Para onde viajar em 2023? Estes são melhores 23 destinos para visitar segundo os especialistas

CNN , Equipa da editoria de viagens da CNN
7 jan, 11:00

Conheça um guia de férias para todos os continentes. Há sugestões para todos os gostos

O novo ano traz novas perspetivas. Aplique esta fórmula livremente ao seu planeamento de viagens para 2023.

Após quase três anos de interrupções e complicações de viagens, muitos países abandonaram a maior parte das suas restrições pandémicas. As pessoas estão a viajar em grande número, e há muita procura acumulada que tem de se espalhar pelo mundo.

O turismo internacional deveria atingir 65% dos níveis pré-pandémicos até ao final de 2022, segundo a Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas, tendo algumas áreas atingido recentemente níveis mais próximos de 80% ou 90% das suas chegadas de 2019. E os peritos estão cautelosamente otimistas quanto a uma recuperação contínua das viagens.

Muitos viajantes estão a regressar com toda a força às viagens neste novo ano - com boas razões.

Para começar, aqui ficam 23 ideias de destino sugeridas pela CNN Travel:

Polónia

Polónia: A manifestação de solidariedade com o país vizinho, a Ucrânia, é um motivo de visita. Cracóvia histórica, aqui fotografada, Varsóvia e as florestas, lagos e montanhas do campo são outras boas razões para explorar a Polónia.  (Sergii Figurnyi/Adobe Stock)

Poderíamos enumerar novas inaugurações na Polónia - como o Hotel Verte, a nova propriedade da Autograph Collection em Varsóvia, que abriu as suas portas douradas (fica num humilde palácio barroco) em agosto. Mas a razão pela qual deve visitar a Polónia em 2023 não é a oportunidade de ficar num lugar apto para a realeza. É para mostrar solidariedade para com um país que, por sua vez, mostrou solidariedade para com o povo da Ucrânia.

A Polónia, que partilha uma fronteira de mais de 482 quilómetros com um país sob ataque, acolheu mais refugiados ucranianos do que qualquer outro país. Acrescente-se a isso o número de turistas em queda (embora estejam de novo em ascensão), e a situação fica complicada.

Por isso, quer se prefira aquele palácio de Varsóvia, uma cidade ao gosto de Cracóvia, Gdansk, Wrocław ou Poznań - todos a centenas de quilómetros da fronteira ucraniana - ou afastar-se de tudo isto nas florestas, lagos e montanhas do campo -- agora é a sua oportunidade para fazer uma boa ação neste local, tirando lá umas férias.

Sugestão de Julia Buckley

Austrália Ocidental

Austrália Ocidental: A 20 de abril de 2023, um eclipse solar total será visível sobre a borda noroeste da Austrália. A cidade de Exmouth e a grande Península de Ningaloo têm grandes planos para o evento. (Sellwell/Moment RF/Getty Images)

 

A 20 de abril de 2023, um eclipse solar total será visível sobre a margem noroeste da Austrália.

Para um evento que durará provavelmente cerca de um minuto, a cidade de Exmouth e a grande Península de Ningaloo, na qual se situa, têm estado a criar um plano há mais de um ano. Haverá plataformas de observação ao ar livre onde os espetadores poderão observar com segurança o milagre solar (com óculos de proteção, claro), bem como apresentações musicais, oportunidades educacionais para aprender sobre ciência e astronomia, e um Dark Sky Festival de três dias.

Mas o estado da Austrália Ocidental oferece muito mais do que cerca de 60 segundos de espetáculo.

Abrangendo um terço de todo o continente da Austrália, esta zona estende-se desde a movimentada e emergente capital do estado de Perth através dos desertos, incluindo o Grande Deserto de Vitória e Grande Deserto Arenoso, até ao país vinícola Margaret River, os incríveis penhascos de Kimberley e a ilha de Rottnest com quokkas por todo o lado.

Sugestão de Lilit Marcus

Liverpool, Inglaterra

Liverpool, Inglaterra: A cidade portuária inglesa de Liverpool, mais conhecida em todo o mundo como o berço dos Beatles, está a acrescentar mais um capítulo ao seu legado musical. Em maio, será a cidade anfitriã do concurso Eurovisão 2023. (alpegor/Adobe Stock)

A cidade portuária inglesa de Liverpool, mais conhecida em todo o mundo como o local de nascimento dos Beatles, está a acrescentar mais um capítulo ao seu legado musical.

Em maio, será a cidade anfitriã da Eurovisão 2023, a extravagância de canções que traz um afluxo de milhares de fãs que agitam bandeiras de todo o continente. É uma oportunidade para a cidade se recuperar após a ignomínia de ter sido despojada do seu estatuto de Património Mundial da UNESCO em 2021.

Em junho, a cidade celebrará 25 anos do festival de artes visuais contemporâneas da Bienal de Liverpool, à medida que mais de 30 artistas e conjuntos internacionais ocuparão espaços na cidade até setembro.

Inglaterra assinala também o Ano da Costa em 2023, com festivais gastronómicos e limpezas de praias ao longo das costas do país. A apenas meia hora de comboio do centro da cidade de Liverpool, Crosby Beach é a casa permanente de “Another Place” do escultor Antony Gormley, onde 100 figuras de ferro fundido se destacam de frente para o mar.

Sugestão de Maureen O'Hare

Charleston, Carolina do Sul

Charleston, Carolina do Sul: Charleston encobriu, muitas vezes, a história que teve com os seus residentes Negros. Tem vindo a tomar medidas para corrigir esta atitude. Espera-se que o Museu Internacional Afro-Americano inaugure em meados de 2023. (Sean Pavone/Adobe Stock)

Charleston exibe o seu passado como nenhuma outra cidade dos EUA, mas muitas vezes ignorando a história dos seus residentes negros. Tem vindo a tomar medidas para corrigir esta atitude.

Entre no Museu Internacional Afro-Americano, que promete fazer um anúncio de abertura “em breve” para 2023, após ter adiado a data de abertura em janeiro. O museu será instalado na costa do rio Cooper, no local onde muitos africanos pisaram pela primeira vez a América do Norte. Irá conhecer a vida dos escravos e dos seus descendentes.

No final de maio e início de junho os visitantes poderão desfrutar do mundialmente conhecido Festival Spoleto, com ópera, teatro, dança, atuações musicais e palestras de artistas. E os gastronómicos deverão marcar os dias de 1 a 5 de março no calendário do Festival de Charleston Wine and Food e provar os favoritos de Lowcountry.

Não pode ir ao festival? Não é por isso que vai deixar de comer bem. Para os apreciadores da comida do Sul, experimente o Magnolias. Inaugurado em 1990, ajudou a promover a renascimento culinário da cidade. Para algo informal, experimente Bertha's Kitchen a norte de Charleston, onde é conhecido o arroz vermelho com salsicha, o frango frito e o feijão de lima. O restaurante chamou até a atenção do autor de “Roadfood”, Michael Stern.

Sugestão de Forrest Brown

Vilnius, Lituânia

Vilnius, Lituânia: A capital da Lituânia celebra o seu 700º aniversário a 25 de janeiro de 2023. Todo o centro da cidade é um Património Mundial da UNESCO. (MNStudio/iStockphoto/Getty Images)

A modesta Vilnius admitiu numa campanha publicitária deste ano que ninguém sabe realmente onde fica esta cidade. Se o seu brilhante vídeo não lhe fez querer reservar uma viagem imediatamente, talvez isto o faça: a capital da Lituânia celebra o seu 700º aniversário a 25 de janeiro de 2023.

Para festejar a ocasião, há um programa com a duração de um ano, incluindo festivais de música e exposições. Mas use o aniversário como um incentivo para visitar a cidade, em vez de seguir um programa religiosamente.

Todo o centro da cidade é um Património Mundial da UNESCO - colocando-o lado a lado com as outras cidades-V, Veneza e Viena. Vilnius faz parte da lista graças aos seus edifícios góticos, renascentistas e barrocos, todos situados numa planta de rua medieval, mas é mais conhecida pela sua arquitetura barroca.

Não se esqueça da torre vistosa com sinos da igreja de S. João (pode subir ao seu topo para uma vista panorâmica da cidade) ou a igreja de S. Casimiro, com uma coroa gigante por cima. Tem olho para as redes sociais? Esta é a única capital da Europa que permite que balões de ar quente atravessem a linha do horizonte da cidade.

Sugestão de Julia Buckley

Fiji

Fiji: Águas azuis brilhantes, recifes de coral de grande expansão, e centenas de ilhas pacíficas: As Fiji não são difíceis de vender. E as multidões turísticas ainda não regressaram em grande força ao paraíso do Pacífico Sul. 8Martin Valigursky/Adobe Stock)

Águas azuis brilhantes, recifes de coral de grande expansão e centenas de ilhas pacíficas: as Fiji não são difíceis de vender. Mas porquê viajar até às ilhas em 2023? Antes de mais, o país só reabriu pós-Covid no final de 2021, o que significa que o número de visitantes do paraíso do Pacífico Sul ainda não voltou em força.

Apesar de o país ser conhecido pela sua beleza subaquática, aproveite também a oportunidade para explorar os seus tesouros em terra. O único local do país classificado como Património Mundial pela UNESCO é a cidade de Levuka, uma antiga capital e um importante porto, que está repleto de edifícios da era colonial britânica no meio de coqueiros e mangueiras.

Para saber mais sobre as comunidades indígenas locais, os viajantes podem participar numa cerimónia kava de boas-vindas - nome dado à bebida tradicional no centro da cerimónia - ou desfrutar de uma lovo, uma refeição cozinhada nas brasas num buraco subterrâneo coberto de folhas de bananeira.

A Fiji Airways tem agora voos diretos de Los Angeles e São Francisco, tornando relativamente fácil o acesso às ilhas. Como dizem na Fiji Airways, bula!

Sugestão de Lilit Marcus

Manaus, Brasil

Manaus, Brasil: A ópera em Manaus, Teatro Amazonas, data de 1896. Conjugue uma visita à cidade com uma fuga de eco-lodge na floresta amazónica. (Dukas Presseagentur/Alamy Stock Photo)

À medida que o destino da floresta tropical amazónica paira na balança, dois eco-lodges à volta de Manaus - a capital do estado do Amazonas do Brasil, e a porta de entrada do rio - utilizaram a sua pausa pandémica para se tornarem ainda mais amigos do ambiente.

Juma Amazon Lodge, a cerca de 80 quilómetros a sul da cidade, é agora totalmente alimentada por uma nova central solar de 400.000 dólares, cujos 268 painéis duplos oscilam a quase 40 pés no ar acima da copa das árvores (o que significa que nenhuma árvore teve de ser cortada). Também construíram um sistema de biogás para aumentar a eficiência do tratamento de resíduos orgânicos, reduzindo as emissões anuais de carbono em oito toneladas.

Entretanto, o Anavilhanas Jungle Lodge, a noroeste de Manaus no Rio Negro, abriu uma “base avançada” fora da rede durante a pandemia que fica a 48 quilómetros do lodge principal e acessível apenas via rio.

Os hóspedes podem fazer longas caminhadas na selva através do território-casa de onças-pintadas, pumas e tatus gigantes naquela que é uma das instalações hoteleiras mais remotas da região amazónica, passando depois a tarde a descansar numa rede ou junto à piscina. Para 2023, o lodge está a planear criar a oportunidade de pequenos grupos pernoitarem numa tenda à beira de um riacho.

Não deixe também de visitar Manaus -- comer um peixe enorme amazonense junto ao edifício rosa de ópera de 1896 é uma experiência a colocar na sua lista.

Sugestão de Julia Buckley

Tessalónica, Grécia

Tessalónica, Grécia: A Torre Branca é um marco em Tessalónica, onde a vibrante gastronomia e os planos para um novo metropolitano estão a elevar o perfil da cidade. (Panos Karapanagiotis/iStockphoto/Getty Images)

Não faltam razões para visitar a segunda cidade da Grécia, com uma gastronomia local aprovada pela UNESCO, que recentemente celebrou a remodelação e reabertura do seu centenário mercado de comida Modiano.

Junte-se a isto uma popular orla marítima e proximidade a belas praias e montanhas interiores, e Tessalónica é certamente uma candidata a um dos melhores destinos da Europa para fazer uma pausa das cidades.

O que poderia torná-lo ainda melhor? Que tal um sistema de metro novinho em folha? Tudo bem, em novembro de 2023 poderemos assistir à abertura da linha principal de um megaprojeto que irá eventualmente ligar o centro da cidade ao seu aeroporto internacional. Os comboios sem condutor irão transportar passageiros através de túneis cuja escavação foi acrescentada ao já rico catálogo de descobertas arqueológicas de Tessalónica, muitos dos quais estarão expostos em estações museológicas especialmente criadas para o efeito.

Sugestão de Barry Neild

Ruanda

Janeiro de 2023 assiste à abertura oficial do hotel mais entusiasmante de sempre do Ruanda: Sextantio Ruanda, uma coleção de cabanas tradicionalmente construídas numa ilha no Lago Kivu, um dos maiores lagos de África.

É o primeiro projeto fora de Itália de Daniele Kihlgren, cujos projetos são metade hotel, metade história, e mantêm viva a tradição local. Uma organização sem fins lucrativos que entrega o que recebe diretamente às comunidades locais, Sextantio poderá ter os seus hóspedes a pescar no lago de 2.589 quilómetros quadrados, a remar em canoas abertas, a experimentar cerveja de banana local e a observar a vida selvagem - e não apenas as galinhas, vacas, porcos e cabras que andam à volta da propriedade.

É claro que vai querer ver gorilas. Junto ao Parque Nacional dos Vulcões, o Dian Fossey Gorilla Fund abriu o Campus Ellen DeGeneres de 4.500 metros quadrados em 2022. O seu centro de visitantes inclui exposições, “encontros” de realidade virtual com gorilas e trilhos na natureza.

No Parque Nacional de Akagera, os rinocerontes brancos - transferidos da África do Sul em 2021 para ajudar à conservação - já estão a ter crias. O acesso também está mais fácil. Uma nova rota de Londres junta-se a Bruxelas, Dubai, Guangzhou e Mumbai como os únicos voos diretos para Kigali a partir de fora do continente africano.

Sugestão de Julia Buckley

Gotemburgo, Suécia

Eleita o destino mais sustentável do mundo durante seis anos consecutivos, a segunda maior cidade da Suécia está finalmente a emergir da sombra de Estocolmo.

Outrora uma importante cidade comercial e marítima, Gotemburgo é agora considerada um dos destinos mais verdes da Europa, com 274 metros quadrados de espaço verde por cidadão, ao passo que 95% dos seus hotéis são certificados como amigos do ambiente.

Embora Gotemburgo tenha oficialmente feito 400 anos em 2021, fez-se uma pausa nas celebrações por causa da pandemia. Mas irão finalmente ter lugar em 2023, por isso é uma ótima altura para visitar.

O rei sueco Carl XVI Gustav, que celebra 50 anos no trono este ano, estará na cidade a 4 de junho, aniversário oficial de Gotemburgo, e o principal festival de aniversário da cidade está a ser realizado no distrito portuário de Frihamnen de 2 a 5 de junho, com concertos e eventos artísticos a ocorrer entre as várias atividades oferecidas.

As festividades continuarão durante todo o verão até ao início da Maratona de Göteborgsvarvet a 3 de setembro, uma nova corrida de 42 quilómetros no seguimento da popular meia-maratona da cidade, que terá lugar a 13 de maio.

Sugestão de Tamara Hardingham-Gill

Ras al-Khaimah, Emirados Árabes Unidos

Ras al-Khaimah, Emirados Árabes Unidos: O Forte Dhayah é um dos principais locais históricos deste emirado. Ras al-Khaimah também tem muito a oferecer aos amantes da natureza e da aventura. (creativefamily/Adobe Stock)

Quando os viajantes pensam nos Emirados Árabes Unidos (EAU), o deslumbrante horizonte do Dubai é normalmente o que imaginam.

Mas os EAU também têm muito a oferecer aos amantes da natureza - particularmente ao emirado mais setentrional, Ras al-Khaimah, que pretende tornar-se o destino mais sustentável do Médio Oriente até 2025 graças a uma nova estratégia de “Turismo Equilibrado”.

A apenas 45 minutos do Dubai, é frequentemente designado de “Emirado da aventura”, e com razão. Oferece praias, desertos e montanhas, e são muitas as atrações ao ar livre, tais como sand boarding, trekking, wakeboard, para-quedismo, mergulho e até mesmo a zipline mais longa do mundo.

