“Se a rendição não acontecer, vai haver um sacrifício humano desnecessário”. A análise do major-general Carlos Branco

17 abr, 18:53

Numa altura em que as ameaças subiram de tom, com a Rússia a fazer um ultimato às tropas ucranianas em Mariupol e a própria Ucrânia a rejeitar qualquer cenário de rendição, o futuro da cidade portuária continua em jogo.

À CNN Portugal, o Major-General Carlos Branco admite que a rendição dos ucranianos será a melhor opção. “Esperemos que prevaleça o bom senso e que as forças se rendam, neste momento estão com muitas dificuldades de logística, de munições, de alimentação, de água, etc.”.

“Se [a rendição] não acontecer, vai haver um sacrifício humano desnecessário, porque aquelas forças [as ucranianas] estão, neste momento, encurraladas, completamente cercadas e não têm hipótese de fuga”, explica.

Para o Major-General Carlos Branco, a resistência ucraniana é “um esforço desnecessário”. “Noutras fases da batalha, percebo que não houvesse rendição, porque havia ainda possibilidade de o decurso dos combates ter outros fins”, diz.

Europa

Mais Europa

Patrocinados