"Grande deceção": Zelensky critica encontro de Modi com Putin no mesmo dia em que ataque russo devastou hospital ucraniano

CNN , Helen Regan, Mariya Knight e Victoria Butenko
9 jul, 09:36
O Presidente russo, Vladimir Putin, e o Primeiro-Ministro indiano, Narendra Modi, encontram-se na residência estatal de Novo-Ogaryovo, perto de Moscovo, a 8 de julho de 2024. (Gavrill Grigorov/Pool/AFP/Getty Images)

O presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, encontraram-se na residência estatal de Novo-Ogaryovo, perto de Moscovo, na segunda-feira

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, criticou na segunda-feira a visita do primeiro-ministro indiano a Moscovo, considerando-a uma "enorme desilusão e um golpe devastador para os esforços de paz", no mesmo dia em que um míssil russo destruiu um hospital pediátrico em Kiev.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, encontrou-se com o presidente russo, Vladimir Putin, na sua residência em Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscovo, na segunda-feira, enquanto a 900 quilómetros de distância choviam mísseis russos sobre cidades ucranianas, num ataque matinal à hora de ponta que matou pelo menos 38 pessoas e feriu outras 190.

A viagem de dois dias de Modi marca a sua primeira visita à Rússia desde que Putin iniciou a invasão em grande escala da Ucrânia há quase dois anos e meio, com imagens e vídeos que mostram os dois líderes a abraçarem-se, a conversarem durante um chá, a andarem num veículo elétrico e a assistirem a um espetáculo equestre.

"É uma grande deceção e um golpe devastador para os esforços de paz ver o líder da maior democracia do mundo abraçar o criminoso mais sanguinário do mundo em Moscovo num dia como este", declarou Zelensky num post no X na segunda-feira, referindo-se aos mortíferos ataques russos.

Modi não se referiu aos ataques quando falou à diáspora indiana em Moscovo na terça-feira, mas elogiou as relações entre os dois países. Modi anunciou também a abertura de dois novos consulados nas cidades russas de Yekaterinburg e Kazan para "facilitar as viagens e os negócios".

"Não importa se as temperaturas na Rússia são negativas, a amizade Rússia-Índia sempre foi positiva", afirmou. "Esta é uma relação construída sobre uma base de confiança mútua e respeito mútuo".

Os bombardeamentos à luz do dia atingiram a capital, Kiev, e cidades como Dnipro, Kryvyi Rih, Slovyansk e Kramatorsk - algumas das quais são zonas densamente povoadas, longe das linhas da frente.

Em Kiev, 28 pessoas morreram, incluindo quatro crianças, informou o Serviço Nacional de Emergência da Ucrânia na terça-feira. Duas pessoas morreram e pelo menos 16 outras ficaram feridas no ataque ao hospital Okhmatdyt de Kiev.

O hospital é o maior centro médico pediátrico da Ucrânia e tem sido vital no tratamento de algumas das crianças mais doentes de todo o país.

Socorristas trabalham no Hospital Pediátrico Ohmatdyt, que foi danificado durante os ataques de mísseis russos, em Kiev, Ucrânia, a 8 de julho de 2024 (Imagem: Vlada Liberova/Libkos via Getty)

Vídeos do local mostram voluntários a trabalhar com a polícia e os serviços de segurança a escavar entre os escombros, enquanto o fumo saía do hospital. As operações de busca e salvamento de pessoas potencialmente presas sob os escombros continuaram nesta terça-feira.

Os funcionários do hospital afirmaram que tentaram pôr as crianças em segurança na sequência do ataque. Duas crianças estavam nas salas de operações no momento da explosão e ambas foram transferidas para o abrigo da cave assim que os respectivos procedimentos foram concluídos, revelou uma enfermeira sénior à CNN. Outra enfermeira sénior disse que estava a decorrer uma operação a uma criança de 2 anos quando ocorreu o ataque.

"As luzes apagaram-se, tudo se apagou. Tirámos os instrumentos, com lanternas a brilhar. Tudo foi cosido rapidamente", afirmou Iryna Filimonova. "O bebé foi levado para baixo (para o abrigo). Eu corri imediatamente para ajudar a limpar os escombros".

O chefe dos direitos humanos das Nações Unidas, Volker Turk, disse que a explosão obrigou os trabalhadores médicos a tratar as crianças doentes fora das instalações.