Mas não é só a adrenalina que está em causa. Ras Al Khaimah é onde se situa o restaurante mais alto dos Emirados Árabes Unidos, 1484 by Puro, nas montanhas Jebel Jais do emirado. Os que procuram cultura podem dirigir-se para o histórico Forte Dhayah, que data da Idade do Bronze (1600-1300 a.C.).

Onde ficar? A luxuosa marca de hotéis Anantara está a abrir um fabuloso resort em 2023 que oferecerá 174 quartos, suites e villas em cima de água, bem como restaurantes especializados e um spa.

Sugestão de Karla Cripps

Laos

Laos: O espetacular Kuang Si Falls a sul de Luang Prabang é um dos locais deslumbrantes de Laos. Uma nova linha férrea de alta velocidade torna mais fácil a deslocação pelo país a um ritmo mais rápido. (Sasipa Muennuch/Moment RF/Getty Images)

Partilhando fronteiras com a Tailândia, Camboja, Vietname, China e Myanmar, Laos, que está cercado, há muito que tem sido um ponto obrigatório para viajantes com muito tempo disponível para percorrer o circuito do Sudeste Asiático.

Mas agora, graças à abertura de um caminho-de-ferro de semi-alta velocidade em 2021, é mais fácil do que nunca percorrer o país a um ritmo mais rápido, reduzindo as horas de viagem que antes levavam dias inteiros a percorrer.

Terá, ainda assim, de fazer algumas escolhas difíceis - há muito para ver em Laos.

Os picos de Carste esperam os visitantes aventureiros de Vang Vieng, ao passo que Luang Prabang, listado pela UNESCO, está repleto de património franco-colonial, ritual budista e beleza natural. (Os amantes do luxo vão querer ficar no Luang Prabang de Rosewood, com as suas elegantes tendas no topo da colina).

A misteriosa Planície dos Jarros, um local arqueológico megalítico, pode ser encontrada no Planalto de Xiangkhoang. Para uma experiência única na vida que faz a diferença, dirija-se à Província de Bokeo e junte-se a uma das caminhadas noturnas da Experiência Gibbon. Os hóspedes deste projeto de conservação baseado no turismo passam a noite nos locais mais altos do mundo - apenas acessíveis por zipline - entre gibões selvagens, de crista negra.

Sugestão de Karla Cripps

Gruyères, Suíça

Colinas onduladas, edifícios medievais - e o melhor queijo do mundo oficialmente coroado. Bem-vindo a Gruyères, na Suíça.

Para onde quer que se olhe nesta minúscula cidade, no topo de uma colina, há uma vista perfeita - desde a praça do mercado medieval até ao castelo de torres do século XIII. Fica a uma viagem de um dia a partir de Genebra, e o verão promete muitas oportunidades para fazer caminhadas, já o inverno permite aventurar-se na estância de esqui vizinha, Moléson-sur-Gruyères.

Para saborear o conhecido queijo de Gruyères, deve parar no Chalet de Gruyères, todo em madeirinha. E para saber como os queijeiros aperfeiçoam esta nata, dirija-se à fábrica La Maison du Gruyère. Para mais delícias alimentares, tem a fábrica de chocolate Maison Cailler - por fora parece algo de um filme de Wes Anderson, por dentro oferece um vislumbre dos segredos do fabrico do chocolate suíço.

Gruyères é também a casa do surreal HR Gigre Museum, celebrando o trabalho do aclamado artista suíço por detrás do extraterrestre epónimo no filme “Alien” de 1979. Uma bebida no bar do museu, concebida por Giger numa estética esquelética misteriosa, oferece um antídoto ao ambiente de contos de fadas de Gruyères.

Sugestão de Francesca Street

Minneapolis, Minnesota

Um restaurante indígena moderno em Minneapolis ganhou uma das maiores honras culinárias do mundo, e não é o único a dar relevância às comunidades nativas da região.

Em Owamni, houve um vencedor do James Beard Award para o melhor novo restaurante, com ingredientes indígenas - truta, bisão, batata-doce e mais – que compõem menus “descolonizados” onde não se encontram ingredientes como farinha de trigo e carne de vaca. O restaurante é uma parceria entre o chefe Sean Sherman, Oglala Lakota e Dana Thompson, que é descendente linear das tribos Wahpeton-Sisseton e Mdewakanton Dakota.

