Alto funcionário chinês condenado à morte por subornos de milhões: "A minha ganância louca estava no auge"

18 jan, 10:36
China

Corrupto ou rival? Críticos de Xi Jinping dizem que campanha do presidente da China contra a corrupção está a ser aproveitada pelo próprio para acabar com a carreira política de alguns opositores. Desde que chegou ao poder em 2012, mais de um milhão de funcionários foram punidos pelas suas condutas

Um alto funcionário do Partido Comunista Chinês foi condenado à morte por corrupção, depois de ter recebido mais de 450 milhões de yuans em subornos, cerca de 62 milhões de euros.

Wang Fuyu, 69 anos, que chegou a ser o número dois do partido na província de Guizhou, não vai recorrer da decisão e também não vai morrer da sentença, apesar de ficar detido para sempre: a pena de morte foi comutada em prisão perpétua, determinou o tribunal na segunda-feira, segundo o diário South China Morning Post.

O julgamento remonta a novembro, mas há mais de três anos que este alto dirigente estava fora das lides do partido. E, coincidência ou não, a sentença foi anunciada um dia depois de todos os chineses ficarem a saber que Wang Fuyu era corrupto. O caso foi revelado num programa de televisão estatal, onde todos os subornos foram expostos, como aquele que também condenou um responsável de uma empresa de bebidas alcoólicas a dez anos de prisão.

No mesmo programa, foram exibidas declarações de Wang Fuyu, aparentemente arrependido dos crimes que cometeu enquanto alto funcionário do Partido Comunista Chinês. "Não sei porque queria aquele dinheiro, se já tinha o suficiente. Mas sei que a minha ganância louca estava no auge", confessou.

Tal como o fez perante o juiz. Declarou-se culpado de ter aceitado milhões em subornos e, por isso, aceitou a sentença, sem recorrer. Também não se livra de pagar uma multa elevada, cujo valor não foi divulgado, sendo certo que os seus bens foram igualmente confiscados.

Por saber fica também se Wang Fuyu se trata de apenas mais um corrupto ou de um rival. Críticos de Xi Jinping dizem que a campanha do presidente da China contra a corrupção está a ser aproveitada pelo próprio para acabar com a carreira política de alguns opositores. Desde que chegou ao poder em 2012, mais de um milhão de funcionários foram punidos pelas suas condutas.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados