Croácia
45'
0 - 1
Albânia

Polícia prende suspeito de esfaquear quatro professores americanos na China

CNN , Nectar Gan, Yong Xiong, Simone McCarthy, and Sarah Dewberry
11 jun, 14:38
Esfaqueamento de americanos na China

Ataques com facas não são incomuns na China, onde as armas de fogo são rigidamente controladas. O país tem enfrentado uma série de ataques à facada em locais públicos, incluindo escolas e hospitais. Mas os ataques públicos contra estrangeiros são raros.

Hong Kong (CNN) - Foi detido um suspeito de ter esfaqueado quatro professores de uma universidade norte-americana num parque público da cidade de Jilin, no nordeste da China. A informação foi tornada pública pela polícia esta terça-feira.

As autoridades identificaram o suspeito pelo seu apelido, Cui, um homem de 55 anos do distrito de Longtan. Segundo a polícia, ele “colidiu com um estrangeiro enquanto caminhava” no Parque Beishan, um espaço verde popular no centro da cidade de Jilin.

O suspeito terá então esfaqueado os instrutores, bem como um turista chinês que se aproximou durante o incidente e tentou impedi-lo, informou a polícia num comunicado.

A polícia disse que recebeu a chamada por volta das 11h49 locais de segunda-feira, após o que enviou a polícia para o local e transportou os feridos para o hospital para tratamento.

“Até ao momento, todos os feridos receberam tratamento médico adequado e não correm perigo de vida”, disse a polícia, acrescentando que o caso estava a ser investigado.

Os educadores do Cornell College, um colégio privado de artes liberais em Mount Vernon, Iowa, foram feridos “num incidente grave” na segunda-feira, quando participavam num programa de parceria com a Universidade Beihua na cidade de Jilin, no nordeste da China, segundo informou o colégio.

“Estivemos em contacto com os quatro professores e estamos a prestar-lhes assistência durante este período”, declarou o presidente do Cornell College, Jonathan Brand, em comunicado, acrescentando que nenhum estudante participava no programa.

Vítimas do ataque à facada deitadas no chão no Parque Beishan, Jilin, China, a 10 de junho. A CNN desfocou áreas da imagem para ocultar as identidades e os ferimentos das vítimas. Imagem das redes sociais

As imagens que supostamente mostram o rescaldo do ataque à luz do dia, que surgiram nas redes sociais chinesas na segunda-feira, mas que foram rapidamente censuradas, mostram dois homens e uma mulher deitados no chão, cobertos de grandes manchas de sangue, rodeados de espectadores.

No vídeo, elas parecem conscientes e a falar ao telemóvel.

A CNN localizou geograficamente o vídeo do ataque no Parque Beishan, um espaço verde popular no centro da cidade de Jilin, a menos de meia hora de carro da Universidade de Beihua. Segunda-feira foi feriado na China.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China confirmou na terça-feira que “quatro professores estrangeiros da Universidade de Beihua foram atacados” quando visitavam o Parque Beishan, em Jilin, na manhã de segunda-feira, acrescentando que foram imediatamente levados para o hospital e não sofreram ferimentos com risco de vida.

“A polícia determinou inicialmente que se tratava de um incidente isolado e está atualmente a investigar o caso”, declarou o porta-voz do ministério, Lin Jian, numa conferência de imprensa regular.

O deputado estadual do Iowa, Adam Zabner, disse à CNN que o seu irmão, David Zabner, foi uma das vítimas do esfaqueamento.

Segundo Zabner, o seu irmão, que estava na sua segunda visita à China com Cornell, está “bem” e “foi cosido e parece estar a recuperar”, disse depois de ter falado com ele na terça-feira de manhã, hora de Pequim.

As outras três vítimas sobreviveram ao ataque, disse Zabner, acrescentando que não podia comentar o seu estado de saúde.

“Estou extremamente grato pelo facto de o meu irmão estar bem e ter sobrevivido a este ataque”, disse à CNN.

"A esperança da minha família é levar o meu irmão de volta a casa o mais depressa possível e pô-lo saudável. E queremos agradecer ao Departamento de Estado dos EUA por toda a sua ajuda, e também à nossa delegação federal do Iowa, que tem sido particularmente útil".

O Departamento de Estado dos EUA disse estar ciente dos relatos de um incidente de esfaqueamento na China e está a monitorizar a situação.

O deputado estadual de Iowa Adam Zabner disse à CNN que o seu irmão, David Zabner, na foto, foi uma das vítimas de esfaqueamento. Imagem cortesia de Adam Zabner

"Ataque horrível"

Ataques com facas não são incomuns na China, onde as armas de fogo são rigidamente controladas. O país tem enfrentado uma série de ataques à facada em locais públicos, incluindo escolas e hospitais. Mas os ataques públicos contra estrangeiros são raros.

