"Isto é uma bomba. É assombroso. É chocante”. Do atirar-se ao volante da “Besta” ao ketchup nas paredes – a audiência devastadora para Trump sobre a invasão do Capitólio

"Isto é uma bomba. É assombroso. É chocante”. Do atirar-se ao volante da “Besta” ao ketchup nas paredes – a audiência devastadora para Trump sobre a invasão do Capitólio

Análise Chris Cillizza
Factos da audiência Marshall Cohen, Zachary Cohen e Alex Rogers
Reações Gabby Orr e Pamela Brown

 

Logo CNN

Audiências no Congresso dos EUA sobre a invasão do Capitólio, a 6 de janeiro (6/1) de 2021 tiveram esta terça-feira revelações que foram qualificadas nos Estados Unidos como “chocantes”, “ultrajantes” e “bombásticas” na forma como comprometem Trump num dia negro da democracia norte-americana que deixou cinco mortos estendidos no chão. A análise, os principais destaques e comentários.

 

Porque é que esta audiência sobre a invasão do capitólio foi devastadora para Donald Trump

ANÁLISE  Chris Cillizza
Cassidy Hutchinson

Até à data, a comissão do 6 de Janeiro forneceu uma análise clínica, passo a passo, de quem sabia o quê e quando, nos dias que antecederam a insurreição no Capitólio dos EUA.

A audiência da comissão na terça-feira foi bastante diferente - com Cassidy Hutchinson, antiga assistente de topo do chefe de gabinete da Casa Branca Trump, Mark Meadows, a fornecer pormenores íntimos e comoventes do que aconteceu nesse dia e, especificamente, como Donald Trump agiu.

Foi, numa palavra, feio.

Três momentos destacam-se:

1) Hutchinson afirmou que lhe foi dito que, quando Trump voltou à limusina presidencial, conhecida como a Besta, e lhe foi dito que não podia juntar-se aos manifestantes no Capitólio, ele perdeu a cabeça. O então Presidente tentou agarrar o volante e, quando um dos seus seguranças chegou para o deter, agarrou a garganta desse homem.

2) Trump, em linguagem com palavrões, instou a que as pessoas com armas - armas, facas e afins - fossem deixadas passar pelos magnetómetros antes do seu discurso no comício “Stop the Steal” ["Parem o Roubo"]. O seu objectivo? Assegurar que as fotografias e vídeos do evento mostrassem uma multidão cheia, com todos a ouvi-lo. "Eles não estão aqui para me magoar", disse Trump a pessoas.

3) Meadows, quando pressionado pelo advogado da Casa Branca Pat Cipollone, para dizer algo mais no meio dos cânticos "Hang Mike Pence" [“Enforquem o Mike Pence”, então vice-presidente dos EUA] no Capitólio dos EUA, respondeu, segundo Hutchinson: "[Trump] acha que Mike merece-o. Acha que eles não estão a fazer nada de errado".

Pense nisso. O Presidente dos Estados Unidos tentou mandar vir a sua limusina, foi impedido de o fazer, e atacou uma das pessoas encarregadas de o proteger. O Presidente, sabendo que havia pessoas armadas reunidas, instou a que fossem deixadas num espaço confinado, para que a multidão parecesse robusta. No meio de cânticos de enforcamento do seu vice presidente, Trump disse que ele merecia.

Mais parece o enredo de um filme mal feito para a televisão do que a vida real. E tudo isto aconteceu no mesmo dia em que milhares de pessoas invadiram o Capitólio, deixando cinco pessoas mortas e mais de 100 polícias feridos.

Em cada um destes casos, Trump protestou brutalmente contra ter o seu poder - ou o da multidão - restringido de alguma forma. A imagem de Trump, criada no testemunho de Hutchinson, é a de alguém que ficou louco de raiva, girando fora de controlo mesmo quando fomentava uma mentira de que as eleições de 2020 tinham sido roubadas e incitando os seus seguidores a virem a Washington a 6 de Janeiro para protestar contra os resultados.

Mick Mulvaney, um antigo chefe de gabinete do Trump, reconheceu os danos causados ao antigo presidente na audiência de terça-feira. "Se o Presidente sabia que os manifestantes tinham armas, e ainda os encorajou a irem ao Capitólio, isso é um problema grave", tweetou Mulvaney.

E, mais uma vez, este não foi um comportamento isolado do dia 6 de Janeiro. O comportamento do Trump foi errático durante meses após as eleições.

Hutchinson relatou que, pouco depois de o Procurador-Geral, Bill Barr, ter dito à Associated Press que "não tinha visto uma fraude a uma escala que pudesse ter produzido um resultado diferente nas eleições", no início de dezembro entrou na sala de jantar presidencial para encontrar um arrumador a limpar - e com o ketchup a pingar da parede. "O Presidente estava extremamente zangado com a entrevista do Procurador-Geral à Associated Press e tinha atirado o seu almoço contra a parede", segundo Hutchinson.

Questionada sobre se essa fora a única vez em que Trump se tinha comportado dessa forma, Hutchinson disse que não. "Houve várias vezes que tive conhecimento de que ele atirava pratos ou virava a toalha de mesa para que todo o conteúdo da mesa fosse para o chão".

Trump passa como um homem desesperadamente agarrado ao poder, resistente a quaisquer tentativas de restringir o que acreditava ser o seu poder absoluto para fazer o que quisesse - incluindo permanecer no cargo através de quaisquer meios necessários.

É um retrato feio. E, infelizmente, um retrato exato.

7 factos da audiência chocante de terça-feira, 6 de Janeiro

Audiências sobre o 6 de janeiro dia da invasão do Capitólio
Por Marshall Cohen, Zachary Cohen e Alex Rogers

A Comissão da Câmara do Congresso que investiga a insurreição de 6 de Janeiro de 2021, no Capitólio, reuniu-se novamente na terça-feira para uma audiência agendada apressadamente, com o depoimento de Cassidy Hutchinson, assistente de Donald Trump na Casa Branca

Hutchinson tem cooperado extensivamente com a investigação, tendo-se sentado para quatro depoimentos à porta fechada. E trouxe tudo para a sua comparência presencial na terça-feira. Hutchinson revelou como o então Presidente Donald Trump, e o seu círculo interno, foram avisados sobre o potencial de violência a 6 de Janeiro, e como Trump queria juntar-se às multidões dos seus apoiantes no Capitólio dos EUA.

O testemunho reforçou a narrativa para a qual a comissão tem vindo a contribuir nas últimas semanas: que Trump incitou e apoiou a insurreição como parte de uma tomada de poder desesperada para roubar um segundo mandato, e que muitos dos seus principais conselheiros pensavam que os seus esquemas eram ilegais.

Eis algumas passagens do testemunho-chave de Hutchinson.

Trump e o seu chefe de gabinete foram advertidos sobre a violência - incluindo sobre manifestantes armados

Hutchinson fez realmente avançar o jogo em termos de estabelecer que Trump estava pessoalmente consciente do potencial de violência, e no entanto antecipou-se ao 6 de Janeiro com tentativas de irritar os seus apoiantes de modo a interferirem na sessão conjunta do Congresso que iria certificar a vitória do Presidente Joe Biden.

Hutchinson disse que Trump foi informado naquela manhã que estavam a ser confiscadas armas a alguns dos seus apoiantes que vieram para o seu comício. Mais tarde, quando Trump e a sua equipa estavam na Elipse - o grande relvado oval no lado sul da Casa Branca - e antes do seu discurso, Trump deu ordens aos seus colaboradores para "levarem os magnómetros" - referindo-se aos detectores de metais - porque as pessoas na multidão "não estão aqui para me magoar".

Trump também disse "Não me importo que eles tenham armas", segundo Hutchinson. Isto é particularmente chocante, porque Trump encorajou então a mesma multidão a marchar até ao Capitólio enquanto os legisladores afirmavam a vitória de Biden. (Centenas de adeptos de Trump em breve invadiram o Capitólio, muitos carregando facas, gás, barras de metal, tasers e algumas armas).

Quando Hutchinson contou ao seu chefe, Meadows, sobre as primeiras notícias de armas a serem confiscadas, Meadows nem sequer levantou os olhos do seu telefone, de acordo com Hutchinson. Dois dias antes, ele disse-lhe que "as coisas podem ficar realmente, realmente más a 6 de Janeiro".

"O potencial de violência foi conhecido antes do início da violência, suficientemente cedo para o Presidente Trump ter tomado medidas para a evitar", disse a representante republicana do Wyoming Liz Cheney, vice-presidente do painel. Ela acrescentou que Trump poderia ter instado os seus apoiantes a não marcharem para o Capitólio, ou condenado a violência mais rapidamente, mas não o fez, porque "tinha outra coisa em mente".

Trump pretendia ir ao Capitólio e pressionou-o a fazê-lo até ao último minuto.

A comissão designada provou efetivamente o mesmo na terça-feira, ao apresentar uma mistura de testemunhos condenatórios e registos da Casa Branca que mostram que Trump tencionava juntar-se aos seus apoiantes no Capitólio e estava a pressionar para fazê-lo apenas minutos antes de a violência começar a aumentar.

Sabia-se anteriormente que Trump queria ir ao Capitólio, mas o testemunho de Hutchinson estabeleceu pela primeira vez que as pessoas à volta de Trump tinham conhecimento antecipado deste plano.

A realidade das intenções de Trump tornou-se clara para os oficiais de segurança nacional em tempo real, quando souberam que os Serviços Secretos estavam a lutar para encontrar uma forma de o antigo Presidente viajar para o Capitólio enquanto ele se encontrava no palco exortando os seus seguidores a marchar, de acordo com os registos do chat do Conselho de Segurança Nacional (NSC) desse dia, que foram revelados pela primeira vez durante a audiência de terça-feira.

Os registos do chat do NSC fornecem um relato minuto a minuto de como a situação evoluiu a partir da perspetiva dos altos funcionários de segurança nacional da Casa Branca a 6 de Janeiro e, juntamente com o testemunho de uma testemunha entregue na terça-feira, contradizem um relato de Meadows no seu livro, onde diz que Trump nunca pretendeu marchar até ao Capitólio.

"MOGUL vai para o Capital ... estão agora a verificar uma rota". Esta é uma mensagem enviada para o diário de mensagens às 12:29 p.m. ET de 6 de Janeiro -- referindo-se ao nome de código dos serviços secretos do antigo Presidente.

"MilAide confirmou que quer ir", lê-se numa mensagem às 12:32 p.m. "Eles estão a implorar-lhe que reconsidere".

"Então isto está a acontecer", lê-se numa mensagem enviada às 12:47 p.m.

Hutchinson também testemunhou que alguns na órbita de Trump tinham deixado claro dias antes de 6 de Janeiro que Trump queria viajar para o Capitólio dos EUA.

Ela disse à comissão na terça-feira que o advogado Trump, Rudy Giuliani, lhe disse a 2 de Janeiro - quatro dias antes de o Capitólio dos EUA ser atacado por apoiantes do Trump - que "vamos ao Capitólio" a 6 de Janeiro, e que o próprio Trump também planeava estar lá.

Assessora relata incidente em segunda mão em que Trump se atira ao volante

Hutchinson testemunhou na terça-feira que ouviu um relato em segunda mão de como Trump ficou tão enfurecido com o seu destacamento dos Serviços Secretos por tê-lo impedido de ir ao Capitólio no dia 6 de Janeiro, que saltou para a frente da sua limusina presidencial e tentou virar o volante.

Tony Ornato, então chefe de gabinete adjunto da Casa Branca, disse a Hutchinson que Robert Engel, que era o agente dos Serviços Secretos responsável a 6 de Janeiro, disse repetidamente a Trump no seu regresso à Casa Branca após o discurso da Elipse de Trump que não era seguro ir ao Capitólio.

Segundo Hutchinson, Ornato viu Trump a gritar: "Eu sou o Presidente, f***-se!. Leva-me já para o Capitólio".

Trump então "alcançou a frente do veículo para agarrar o volante", recordou Hutchinson. E acrescentou que, de acordo com Ornato, Trump usou a sua outra mão para atacar Engel.

Engel e Ornato testemunharam ambos à comissão, à porta fechada, mas as suas declarações não foram utilizadas na audiência de terça-feira.

Hutchinson também contou uma outra birra de Trump, depois que o então Procurador-Geral William Barr dizer à Associated Press, em Dezembro de 2020, que não havia provas de fraude generalizada nas eleições de 2020.

"Lembro-me de ouvir barulho vindo do fundo do corredor", começou Hutchinson. Viu o empregado do Presidente na sala de jantar a trocar a toalha de mesa, com ketchup a pingar pela parede, e um prato de porcelana estilhaçada no chão.

"O Presidente estava extremamente zangado com a entrevista do Procurador-Geral ... e tinha atirado o seu almoço contra a parede", disse Hutchinson. "Peguei numa toalha e comecei a limpar o ketchup da parede".

A anedota surgiu quando a comissão questionou Hutchinson sobre o estado de espírito de Trump depois de perder a eleição.

Cipollone avisou: "As pessoas vão morrer e o sangue vai estar nas suas mãos".

Trump defendeu os desordeiros que entoavam cânticos pelo enforcamento do então vice-Presidente, Mike Pence, no 6 de Janeiro, sustentou Hutchinson.

Hutchinson relatou uma conversa que observou, entre o conselheiro da Casa Branca Pat Cipollone e Meadows, depois de terem debatido com Trump sobre os cânticos para infligir violência a Pence.

"Lembro-me de Pat dizer algo no sentido de 'Mark, precisamos de fazer algo mais. Eles estão literalmente a pedir que o vice-presidente seja enforcado, f***-se", recordou Hutchinson.

Meadows respondeu: "Ouviste-o, Pat. Ele acha que o Mike merece. Ele acha que eles não estão a fazer nada de errado", segundo Hutchinson.

Cipollone respondeu: "Isto é uma loucura do car***. Precisamos de fazer algo mais".

Hutchinson testemunhou que Cipollone tinha anteriormente entrado a correr no escritório de Meadows depois de os amotinados terem violado o Capitólio e dito a Meadows o que tinha acontecido, e que eles precisavam de ir ter com Trump.

"Mark, algo tem de ser feito, ou pessoas vão morrer e o sangue vai estar nas suas mãos", disse Cipollone a Meadows, de acordo com Hutchinson. "Isto está a ficar fora de controlo".

"Houve uma grande preocupação" na Casa Branca de que a 25ª Emenda fosse invocada após um motim

Trump proferiu um discurso a 7 de Janeiro de 2021 reconhecendo finalmente que Biden tomaria posse, em parte porque havia uma "grande preocupação" por parte da Casa Branca de que Pence e o Gabinete poderiam invocar a 25ª Emenda para retirá-lo do poder, de acordo com o testemunho de Cassidy.

Mark Meadows (esquerda) ao lado de Donald Trump e Mike Pence (direita), numa conferência de imprensa a 4 de maio de 2017 na Casa Branca: quando tudo eram sorrisos

Hutchinson também testemunhou que Trump não queria incluir referências no discurso a processar os desordeiros pró-Trump, mas, em vez disso, queria insinuar perdões para eles. Depois de o gabinete do advogado da Casa Branca ter recuado, Trump mencionou perdões nesse discurso.

Se a 25ª Emenda tivesse sido invocada, Trump poderia ter colocado a sua presidência à votação no Congresso, onde dois terços teriam sido necessários para o expulsar.

Hutchinson testemunhou: "Houve uma grande preocupação quanto à possibilidade de a 25ª Emenda ser invocada, e preocupações quanto ao que aconteceria no Senado se assim fosse".

Na altura, o pensamento era que Trump precisava do discurso "como cobertura" para se proteger da ameaça do seu Gabinete tentar expulsá-lo do poder, disse Hutchinson. Ela disse que essa era uma "razão secundária" para Trump fazer o discurso; a primeira era que Trump precisava de condenar o ataque violento para tentar impedir que ele se tornasse o seu legado.

Se Trump fez o discurso reconhecendo efetivamente a eleição, ele queria retirar as queixas para "processar os desordeiros ou chamá-los violentos" dos primeiros rascunhos do seu discurso de 7 de Janeiro, de acordo com Hutchinson, mas queria insinuar a possibilidade de  perdões aos seus apoiantes.

"Ele não queria aquilo ali", disse Hutchinson. "Ele queria colocar que queria potencialmente perdoá-los".

"Ele não pensou que eles tivessem feito algo de errado", disse Hutchinson, referindo-se aos desordeiros pró-Trump. "As pessoas que fizeram algo de errado naquele dia - ou a pessoa que fez algo de errado naquele dia foi Mike Pence, por não estar com ele".

A conduta de Trump a 6 de Janeiro foi 'anti-americana' e 'antipatriótica', diz Hutchinson

Num testemunho emocional e poderoso, Hutchinson disse que o comportamento de Trump a 6 de Janeiro foi "antipatriótico" e "anti-americano".

A comissão pediu a Hutchinson para descrever a sua reação em tempo real a partir de 6 de Janeiro, quando Trump atacou Pence num tweet às 14h24 ET, depois de os seus apoiantes terem invadido o Capitólio, forçando Pence, os legisladores, e funcionários a fugir pelas suas vidas.

"Como membro do staff... lembro-me de me sentir frustrada, desapontada, e realmente, senti como sendo pessoal. Foi realmente triste", disse Hutchinson. "Como americana, fiquei enojada. Era antipatriótico. Era anti-americano. Estamos a ver o edifício do Capitólio ser devastado por causa de uma mentira. E foi algo realmente difícil de digerir naquele momento. ... Ainda tenho dificuldade em trabalhar as minhas emoções sobre isso".

A sua condenação do comportamento de Trump pode lançar alguma luz sobre as suas motivações para avançar com tanta informação prejudicial sobre o dia 6 de Janeiro. Os membros da comissão têm elogiado Hutchinson e outros republicanos que testemunharam, chamando-lhes patriotas.

Comissão prenuncia provas de adulteração de testemunhas

O comité obteve o testemunho de algumas das principais testemunhas membros do círculo interno de Trump, mesmo membros da sua família. Mas Cheney sugeriu durante a audiência que poderia haver uma espécie de bloqueio imposto por Trump, e que o painel tem provas de adulteração de testemunhas.

Segundo Cheney, uma testemunha - que a comissão não identificou - testemunhou isso: "O que me disseram foi: "Enquanto eu continuar a ser um jogador de equipa, eles sabem que estou na equipa, estou a fazer a coisa certa, estou a proteger quem preciso de proteger, sabes, continuarei a ficar em boas graças no mundo do Trump".

Outra testemunha não identificada disse a alguém na órbita de Trump que Trump estava "a pensar em ti" e que "ele sabe que és leal" e espera que "vás fazer a coisa certa quando entrares para prestar o teu depoimento".

Cheney disse que a comissão leva isto "a sério" e irá considerar "os próximos passos", potencialmente insinuando um encaminhamento criminoso, para uma possível adulteração ou obstrução de testemunhas. O deputado democrata Bennie Thompson, do Mississippi, presidente da comissão, emitiu um apelo público a uma maior cooperação, dizendo a potenciais testemunhas que se "descobrissem alguma coragem escondida algures, as nossas portas permaneceriam abertas".

Trump negou todas as irregularidades relativas a 6 de Janeiro e às investigações relacionadas.

As novas provas da comissão são consistentes com um padrão de comportamento de anos de Trump, que utilizou repetidamente canais privados e públicos para pressionar pessoas que poderiam testemunhar contra ele. Isto aconteceu com o seu antigo advogado Michael Cohen e o seu presidente de campanha de 2016, Paul Manafort, durante a investigação da Rússia, e com um embaixador dos EUA durante as audiências do impeachment de 2019.

Trump também retaliou contra pessoas que prestaram testemunho público prejudicial contra ele, incluindo um alto funcionário de segurança nacional da Casa Branca e o seu embaixador na União Europeia, quando ambos descreveram a sua campanha de pressão contra a Ucrânia durante as audiências do impeachment da Casa Branca em 2019.

 

 

 

“Isto é uma bomba": testemunho de Hutchinson deixa sem palavras apoiantes de Trump

Por Gabby Orr e Pamela Brown

Apoiantes do ex-presidente Donald Trump ficaram sem palavras a meio da primeira metade do testemunho de Cassidy Hutchinson na terça-feira, reconhecendo à CNN que o seu testemunho foi "uma bomba" com repercussões potencialmente enormes para Trump.

Trump já estava a preparar-se para um dia explosivo de testemunho de Hutchinson, que disse anteriormente à comissão da Câmara que o antigo Presidente aprovou a entoação de ameaças violentas contra o vice-Presidente Mike Pence a 6 de Janeiro de 2021.

"Isto é uma bomba. É espantoso. É chocante. A história sobre 'A Besta' -- Não tenho palavras. É simplesmente espantoso", disse um conselheiro Trump, referindo-se à limusina presidencial.

"Isto pinta um quadro de Trump completamente descontrolado e a perder completamente todo o controlo, quando, na sua base, pensam nele como alguém que está no comando a todo o momento. Isto é completamente contrário a isso", acrescentou o conselheiro.

O conselheiro Trump, que estava em mensagens de texto em grupo com vários outros ajudantes e aliados de Trump enquanto a audiência se desenrolava, disse que "ninguém está a encarar isto de ânimo leve".

"Pela primeira vez desde o início das audiências, ninguém está a descartar isto", disse o conselheiro.

Outro aliado de Trump disse à CNN que o testemunho de Hutchinson, antiga assistente de topo do chefe de gabinete da Casa Branca Mark Meadows, selaria o destino de Meadows como "persona non grata" para o antigo Presidente.

"Esta é uma das razões [porque Trump] está furioso com Meadows. Ele já estava no congelador, mas agora será persona non grata", disse esta fonte.

As revelações surpreendentes do testemunho de Hutchinson sobre o comportamento errático e o estado de espírito de Trump no dia 6 de Janeiro poderão facilitar as esperanças presidenciais republicanas de desafiar o antigo presidente numas primárias, caso ele se candidate, acrescentou o aliado de Trump.

"Este é basicamente um anúncio de campanha para (Governador da Florida) Ron DeSantis 2024", disse o aliado Trump.

Trump diz que mal conhece Hutchinson

Trump, como faz frequentemente com os ajudantes e aliados de quem já foi próximo mas que mais tarde se viraram contra ele, alegou na terça-feira que "mal conhece" Hutchinson e rejeitou pessoalmente um pedido que ela fez para se juntar ao seu pessoal pós-presidencial em Mar-a-Lago.

"Quando ela pediu para ir com alguns outros membros da minha equipa à Florida depois de ter cumprido um mandato completo, eu recusei pessoalmente o seu pedido", disse Trump sobre a Truth Social durante o testemunho ao vivo de Hutchinson.

Trump tentou enquadrar o testemunho de Hutchinson como sendo de vingança, afirmando que ela estava "muito perturbada e zangada por eu não a querer" na sua residência em Palm Beach.

A tentativa do ex-Presidente de se distanciar de Hutchinson, que descreveu na terça-feira como "más notícias", veio depois de a comissão ter mostrado movimentos na Ala Oeste para demonstrar quão perto ela estava da Sala Oval como assistente de Meadows. Vários ex-assistentes da Casa Branca também garantiram publicamente a proximidade de Hutchinson a Trump e ao seu chefe de gabinete, antes e durante a sua comparência na terça-feira.

"Qualquer pessoa que menospreze o papel de Cassidy Hutchinson ou o seu acesso na Ala Presidencial ou não compreende como funcionava o Trump ou está a tentar desacreditá-la porque tem medo de quão condenatório é este testemunho", tweetou a antiga secretária de imprensa adjunta da Casa Branca, Sarah Matthews.

Em resposta, um ex-assistente da Casa Branca disse: "Todos no alto da Casa Branca a conheciam. E mesmo que Trump não soubesse o seu nome, ele certamente a reconheceu. Ela viajava no [avião presidencial] AF1 com Mark em cada viagem". Além disso, este ex-assistente disse que embora o testemunho de terça-feira fosse uma loucura, também é 100% credível, dado o que esta pessoa sabia depois de ter trabalhado na Casa Branca. O episódio mais surpreendente para alguns assistentes até agora foi o incidente da Besta, em que Trump alegadamente tentou saltar para o volante para poder ser conduzido até ao Capitólio no dia 6 de Janeiro.

Trump estava nervoso com o testemunho

Trump negou anteriormente ter reportado o testemunho de Hutchinson, afirmando na sua plataforma Truth Social, no início deste mês, que "nunca disse, ou sequer pensou em dizer, 'Hang Mike Pence' [Enforquem o Mike Pence]".

"Esta ou é uma história inventada por alguém que procura tornar-se uma estrela, ou é uma notícia falsa", escreveu ele na altura.

Mas uma pessoa próxima de Trump disse que ele estava nervoso com a audiência de terça-feira, que apresenta o testemunho ao vivo de Hutchinson. Antes do anúncio da comissão na segunda-feira, esta pessoa disse que Trump estava a sentir-se triunfante no meio de decisões consecutivas do Supremo Tribunal, protegendo o direito de ter armas e pondo fim ao direito constitucional ao aborto.

"Ele definitivamente não estava à espera de uma reviravolta como esta", disse a pessoa próxima de Trump.

O antigo Presidente e os seus aliados estão a planear apresentar Hutchinson como sendo uma assessora júnior que teve pouca influência na Ala Presidencial, apesar da sua proximidade tanto com o então Presidente como com o seu então chefe de gabinete. Hutchinson serviu no Gabinete de Assuntos Legislativos antes de se tornar assessora de topo de Meadows, e foi testemunha ocular de vários episódios chave até 6 de Janeiro, além de ter testemunhado algumas das reações em tempo real de Trump nesse dia.

Trump estava especificamente preocupado com o que Hutchinson podia dizer sobre o seu estado de espírito em resposta aos desordeiros no dia 6 de Janeiro, disse uma segunda pessoa próxima dele.

Meadows em alerta máximo

A proximidade de Hutchinson a Meadows colocou o antigo chefe de gabinete da Casa Branca em alerta máximo antes da audiência de terça-feira.

Hutchison "funcionou como uma assessora executiva dele", disse uma pessoa familiarizada com a sua relação e a sua perceção da sua agenda diária, conversas e interações com Trump é incomparável.

"Penso que a comissão tem mantido o seu fogo em Meadows até agora, mas hoje vai ser um dia Meadows", disse a fonte.

Meadows promoveu pessoalmente Hutchinson do Gabinete de Assuntos Legislativos da Casa Branca para o seu gabinete da Ala Presidencial, onde, disse a mesma fonte, "foi-lhe dado enorme acesso e enorme visibilidade" na sua relação com Trump e vários legisladores de topo do Partido Republicano.

Uma segunda fonte familiarizada com o assunto disse que Hutchinson recebeu apoio zero de Meadows, ao ficar enredada na investigação da comissão de 6 de Janeiro, mas manteve-se em contacto com alguns dos seus outros apoiantes.

Agora, Meadows e os seus aliados estão preocupados que possam voltar para assombrá-lo.

Eles estiveram a observar atentamente a audiência de terça-feira para ver que novas informações Hutchinson revelaria no seu testemunho juramentado, disse a segunda fonte, que observou que Meadows estava especificamente preocupada com o facto de a sua aparição poder vir a sobrecarregar ainda mais a sua relação com Trump.

Trump queixou-se em privado aos aliados nos últimos meses sobre mensagens de texto que Meadows entregou ao painel da Câmara antes de suspender a sua cooperação. Um livro que Meadows escreveu contendo novos e surpreendentes detalhes sobre a gravidade da batalha de Trump com a Covid-19 também irritou o antigo Presidente.

 

Invasão dos apoiantes de Trump ao Capitólio