Caso Miguel Alves: projetos usados por secretário de Estado para justificar pagamento adiantado não saíram do papel

9 nov, 14:39

É mais um episódio mal explicado no caso do secretário adjunto do primeiro-ministro. De acordo com o jornal Público, os projetos usados por Miguel Alves para justificar o adiantamento de 300 mil euros ao promotor da obra para construir o centro de exposições em Caminha acabaram não saíram do papel.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados