompidas.

Raisi, que intervinha no Fórum dos Países Exportadores de Gás (FPEG), que se realiza hoje na capital argelina, dedicou grande parte do seu discurso à ofensiva israelita na faixa palestiniana, iniciada há quase cinco meses.

O Presidente iraquiano, Abdul Latif Rashid, bem como o Presidente tunisino, Kais Said, país convidado, e outros dirigentes dos países membros do FPEG também manifestaram o seu apoio ao povo palestiniano no conflito em curso.

"Ao recordar a luta do povo argelino (pela independência), afirmamos o nosso total apoio à luta do povo palestiniano que enfrenta uma agressão injusta, e denunciamos as tentativas brutais de o exterminar perante os olhos do mundo", disse Latif Rashid.

2024-03-02
12:29

Pelo menos dez palestinianos mortos após ataque israelita em Rafah

Pelo menos dez palestinianos foram mortos este sábado na sequência de um ataque aéreo israelita contra um acampamento em Rafah, no sul de Gaza, avança o Ministério da Saúde da Autoridade Palestiniana, citado pela Reuters.

Segundo a mesma fonte, o ataque aéreo ocorreu sobre uma zona que tem servido de abrigo aos palestinianos deslocados, no exterior do Hospital dos Emirados, em Tel Al-Sultan, Rafah.

2024-03-02
12:04

Séjourné diz que “israelitas são responsáveis” pela “crise humanitária em Gaza”

Em entrevista ao Le Monde, o ministro dos Negócios Estrangeiros de França diz que “a crise humanitária em Gaza cria situações indefensáveis ​​e injustificáveis ​​pelas quais os israelitas são responsáveis”. Para Stéphane Séjourné apela a um cessar-fogo “duradouro” no enclave palestiniano.

2024-03-02
11:13

Com o Ramadão à porta, Israel e Hamas “estão a impor uma pressão acrescida, isso pode dificultar as negociações”

O especialista em Relações Internacionais Orlando Samões defende que “há muita coisa que deve estar a falhar” tanto do lado de Israel como do Hamas no que diz respeito aos reféns. Mas o facto de o Ramadão estar à porta pode também ser um entrave para um consenso. “Ambas as partes estão a impor uma pressão acrescida, mas ao impor pressão podem até estar a dificultar as negociações”.

2024-03-02
10:44

Negociações sobre cessar-fogo devem ser retomadas amanhã

As negociações sobre o cessar-fogo em Gaza deverão ser retomadas no Cairo já amanhã, avançam fontes de segurança egípcias citadas pela Reuters, assegurando que poderá haver um acordo sobre a duração da trégua e a libertação de reféns e prisioneiros. Diz ainda a agência de notícias que a conclusão do acordo requer, no entanto, um entendimento sobre a retirada das forças israelitas do norte de Gaza e o regresso dos residentes.

2024-03-02
10:37

Forças de Defesa de Israel mostram ataque no sul do Líbano

Numa publicação feita na rede social X, antigo Twitter, as Forças de Defesa de Israel mostram um vídeo do alegado momento em que atacaram um carro com membros do Hezbollah no sul do Líbano. 

2024-03-02
09:52

Autoridade Palestiniana espera um cessar-fogo em Gaza até ao Ramadão

A Autoridade Palestiniana espera que seja possível chegar a um cessar-fogo na guerra de Gaza a tempo do Ramadão, afirmou no sábado o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Riyad al-Maliki. Citado pela Reuters, al-Maliki defende que a Autoridade Palestiniana é “ única autoridade legítima” para governar Gaza depois da guerra.