Uma das iniciativas da comunidade deste trio, o Indigenous Food Lab, está a planear abrir um mercado em fevereiro no Midtown Global Market de Minneapolis, um antigo edifício da Sears, a representar mais de 22 culturas.

O mercado ao ar livre Four Sisters Farmers Market (quintas-feiras de junho a outubro) também se foca nos produtos indígenas. E no Centro de História do Minnesota, local vizinho St. Paul, a exposição “Our Home: Native Minnesota” analisa milhares de anos de história indígena no estado.

Sugestão de Marnie Hunter

Bogotá, Colômbia

Bogotá, Colômbia: O histórico bairro de La Candelaria, na capital da Colômbia, faz parte do que faz de Bogotá um poço de cultura e culinária de grande qualidade.  (Toniflap/Adobe Stock)

Destinos da costa das Caraíbas, como o arquipélago do Rosário ou a cidade de Cartagena, património da UNESCO, estão no topo da maioria das listas de desejos de viagem na Colômbia, mas a sua capital, Bogotá, que quase passa despercebida, também é merecedora de um olhar mais atento.

Sim, é um território urbano desordenado, mas é também berço de cultura e cozinha de qualidade. Há excursões que traçam a transformação de cidade do oeste selvagem do graffiti para uma incrível galeria de arte de rua.

Igualmente coloridos são os restaurantes que aproveitam ao máximo a diversificada despensa natural da Colômbia em menus que vão desde os deliciosos pratos camponeses até à gastronomia de nível Michelin. E depois há o café!

O trânsito (exceto em dias regulares em que só se anda de bicicleta) diminui rapidamente na sua periferia, permitindo passeios de um dia para ver tesouros históricos e modernos. Os itinerários incluem o Lago Guatavita, onde os conquistadores outrora saqueavam ofertas de ouro afundado deixadas pelo povo indígena Muisca, ou a majestosa catedral subterrânea de sal Zipaquirá.

Sugestão de Barry Neild

Mustang Valley, Nepal

Famoso pelas suas caminhadas nas montanhas através de trilhos antigos que em tempos facilitaram o comércio entre os Himalaias e a Índia, o deslumbrante Vale de Mustang, no Nepal, fica à entrada do Tibete.

Irá ouvir muito mais sobre este destino remoto nos próximos meses, graças à chegada do Shinta Mani Mustang, que vai abrir em breve. Parte da Coleção Bensley, este resort com tudo incluído situado acima da pequena cidade de Jomsom, em Lower Mustang, oferecerá a quem procura luxo 29 suites inspiradas em casas tradicionais tibetanas.

Além do trekking, os visitantes de Mustang podem explorar aldeias antigas e mosteiros budistas. Também a não perder são as Grutas Mustang, construídas pelo homem, situam-se acima do rio Gandaki e estão repletas de esculturas e pinturas budistas com 2.000 anos.

Chegar ao Vale de Mustang faz parte da aventura. Os viajantes terão de apanhar um voo de 25 minutos da capital Kathmandu para Pokhara e depois apanhar outro avião para a viagem de 20 minutos até Jomsom. As vistas, só por si, podem fazer com que esta opção seja, para certas pessoas, mais agradável do que a alternativa - uma viagem de 12 horas de Katmandu.

Sugestão de Karla Cripps

Tanzânia

Desde a espetacular vida selvagem até aos belos parques e praias nacionais, a Tanzânia está absolutamente a transbordar de esplendor visual.

O país da África Oriental possui uma lista aparentemente interminável de paisagens incríveis, com o Monte Kilimanjaro, a montanha mais alta de África, o Parque Nacional Serengeti, património mundial da UNESCO, e o Arquipélago de Zanzibar, entre os seus mais variados destaques.

Este ano, a companhia aérea Air Tanzania lançará novas rotas para a África Ocidental e Central, juntamente com o Reino Unido, numa tentativa de transformar o maior aeroporto do país em Dar es Salaam num centro de transporte e logística, estando também previsto o início da construção da primeira autoestrada com portagem do país.

Entretanto, a marca Delta Hotels by Marriott fará a sua estreia em África com a abertura da sua propriedade Oyster Bay em Dar es Salaam no final deste ano.

Sugestão de Tamara Hardingham-Gill

Cairo, Egipto

Cairo, Egito: A cidade movimentada de Cairo está repleta de história e cultura. Espera-se que o Grande Museu Egípcio abra em 2023 para mostrar uma vasta coleção de tesouros antigos do país. (Izzet Keribar/Stone RF/Getty Images)

Poderá este ser finalmente o ano em que os turistas poderão ver o Grande Museu Egípcio? Após o atraso, o museu está a afuardar data para ser inaugurado em 2023.

O GEM será o maior museu dedicado a uma única civilização, custando cerca de mil milhões de dólares e possuindo toda a coleção do Rei Tut.

Se chegar a Cairo antes da sua abertura, o Museu Egípcio na Praça Tahrir ainda pode satisfazer os seus desejos de antiguidade.

Sendo as Pirâmides de Gizé a tour-de-force da cidade, ainda há mais para ver. Comece pelo Cairo islâmico. Esta área tem uma das maiores coleções de arquitetura islâmica histórica do mundo. Enquanto lá estiver, visite a mesquita de Al-Azhar, que remonta a 970.

A cidade tem também uma rica tradição cristã. Cairo copta, parte da Cairo Antiga, tem uma concentração de locais cristãos que datam antes da chegada do Islão.

Se precisar de uma pausa da cacofonia de Cairo, o Parque Al Azhar tem uma bela extensão de vegetação e um desenho inspirado nos jardins históricos islâmicos. E o rico bairro de Zamalek, que fica numa ilha no rio Nilo, tem restaurantes, lojas de antiguidades e hotéis elegantes.

Sugestão de Forrest Brown

Naoshima, Japão

Yayoi Kusama tem a distinção de ser a artista viva que mais vendeu no planeta. Ela tornou-se particularmente conhecida e um ícone global com as suas esculturas de abóboras gigantes, uma das quais foi reinstalada no cais de Naoshima, uma das “ilhas de arte” do Japão, em 2022, após ter sido varrida pelo mar no ano anterior.

No entanto, Naoshima é muito mais do que a sua famosa cabaça amarela ou as suas obras de Kusama.

Existem cinco pequenas “ilhas de arte” nas quais se pode caminhar no mar interior do Seto, que se situa entre as principais ilhas de Honshu, Kyushu e Shikoku, no sudeste do Japão. A maior coleção de coisas para ver – já para não dizer o único hotel - fica em Naoshima. Em conjunto, os cinco campeões da arte moderna e contemporânea, com ênfase nos artistas japoneses.

Não espere caligrafia e outras formas clássicas de arte. Em vez disso, observe os enormes monólitos de pedra de Tadao Ando, uma pequena galeria onde os visitantes não ouvem nada para além de batidas de corações humanos, uma tempestade improvisada criada dentro de uma casa de madeira e uma exposição na qual saltar e tomar banho é suposto fazer parte da experiência artística.

Sugestão de Lilit Marcus

Belize

Com voos diretos para Belize a partir de cerca de uma dúzia de aeroportos norte-americanos, este país da América Central fica a um pulinho de distância para muitos viajantes durante a época alta de novembro a abril.

A maioria dos visitantes dirige-se diretamente para a costa das Caraíbas de Belize. A maior ilha do país, Ambergris Caye, situa-se ao lado da Barreira de Coral de Belize -- o segundo maior sistema de recifes de coral do mundo. O Margaritaville Beach Resort está previsto abrir na ilha no início de 2023, e o resort “eco-luxo” Alaia Belize abriu em 2021.

Mais a sul, o Grande Buraco Azul - um enorme buraco subaquático - é um íman aquático, tanto para mergulhadores como para fotógrafos aéreos.

Mas Belize oferece muito mais do que as suas ilhas sedutoras.

Florestas tropicais luxuriantes, redes de cavernas, rios sinuosos e ricos locais arqueológicos maias convidam à exploração num país que tem tido um notável plano de turismo sustentável em evolução desde 2012. As ruínas da cidade maia de Altun Ha estão apenas a cerca de uma hora a norte da cidade de Belize. Ou mais a oeste, Lamanai é um dos maiores e mais fascinantes locais maias de Belize.

Sugestão de Marnie Hunter

Oaxaca, México

O México é sem dúvida tão rico em património culinário como em tesouros arqueológicos mesoamericanos, e Eva Longoria explora muitos sabores distintivos na sua série “Searching for Mexico”, que foi transmitida na CNN em 2023.

O estado de Oaxaca, que Longoria visita, tem um poço infinito de tradições culinárias. Além disso, Oaxaca produz a maior parte do mezcal que existe no mundo.

As Tlayudas, conhecidas como pizzas de Oaxaca, são um alimento básico de rua. Uma grande tortilha de milho que leva normalmente várias camadas com banha, feijão, queijo tradicional de Oaxaca, carne de porco e outros toppings, tais como abacate e tomate. O estado é também conhecido pelos seus sete molhos mole, com receitas que podem exigir dezenas de ingredientes, desde pimentas e sementes de sésamo até ao chocolate e frutos secos.

Na cidade de Oaxaca, o Mercado Benito Juárez é um dos muitos mercados em todo o estado que vendem artigos como pimentas secas, produtos frescos, artesanato e gafanhotos crocantes. Para provar a bebida cada vez mais popular do estado, a cidade de Santiago Matatlán é o local para visitas e provas de destilaria mezcal.

Sugestão de Marnie Hunter

Otava, Canadá

Otava, Canadá: Em Otava, o Canal de Rideau transforma-se no maior rinque de patinagem do mundo no inverno. É uma das atrações dignas desta modesta cidade. (vlad_g/Adobe Stock)

Não tem o charme francês de Montreal ou o deslumbre internacional de Toronto, pelo que a capital do Canadá pode ser negligenciada, o que é um erro. Graciosa e subestimada, Otava também tem as suas atrações.

Os amantes de música devem tomar nota de dois Festivais de Jazz de Otava. Há uma edição de inverno, de 2 a 3 de fevereiro. Se não aguentar o frio, há uma edição de verão, de 23 a 30 de junho.

Se gosta de hóquei, veja os senadores de Otava a fazer a sua prática de NHL no Canadian Tire Centre, nos subúrbios ocidentais. Se esse bilhete for demasiado caro, veja os Ottawa 67's, uma opção mais acessível de jogos de hóquei masculino júnior na TD Place Arena, no centro da cidade.

O Canal Rideau transforma-se no maior ringue de patinagem do mundo, já há algum tempo desde o mês de janeiro até finais de fevereiro ou princípios de março, dependendo da espessura do gelo. É gratuito e acessível 24 horas por dia, 7 dias por semana. Quando está mais quente, é um ótimo local para ver as pessoas e para observar barcos.

Algo que não pode perder é a Colina do Parlamento, lar do governo federal do Canadá e dos edifícios do Parlamento visualmente impressionantes num promontório com vista para o rio Otava.

Sugestão de Forrest Brown

Uganda

Uganda: Do topo de um dos picos mais altos do Parque Nacional Bwindi, os futuros visitantes podem ver as maravilhas naturais do Uganda. (Shakked Schwartz/Moment RF/Getty Images)

Há uma mudança considerável nas ofertas de viagem do Uganda neste momento, já que este país da África Oriental está a tentar ir além dos tradicionais produtos básicos de safari e de observação da vida selvagem para atrair visitantes, tanto regionais como internacionais.

Ansiosos por revitalizar o turismo pós-Covid em todos os cantos do país, e não apenas os grandes negócios que oferecem aos visitantes ricos um vislumbre dos Cinco Grandes animais ou gorilas de montanha, o Uganda está voltado para a comercialização dos seus outros atributos.

E porque não? Desde as extensas margens do Lago Vitória até às Montanhas Rwenzori nevadas, o Uganda é um belo parque selvagem, com oportunidades de aventura, incluindo passeios pela Floresta Impenetrável Bwindi ou até às crateras da cadeia de vulcões Virunga ou rafting ao longo do Nilo Branco.

Há também uma ênfase em ligar os visitantes às comunidades ugandesas -- gostos promissores da comida, música e cultura ugandesas. O ano passado houve o lançamento do Uganda Cycling Trail, um percurso de 1.600 quilómetros com 22 etapas, a maioria não pavimentado, concebido para apelar a todos os níveis de ciclismo, desde ciclistas solitários hardcore de mochila às costas até aos ciclistas iniciantes totalmente guiados.

Sugestão de Barry Neild

Relacionados

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Mais Lidas

Patrocinados