“Ao atuar em excesso brutal de legítima defesa, Israel não está a defender-se, está a massacrar um território”

13 fev, 11:58

José Alberto Azeredo Lopes considera que, e passados quatro meses de conflito, a questão é que “Israel se serviu da condição de vítima”, que considera “legítima”, e que esta passou a ser “manipulada e aproveitada para fins que não têm rigorosamente nada a ver com a defesa de Israel”.

“Israel, ao atuar em excesso brutal de legítima defesa, o que está a fazer não é defender-se, está a massacrar um território, está a massacrar a população de um território e aproveitar para eliminar e varrer tudo o que possa ser um obstáculo futuro”, defende o comentador da CNN Portugal.

Comentadores

Mais Comentadores

Mais Vistos

Patrocinados