Viagens de vingança: como os turistas estão a "vingar-se" de tanto tempo sem viajar

CNN , Lilit Marcus
23 mai, 18:25
1.	Praia de Varadero: A praia de Varadero em Cuba tem areia branca, palmeiras e um ambiente tropical.

À medida os países vão reabrindo as fronteiras aos turistas ansiosos, surgiu nas redes sociais uma nova frase da moda: viagens de vingança.

O termo tem sido usado para descrever viagens tão variadas como reuniões familiares, grandes férias ostensivas e voltar a lugares favoritos, o que leva a uma pergunta: então, o que é?

"Vingança" geralmente tem uma conotação negativa, o que contradiz o sentimento alegre e animado que tantas pessoas têm sobre fazer as suas primeiras férias em mais de dois anos.

Mas a ideia de "viagem de vingança" parece ser mais sobre adorar viajar do que esperar por um destino específico para se redimir. A não ser que a Roménia lhe tenha roubado a namorada ou o Peru o tenha levado a ser despedido, parece estranho vingarmo-nos de um lugar.

Talvez "viagem de vingança" possa ser interpretada como vingança contra a pandemia, ou contra a própria Covid.

Não. A sério. Qual é a ideia?

"A viagem de vingança é um chavão mediático que teve origem em 2021, quando o mundo começou a reabrir, e as pessoas decidiram compensar o tempo perdido", diz Erika Richter, vice-presidente da American Society of Travel Advisors (ASTA).

Parte do problema é que não há uma boa maneira de descrever o estado de espírito atual das viagens pelo mundo. "Viagem pós-pandemia" não é muito correto, uma vez que a pandemia não acabou em muitos lugares. Diferentes países e regiões estão a funcionar com diferentes prazos, com alguns a eliminar todas as barreiras à entrada, enquanto outros permanecem estritamente controlados ou mesmo fechados a visitantes estrangeiros.

Richter concorda com o sentimento geral por trás do conceito, mesmo que não use o termo "viagem de vingança".

"É outra forma de dizer: ‘A vida é curta. Quero reservar aquela viagem. Quero passar mais tempo com a família. Quero ligar-me à humanidade e à natureza. Quero explorar o mundo e procurar experiências que me façam sentir vivo.’"

Ela não é a única na indústria do turismo que luta para descobrir como falar de "viagens de vingança" como uma tendência.

"Não acho que o prefixo 'vingança' seja apropriado para o que deve ser a viagem", Rory Boland, editor da revista Which?, conta à CNN Travel. Ele diz que "viagem de vingança" é um "termo feio".

No entanto, reconhece que a frase teve impacto nas pessoas.

"O que está a tentar captar, penso eu, é o desejo que muitas pessoas têm de viajar novamente, de ver novos lugares e conhecer pessoas novas, após um período que se revelou estático e deprimente."

As pessoas que estão a fazê-la

Quer usem ou não o termo "viagem de vingança", muitos viajantes relatam que estão a fazer a sua primeira grande viagem desde o início da pandemia.

Deborah Campagnaro, que vive na Colúmbia Britânica, no Canadá, é uma dessas viajantes.

Reformou-se do emprego de mais de 30 anos em serviços de investimento durante a pandemia e ansiava por passar umas grandes férias comemorativas com o marido. O casal fez uma viagem em grupo ao Nepal em 2016, para percorrer o Circuito de Annapurna, uma caminhada desafiante por alguns dos picos mais altos do país.

Gostaram tanto da viagem que planeavam regressar ao Nepal, desta vez num itinerário personalizado. Encerramentos relacionados com a pandemia e dificuldades meteorológicas fizeram com que tivessem de adiar várias vezes. Finalmente, confirmaram bilhetes e reservas para setembro de 2022.

Campagnaro e seu marido vão desfrutar de tempo e experiências adicionais, em vez de ficarem em resorts sofisticados. Ficarão no Nepal um mês inteiro e acrescentaram alguns dias na cidade de Pokhara, junto ao lago, como mimo.

"Isso não teria acontecido antes", diz sobre a viagem secundária. "Só estamos a fazê-lo agora porque podemos. É muito, muito bom ter algum tempo de descanso lá, depois de uma caminhada.”

Brittney Darcy, residente em Rhode Island, também está ansiosa por uma viagem que foi interrompida pela pandemia.

A jovem de 26 anos sonha ir a Paris desde menina, quando viu o seu filme preferido, "Sabrina". Mas a viagem planeada para o verão de 2020 com o namorado foi cancelada quando surgiu a covid.

Agora, ela remarcou finalmente as suas férias de sonho, mas com mais paragens e algumas melhorias. Em vez de cinco dias em Paris, passará duas semanas no estrangeiro em França e Itália.

"Fiz uma viagem pelo país durante a Covid, mas não foi suficiente e sempre quis ir a Paris e Itália e nunca fui. Somos jovens e porque não?", disse à CNN.

O dinheiro que ela poupou por não viajar durante dois anos está agora a ser aplicado em algumas melhorias de férias. Em vez de fazerem escala na Islândia ou na Irlanda, Darcy e o namorado pagaram mais por um voo direto de Boston.

Darcy admite que nunca ouviu o termo "viagem de vingança", mas assim que o ouviu, achou-o perfeito para designar a sua viagem à Europa.

"A covid tornou-me menos frugal. Só vivemos uma vez, por isso, mais vale gastar o meu dinheiro em experiências."

Compensar o tempo perdido

Uma coisa é certa: à medida que as vacinas saem e as portas se reabrem, em todo o mundo as pessoas estão ansiosas por voltar à estrada.

A agência de viagens Expedia rastreia dados de pesquisa online relacionados com viagens e turismo. Em 2021, o maior aumento do tráfego médio de procura de viagens – 10% – foi em maio, uma semana depois de a União Europeia ter votado a favor da prorrogação do seu contrato com a Pfizer e de aprovar a vacina para uso em adolescentes.

O inquérito da Expedia concluiu que 60% dos consumidores tinham planos para viajar internamente e 27% para viajar internacionalmente em 2022.

E muitos destes viajantes estão dispostos a gastar mais dinheiro em férias do que no passado.

Cerca de dois anos em casa significou que algumas pessoas pouparam dinheiro e agora podem esbanjar num hotel mais chique, num bilhete de avião em primeira classe ou numa experiência dispendiosa única na vida.

Além disso, cada vez mais empresas mudaram permanentemente as suas políticas de teletrabalho pós-pandemia.

Um inquérito da Pew publicado em fevereiro mostrou que 60% dos trabalhadores com empregos que podem ser feitos a partir de casa disseram que gostariam de trabalhar a partir de casa, na maior parte do tempo, quando a pandemia terminasse, se lhes fosse dado a escolher.

Para algumas pessoas, trabalhar a partir de casa não significa necessariamente a partir de casa – pode significar experimentar um Airbnb noutro país e passar várias semanas lá conjugando trabalho e viagens.

Alguns destinos estão a apelar abertamente a teletrabalhadores. Ilhas das Caraíbas, como Barbados e Anguilla, ofereceram vistos especificamente para teletrabalhadores ou "nómadas digitais" como forma de impulsionar o turismo.

Então, chame-lhe "viagem de vingança" ou não. De qualquer forma, é evidente que as pessoas mudaram a sua mentalidade para viajar desde o início da pandemia, e aquela sensação de "oh, finalmente!" tem muito poder para vender bilhetes de avião e pacotes de hotéis.

Uma das pessoas que participam na tendência é Christie Hudson, chefe de relações públicas da Expedia, que trabalhou no inquérito de viagem da empresa.

"Honestamente, não fiquei muito surpreendida [com os resultados da sondagem] simplesmente porque as conclusões identificaram-se fortemente com a forma como me sinto pessoalmente", diz. "Durante a minha última escapadela de fim de semana, fiz várias marcações em spas e alterei os nossos voos para primeira classe. Senti que merecia.”

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados