Refugiados recebidos por russos: presidente da Associação de Ucranianos garante que há mais casos em Aveiro e Montijo

29 abr, 13:01

Em declarações à CNN Portugal, Pavlo Sadokha, presidente da Associação de Ucranianos em Portugal, não se mostrou surpreendido pela notícia de refugiados a serem recebidos por funcionários russos pró-Putin na Câmara de Setúbal e disse que já tinham sido feitos vários alertas para instituições e organizações em Portugal que têm ligações diretas com a Rússia.

“Há anos e anos que nós alertamos para as instituições e organizações em Portugal diretamente ligadas a agências de propaganda russa ou à embaixada russa. O caso da organização de Edintsvo, dirigida por Igor Khashin, é um bom exemplo”.

Sobre o caso concreto da Câmara de Setúbal, que colocou russos pró-Kremlin a receber refugiados ucranianos, Pavlo Sadokha voltou a dizer que já tinha essa informação e que o mesmo se passa noutros municípios, como o de Montijo ou Aveiro, que trabalham com associações pró-Putin.

“Desde a chegada de refugiados ucranianos em Portugal, fomos alertados por vários dos nossos compatriotas nesta zona de Setúbal e Montijo que o Igor Khashin, que é bem conhecido como pró-russo e anti-ucraniano, estava a receber esses refugiados ucranianos”.

O presidente da Associação de Ucranianos em Portugal ressalva que “há algumas organizações que não estão ligadas a partidos [políticos]”, mas, ainda assim, “é evidente que o Partido Comunista, desde 2014, que tem uma posição muito clara anti-ucraniana e de apoio à agressão russa”.

Sobre a fotocópia de passaportes e certidões de crianças, Pavlo alertou que estas organizações “podem facilmente recolher uma informação estratégica e vital dos ucranianos e colocam em perigo a vida dos familiares destes cidadãos que chegaram da Ucrânia”.

País

Mais País

Patrocinados