“Anjos e Demónios”: como a Victoria's Secret passou das modelos hipersexuais a afogar-se num tsunami

CNN , Leah Dolan
17 jul, 15:00
Victoria's Secret Anjos e Demónios, documentário. Créditos: Hulo

Novo documentário explora a mudança cultural que pôs de joelhos a Victoria's Secret. Incluindo uma cultura de misoginia e ligações perturbadoras entre a marca e Jeffrey Epstein.

O fenómeno cultural que foi a Victoria's Secret pré-2020, com as suas passerelles televisionadas de lingerie e anúncios de TV eróticos, pode por ser vezes difícil de entender num mundo pós-#MeToo. O que em tempos foi uma fantasia multimilionária de feminilidade -- modelos exclusivamente esbeltas e atléticas em tangas de rendas ou soutiens de diamantes, cada uma enquadrada por um par de asas de anjos de quatro metros de altura -- rapidamente se tornou uma paródia tão desajeitada que é difícil imaginar que alguma vez tenha sido levada a sério. Mas "Victoria's Secret: Angels and Demons" [à letra, "Victoria's Secret: Anjos e Demónios", um novo documentário de Hulu, explora hoje exatamente porquê e como foi.

Realizado por Matt Tyrnauer, a série em três partes traça a ascensão e queda de uma das empresas de retalho mais bem sucedidas nos Estados Unidos e em todo o mundo, mapeando o contexto social que permitiu à marca prosperar - e a mudança cultural que a pôs de joelhos.

"O sexo como forma de empoderamento feminino era algo que estava a ser explorado nas narrativas mais populares da altura", disse Tyrnauer numa entrevista telefónica. "Então a Victoria's Secret, como outrora a conhecíamos, foi apanhada neste terramoto cultural, e basicamente afogou-se no tsunami. Isso não acontece com demasiada frequência, o que penso que fez com que valesse a pena olhar para isto".

O documentário desvenda ligações perturbadoras entre a Victoria's Secret e Jeffrey Epstein. Crédito: Hulu

Durante o final da década de 1990 e no início da década de 2000, a Victoria's Secret montou uma vaga de feminismo sexual - como feminismo de empoderamento apoiado por uma série média - desde "Sexo e a Cidade " até à campanha seminal de Calvin Klein de 1995, incluindo uns pouco vestidos Mark Wahlberg e Kate Moss.

Mas o eventual desaparecimento da megamarca – depois de anos de controvérsia - chegou ao cume em 2019, pouco depois de o chefe de marketing da Victoria's Secret, Ed Razek, dizer à Vogue que não acreditava que os "transexuais" pertencessem às passarelles da marca "porque o espectáculo é uma fantasia". A entrevista explosiva, na qual Razek também disse que não havia interesse público numa passerelle da Victoria's Secret de tamanhos grandes, provocou indignação do público e um motim entre modelos. Mas há mais na história do que uma cultura interna pobre e líderes ultrapassados.

Terramoto cultural

“Anjos e Demónios” cita uma série de erros que acabaram por levar a empresa a esmaecer, incluindo a incursão da Victoria's Secret no mercado júnior através da sua marca Pink. Utilizando a mesma abordagem hipersexual que tinha ajudado a construir a sua marca feminina, a Victoria's Secret começou a incluir segmentos da Pink no seu espetáculo principal, apresentando modelos de 20 e poucos anos vestindo roupas eróticas de raparigas de fardas de escola ou fatos com temas de doces enquanto passeavam por passarelles repletas de chupa-chupas e grandes brinquedos infantis.

"Parece tão errado quando o vemos a posteriori e, mesmo assim, eles simplesmente seguiram o seu alegre caminho", disse Tyrnauer.

