"Temos de correr para ter água e as filas são muito grandes". A realidade de quem não deixou a Ucrânia

17 jun, 14:00

Os bombardeamentos constantes em Severodoneetsk têm impossibilitado a retirada de civis que estão abrigados na fábrica de Azot.

 A situação da cidade vizinha Lysychansk também é complicada.

Europa

Mais Europa

Patrocinados