Covid-19: China rejeita "acusação" dos EUA sobre medidas anti-pandemia

Agência Lusa , AM
10 abr, 10:32
Zhao Lijian, um dos porta-vozes do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China

Ministério chinês chamou a política de combate à covid-19 de "científica e eficaz", expressando total confiança que tanto Xangai e como outras regiões da China irão superar a nova vaga de surtos

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês criticou o aviso, emitido pelos EUA, que recomenda aos norte-americanos que não viajem para a China devido à “aplicação arbitrária” de restrições contra o novo coronavírus responsável pela covid-19.

No sábado, o porta-voz do ministério chinês, Zhao Lijian, disse que a China não concorda com a recomendação do Departamento de Estado dos EUA, ao qual pediu explicações.

"Expressamos forte insatisfação e firme oposição à acusação infundada do lado dos EUA sobre a política de prevenção de pandemias da China, na sua declaração, e fizemos representações solenes junto dos EUA", disse Zhao, num comunicado.

O ministério chinês chamou a política de combate à covid-19 de "científica e eficaz", expressando total confiança que tanto Xangai e como outras regiões da China irão superar a nova vaga de surtos.

O Departamento de Estado dos EUA permitiu que os funcionários não essenciais do Consulado-Geral dos EUA em Xangai deixem o país devido às restrições e ao forte aumento de casos na cidade.

Em resposta, Zhao defendeu que as autoridades locais nas regiões afetadas pela covid-19 têm prestado assistência, “tanto quanto lhes tem sido possível”.

Nas últimas 24 horas, Xangai registou um recorde diário de 24.943 novos casos de COVID-19, revelou hoje o governo local.

Este valor é cinco vezes maior do que o registado em 28 de março – 4.477 infecções –, dia em que a cidade entrou pela primeira vez em confinamento.

A recuperação dos casos de covid-19 poderá levar a uma suavização do confinamento na parte leste de Xangai, disse no sábado a vice-presidente do governo municipal, Zong Ming, mas só depois de uma testagem massiva de todos os habitantes.

Numa entrevista coletiva a meios de comunicação locais, Zong Ming disse que a cidade vai realizar uma nova ronda de testes PCR aos habitantes e, com base nos resultados, classificar os edifícios residenciais em três tipos: “confinados”, “sob controlo” e “em precaução”, com medidas diferentes para cada um.

“Vamos implementar medidas que vão variar de acordo com a área, com base nos resultados dos testes”, referiu a autarca.

A Comissão Nacional de Saúde da China anunciou hoje a deteção de 1.351 novos casos positivos de covid-19 – 1.318 devido a contágio local –, além de 25.111 casos assintomáticos, com a esmagadora maioria a ser registada em Xangai.

As autoridades de saúde garantem que o número de mortes se mantém inalterado em 4.638. As últimas duas mortes relacionadas com a covid-19 foram anunciadas a 19 de março, na província de Jilin, no nordeste da China.

Familiares disseram à Associated Press que vários pacientes poderão ter morrido de covid-19 no Shanghai Donghai Elderly Care, um hospital para idosos em Xangai, após muitos funcionários terem sido levados para quarentena devido às rígidas regras de combate à pandemia.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados