Refugiados ucranianos sem acompanhamento do Estado português dependem de terceiros

Jornalista de economia da TVI e TVI24.pt desde outubro de 2013.

Foi Editora da Agência Financeira e comentadora da TVI e TVI24 entre 2006 e 2013, onde alimentava a secção de economia da tvi24.pt e Push by IOL.

Licenciou-se em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa.

Realizou estágio na Agência Financeira em 2001, passando a integrar a redação como jornalista no final desse ano. Escreveu sobre empresas, mercados, macroeconomia, impostos e finanças pessoais.

Ao longo dos anos colaborou com várias rádios (Rádio Capital, Rádio Mais, Antena 1, Rádio Clube Português e Rádio Renascença) para comentários de mercados, finanças pessoais e temas económicos.

Colaborou também com os jornais «O Independente» e «Metro», tendo integrado a equipa que fundou o jornal online «Diário Financeiro», que chegou a editar.
5 mar 2023, 20:44

Quando começou a guerra da Ucrânia, foi um desfile de promessas aos ucranianos. Milhares vieram mesmo e agora estão há meses à espera do estatuto de refugiado.

Dos 58 mil ucranianos que pediram para vir para Portugal e das 2.128 famílias que solicitaram auxilio para alojamento só 614 conseguiram.

País

Mais País

Patrocinados