Mil civis escondidos em metalúrgica Azovstal em Mariupol

19 abr, 20:07

Estes soldados, da Chechénia, têm assumido um papel decisivo nos combates sangrentos de Mariupol.

Kadirov, o presidente checheno e apontado como particularmente sádico, tem exortado os seus homens a perseguir e exterminar todos os "nazis", como se referem aos voluntários do batalhão Azov.

São estes os últimos resistentes de Mariupol, ao lado de alguns fuzileiros ucranianos. No entanto, além de militares, haverá cerca de mil civis refugiados no complexo metalúrgico da Azovstal.

Europa

Mais Europa

Patrocinados