“São-lhes retiradas as falanges dos dedos”. O alerta de Manuela Niza sobre os refugiados na Bielorrússia (“caçados casa a casa” para combater na Ucrânia)

14 ago, 17:55

Manuela Niza considera que o ataque da guarda costeira líbia contra um barco com refugiados é uma situação “inexplicável” mas não inesperada. “Estamos a criar barreiras quase intransponíveis para que estas pessoas consigam sobreviver”, afirmou. Para a comentadora da CNN Portugal, é necessária uma nova política europeia de apoio a refugiados e requerentes de asilo, apontando as “grandes culpas neste cartório” por parte da União Europeia. Manuela Niza deu o exemplo da Bielorrússia, onde o presidente do país tem vindo a retirar o estatuto de refugiado àqueles que deles beneficiavam. “Estão a ser caçados casa a casa, para serem incorporados no exército”, lutando ao lado da Rússia na invasão da Ucrânia, descreveu. E acrescentou: “são-lhes retiradas as falanges nos dedos, para que não sejam identificados”.

Europa

Mais Europa

Patrocinados