Uma imagem de um dos espectáculos da marca Pink para o mercado júnior. Crédito: Hulu

Até o adolescente Justin Bieber, que na altura tinha 18 anos e já tinha acumulado dois álbuns de platina, foi contratado para atuar na pista - solidificando o apelo aos espectadores menores de idade. "Os filhos da minha irmã estavam tão excitados", diz no documentário a ex-modelo da Pink Dorothea Barth Jörgensen, que passeou ao lado de Bieber em 2012. "E eles tinham 10 e 12 anos na altura, por isso penso que eles atingiram definitivamente o alvo".

O documentário inclui entrevistas com antigos empregados e executivos, incluindo dois antigos presidentes executivos, bem como com diretores de casting e antigos Anjos - modelos que em tempos representaram a marca. Muitos refletiram sobre a marca ter uma influência proto-Instagram sobre as mulheres, que propagou padrões corporais irrealistas, bem como uma cultura desenfreada de retoques que significou que até os Anjos exaltados lutavam para se manterem à altura da fantasia.

Tyrnauer pinta um quadro de misoginia e má conduta sexual em toda a empresa; a ex-executiva Sharleen Ernest recordou a parede aparentemente impenetrável dos líderes masculinos da Victoria's Secret, incluindo Razek e o presidente Les Wexner, que ela alegava serem conhecidos por fecharem qualquer tentativa de desenvolver aquela definição restrita de marca sexy e proibiram explicitamente a sua expansão para roupa de maternidade ou modeladora.

O ex-Presidente do Conselho de Administração, Les Wexner, renunciou à marca em 2020. Crédito: Hulu

"Estávamos apenas a seguir esta visão única de bomba sexual inalcançável de como os homens veem as mulheres", disse Ernest no documentário.

A par da examinação da Victoria's Secret como marca de produção cultural, "Anjos e Demónios" também se aprofunda nas ligações da empresa com o falecido Jeffrey Epstein, o financeiro caído em desgraça e acusado em 2019 de tráfico sexual de raparigas menores de idade. De acordo com o documentário, Epstein tinha sido um parceiro de negócios próximo e amigo pessoal de Wexner e alegadamente utilizou a cache da marca para conhecer jovens mulheres sob o falso pretexto de recrutar para espetáculos e campanhas. A série inclui uma entrevista com Alicia Arden, uma mulher que disse acreditar que estava a ser entrevistada para um trabalho como modelo de catálogo da Victoria's Secret em 1997, mas que em vez disso foi agredida por Epstein num hotel na Califórnia.

O advogado de Wexner emitiu uma declaração aos cineastas dizendo que Wexner "confrontou Epstein e ficou claro que era uma violação da política da empresa sugerir que ele estava de alguma forma associado à Victoria's Secret e que Epstein estava proibido de o voltar a fazer".

Alguns antigos modelos e empregados falam de uma cultura de misoginia e má conduta sexual. Crédito: Hulu

Um renascimento? 

A história está longe de ter terminado. Em 2020, Wexner renunciou, vendendo também a sua participação maioritária na empresa. Um ano mais tarde, a Victoria's Secret anunciou a sua marca completa -- como um novo e inclusivo "VS Collective", encabeçado por mulheres como Megan Rapinoe, Eileen Gu e Paloma Elsesser. "Anjos e Demónios" explora a hipótese de se estes esforços podem desencadear uma reviravolta.

Tyrnauer teve acesso a antigas mensagens de marketing interno, bem como a e-mails da nova equipa que lidera o rebrand. "A nova empresa parece estar a correr longe na direção contrária da antiga Victoria's Secret", disse. "Eles deram-nos acesso sem precedentes ao seu arquivo".

"Não me compete ser otimista em relação a eles", disse Tyrnauer, "mas eles apresentarem-se como recém-nascidos é também uma parte interessante da história. A parte interessante é quão tarde eles chegaram a isso, porque tinham sido tão brilhantes a surfar o zeitgeist e a explorar as principais tendências culturais para ganhar biliões de dólares durante anos".

Moda

Mais Moda

Na SELFIE

Patrocinados