Os doentes estavam "a receber tratamento para o cancro em camas de hospital instaladas em parques e nas ruas, onde os trabalhadores médicos tinham rapidamente estabelecido áreas de triagem, no meio do caos, do pó e dos escombros", afirmou num comunicado.

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou na segunda-feira que as suas forças atingiram "instalações industriais militares da Ucrânia e bases aéreas das forças armadas ucranianas", com armas de longo alcance e de alta precisão. Sem fornecer provas, o ministério russo também afirmou que as fotografias e vídeos da explosão do hospital confirmaram que os danos foram causados por um míssil de defesa aérea ucraniano.

Visita de Modi à Rússia

Entretanto, perto da capital russa, Modi agradeceu a Putin por o ter recebido na sua residência nos subúrbios, declarando num post no X: "Estou ansioso pelas nossas conversações de amanhã, que certamente contribuirão muito para cimentar ainda mais os laços de amizade entre a Índia e a Rússia".

Putin deverá manter conversações oficiais com Modi na terça-feira no Kremlin. A viagem é um sinal de que Nova Deli e Moscovo permanecem próximas, apesar da crescente dependência da Rússia em relação à China, e é vista como o mais recente obstáculo aos esforços dos líderes ocidentais para pôr Putin de lado.

A Índia tem laços de longa data com Moscovo e continua fortemente dependente do Kremlin para o equipamento militar. A Índia aumentou as compras de petróleo bruto russo com desconto, dando à nação de Putin uma importante salvação financeira, uma vez que enfrenta o isolamento do Ocidente.

O presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, dão um passeio durante uma reunião informal perto de Moscovo, a 8 de julho de 2024. Gavrill Grigorov/Pool/AFP/Getty Images

Antes da visita, um comunicado do gabinete de Modi referia que o líder indiano iria analisar "todos os aspetos da cooperação bilateral com o meu amigo presidente Vladimir Putin e partilhar perspetivas sobre várias questões regionais e globais. Procuramos desempenhar um papel de apoio a uma região pacífica e estável".

Os Estados Unidos manifestaram à Índia a sua preocupação com as relações com a Rússia, referiu um porta-voz do Departamento de Estado norte-americano numa conferência de imprensa na segunda-feira.

"Vou ver os comentários públicos do primeiro-ministro Modi para ver o que ele falou, mas como eu disse, deixamos bem claro diretamente com a Índia as nossas preocupações sobre o seu relacionamento com a Rússia", afirmou o porta-voz Matthew Miller. "Esperamos que a Índia e qualquer outro país, quando se envolverem com a Rússia, deixem claro que a Rússia deve respeitar a Carta das Nações Unidas, deve respeitar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia".

A Índia apelou à cessação das hostilidades na Ucrânia e ao restabelecimento da paz, mas também se absteve de todas as resoluções sobre a Ucrânia nas Nações Unidas e não condenou a invasão russa.

O presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, visitam um estábulo durante uma reunião informal nos arredores de Moscovo, a 8 de julho de 2024. Gavrill Grigorov/Pool/AFP/Getty Images

Em 2023-24, o comércio entre os dois países ascendeu a quase 65 mil milhões de dólares, principalmente devido à forte cooperação energética, mas a maior parte desse total foi para a Rússia, de acordo com o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Índia, Randhir Jaiswal.

Reduzir o desequilíbrio comercial seria uma "questão de prioridade" nas discussões de Modi com Putin, declarou antes da viagem.

A visita é também a primeira viagem bilateral de Modi desde que ganhou um raro terceiro mandato nas eleições gigantescas da Índia no mês passado.

O assessor presidencial russo Yury Ushakov disse que o Kremlin atribui "importância primordial" à visita de Modi, segundo a agência noticiosa estatal russa TASS.

Os ataques russos na Ucrânia ocorreram um dia antes de o presidente dos EUA, Joe Biden, organizar uma cimeira crucial da NATO em Washington, onde são esperados novos anúncios sobre o apoio militar, político e financeiro da aliança a Kiev.

Biden classificou os ataques com mísseis russos em Kiev - incluindo no hospital pediátrico - como uma "lembrança horrível da brutalidade da Rússia", numa declaração feita na segunda-feira à noite.

"É fundamental que o mundo continue a apoiar a Ucrânia neste momento importante e que não ignoremos a agressão russa", afirmou Biden.

Rhea Mogul, Svitlana Vlasova, Daria Tarasova-Markina, Maria Kostenko e Lauren Said-Moorhouse da CNN contribuíram para esta reportagem.

Europa

Mais Europa

Patrocinados