O ataque em Jilin, na segunda-feira, ocorre no momento em que a China procura atrair visitantes internacionais após três anos de controlos fronteiriços rigorosos por causa da Covid-19. O ataque também ocorre num momento em que a China está a tentar atrair visitantes internacionais, depois de três anos de controlos fronteiriços rigorosos.

O incidente atraiu a atenção e a preocupação de funcionários e deputados do estado norte-americano do Iowa. A governadora do estado, Kim Reynolds, chamou-lhe um “ataque horrível”. A deputada do Iowa Ashley Hinson, que representa o distrito onde se situa o Cornell College, afirmou que os funcionários da universidade “foram brutalmente esfaqueados” e prometeu “fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para trazer estes cidadãos do Iowa para casa em segurança”.

Nas redes sociais chinesas, que são fortemente censuradas, as imagens e as discussões sobre o ataque foram rapidamente apagadas desde segunda-feira. Ao meio-dia de terça-feira, a censura parecia ter abrandado um pouco, permitindo que alguns comentários surgissem.

Alguns internautas chineses consideraram o incidente “terrível”, enquanto outros se interrogaram sobre a razão pela qual os meios de comunicação social chineses não noticiaram o ataque. Alguns manifestaram também a sua preocupação com o potencial impacto na imagem global da China e com a vontade dos estrangeiros de visitarem o país, num contexto de aumento do nacionalismo e do sentimento anti-americano.

Na sua conferência de imprensa de terça-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China procurou afastar as preocupações de que o ataque pudesse afetar os intercâmbios educativos entre a China e os EUA.

“A realização de intercâmbios interpessoais e culturais entre a China e os Estados Unidos é do interesse comum de ambas as partes e tem recebido o apoio ativo e a resposta de vários sectores de ambos os países”, afirmou Lin, o porta-voz.

"A China é amplamente reconhecida como um dos países mais seguros do mundo. A China sempre tomou medidas eficazes e continuará a tomar medidas relevantes para proteger eficazmente a segurança de todos os estrangeiros na China."

O campus da Faculdade de Cornell em Mount Vernon, Iowa Cortesia da Faculdade de Cornell

Ligações nos estudos

O Cornell College iniciou uma parceria com a Universidade Beihua em 2018, que permtiu que a instituição chinesa fornecesse financiamento para educadores da escola de Iowa viajarem e viverem na China e ensinarem uma parte de um curso em áreas de ciência da computação, matemática e física durante períodos de duas semanas, de acordo com informações publicadas no site da faculdade na época.

A China tem tentado impulsionar a sua cooperação educativa com os EUA, que tem sofrido retrocessos consideráveis devido à pandemia de Covid e às tensões bilaterais.

Durante uma visita aos EUA em novembro, o líder chinês Xi Jinping anunciou que o país iria convidar 50.000 jovens americanos para a China em programas de intercâmbio e estudo nos próximos cinco anos, a fim de promover os laços pessoais entre os dois países.

No seu anúncio, o líder chinês referiu os seus próprios laços duradouros com o estado do Iowa. Xi ficou com uma família anfitriã no Iowa durante a sua primeira visita aos EUA há quase quatro décadas, uma experiência que descreveu como “inesquecível”.

Na semana passada, Xi encorajou as universidades chinesas e norte-americanas a “reforçar os intercâmbios e a cooperação”, numa carta dirigida ao presidente da Universidade de Kean, em Nova Jérsia, que tem uma empresa comum com a Universidade de Wenzhou, de acordo com os meios de comunicação social estatais.

A China tem uma das mais baixas taxas de criminalidade violenta do mundo, em parte devido ao rigoroso controlo das armas de fogo e à poderosa vigilância em massa.

No entanto, continua a registar esfaqueamentos em massa em locais públicos. Em maio, duas pessoas foram mortas e outras 21 ficaram feridas num ataque com faca num hospital da província de Yunnan, no sudoeste do país.

No ano passado, seis pessoas foram mortas e uma ficou ferida num incidente de esfaqueamento ocorrido de manhã cedo no exterior de um jardim de infância no sul da província de Guangdong. E um esfaqueamento em 2022, também num jardim de infância, matou três pessoas e feriu seis na província oriental de Jiangxi.

 

Steven Jiang, Hassan Tayir, Irene Nasser, Steve Almasy e Rashard Rose da CNN contribuíram para este artigo.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados