Míssil capaz de destruir França, jogos florais e um louco. “Até ao dia da nova Hiroshima, desta vez na Europa”, Agostinho Costa

28 abr, 00:47

O major-general Agostinho Costa reconhece que as duas novas armas testadas pela Rússia alteram por completo o panorama entre o Ocidente e Moscovo. O especialista em atividades militares lembra que ambas as tecnologias são indetetáveis e que uma é um míssil intercontinental capaz de atingir os EUA – sem ser detetado -, destruir França e com várias ogivas nucleares 50 vezes mais potentes do que a bomba lançada no Japão durante a Segunda Grande Guerra.

Agostinho Costa lembra que o planeta tem estado dominado por “jogos florais” entre o Ocidente e a Rússia até ao dia em que “acordamos com uma nova Hiroshima, desta vez na Europa”.

 “À noite vamos para o conforto das nossas camas, até ao dia em que despertamos com uma ogiva nuclear a rebentar na Europa”, alerta o major-general Agostinho Costa.

Comentadores

Mais Comentadores

Patrocinados