"Estamos tão habituados a ver o mundo através da lente de homens brancos. Isto é diferente". A primeira mulher negra a documentar viagens a todos os países do mundo

CNN , Tamara Hardingham-Gill
10 jul, 17:00

Quando o seu avião começou a descida para as Seychelles, a 6 de outubro de 2019, a influenciadora de viagens ugandesa-americana Jessica Nabongo olhou pela janela, preparando-se para a ocasião importante que estava prestes a acontecer.

Não só estava prestes a tornar-se membro de um prestigiado clube composto pelas poucas pessoas que viajaram para todos os países do mundo, como seria a primeira mulher negra a documentar as viagens.

Nabongo estava acompanhada por 28 amigos e familiares, que tinham chegado para fazer com ela o último voo.

Fez mais de 450 voos e mais de um milhão de milhas aéreas, mas chegou a todos os 195 países do mundo reconhecidos pela ONU.

A experiência foi cansativa -- Nabongo fez mais de 170 voos num ano, e diz que quase desistiu em várias ocasiões.

"Houve uma série de vezes em que o pânico se instalou e eu fiquei tipo, 'Meu Deus, isto vai resultar num fracasso público?'", conta à CNN Travel.

Desafio épico

 

Em 2019, Jessica Nabongo tornou-se a primeira mulher negra a documentar viagens a todos os países do mundo.
Wintta Woldemariam

Nabongo já escreveu um livro, "The Catch Me If You Can", detalhando as suas experiências de viagem de país para país durante o desafio épico.

Com o nome do seu popular blogue, conta a sua viagem recorde, focando-se em 100 dos 195 países que visitou.

"Sou uma apaixonada pela geografia", diz Nabongo sobre a sua decisão de assumir o desafio, explicando que era algo que queria fazer pelo menos uma década antes de tentar.

"Em 2017, tomei a decisão de querer fazê-lo no aniversário dos 35 anos", conta à CNN Travel.

Então, conseguiu cumprir o prazo?

"Ultrapassei o meu aniversário cinco meses", explica Nabongo . "Mas acabei por terminar no aniversário do meu pai. Ele faleceu [embora] dois dias após o meu 19º aniversário, por isso foi bom poder trazê-lo para isto dessa forma."

De acordo com Nabongo, que nasceu em Detroit, uma das principais razões pelas quais se sentiu compelida a escrever "The Catch Me If You Can" deveu-se ao facto de muito poucos negros estarem entre os 400 viajantes que se pensava terem visitado todos os países do mundo.

"Estamos tão habituados a ver o mundo através da lente de homens brancos", diz Nabongo, que usou as suas próprias fotos no livro. "E isto é diferente. Há obviamente alguma singularidade nas experiências que temos, como existimos no mundo, como pessoas muito diferentes."

"Mas também no que se refere à minha visão da humanidade. O meu respeito pela humanidade. Vejo uma enorme diferença."

Nabongo toca nas suas experiências de viagens como mulher negra no livro, lançado a 14 de junho, salientando que tal representação é extremamente importante.

Criação de espaço

A influencer de viagens lançou um livro, "The Catch Me If You Can", que mostra 100 dos países que visitou.
Wes Walker

"Trata-se de normalizar a nossa existência, porque, sim, mesmo em 2022, sou muitas vezes a única pessoa negra num avião de 300 pessoas", escreve.

"Posso viajar durante dias e nunca ver alguém no mesmo lado do espectro de cores . A minha missão é criar espaço. Agitar para dizer: estamos aqui e também fazemos parte."

Ela sente a responsabilidade de representar destinos que não são necessariamente pontos turísticos o mais sensivelmente possível para pôr em causa preconceitos.

"Isso é muito importante para mim", admite. "Contar histórias sobre lugares para onde a maioria das pessoas pode nunca viajar e realmente usar a minha plataforma para dar a esses lugares uma luz mais positiva do que costumamos ver.

"Encontrei muita beleza em muitos lugares que as pessoas provavelmente não esperariam."

Esses locais incluem o Afeganistão, onde ficou fascinada com o Santuário de Hazrat Ali, também conhecido como Mesquita Azul na cidade de Mazar-i-Sharif, no Paquistão, onde se deliciou com comida de rua, e do Irão, onde visitou a antiga cidade de Yazd.

Embora as redes sociais já estivessem certamente disponíveis quando Nabongo começou a viajar extensivamente, não foram tão influentes como são hoje.

A antiga funcionária da ONU salienta que ter um blogue de sucesso e mais de 200.000 seguidores do Instagram tem-lhe dado muitos privilégios, especialmente no que diz respeito a viagens, mas está muito atenta ao conteúdo que partilha, reconhecendo que o impacto das redes sociais não tem sido totalmente positivo quando se trata de locais vulneráveis.

"Quando estive em Maui [Havai], encontrei uma floresta incrível", diz ela. Não fiz um geotag [adicionar as coordenadas geográficas do local] porque sei o que isso poderia ter feito àquela floresta."

"Sendo influenciadores ou alguém de influência, temos de ter muito cuidado com a forma como partilhamos. Para mim, é muito importante garantir a preservação dos lugares que estou a visitar."

Impacto de influencer

Nabongo durante uma viagem a Bali, Indonésia em 2017.
Elton Anderson

Nabongo anseia a noção de "viajar cegamente", salientando que isso se tornou quase impossível no mundo moderno.

"É definitivamente algo de que sinto falta em particular", admite Nabongo, citando o Peru como um dos destinos em que se sentiu algo desiludida simplesmente porque tinha visto tantas imagens das suas paisagens históricas de antemão.

"Quando cheguei a Machu Picchu, pensei: 'Oh, parece-se com as fotografias'", admite. "Foi uma desilusão."

"Pensa-se em lugares como Bali, Marrocos, todos vão para os mesmos destinos e fazem as mesmas coisas. E isso não me interessa."

"Mas há o Iémen, o Afeganistão e o Sudão do Sul. Há tantos lugares que as pessoas acham que não são válidos em termos de turismo onde eu me diverti muito."

"Espero que, através da minha narrativa, haja uma redução do preconceito quanto aos países negros e morenos em particular."

Durante alguns dos seus momentos mais difíceis em viagem, Nabongo começou a questionar se chegaria às Seychelles, o último país da sua lista.

Mas a viagem tinha-se tornado muito mais do que atingir somente o objetivo nessa altura. Ela sabia que estava a mostrar lugares que os seus seguidores provavelmente nunca teriam pensado visitar.

Quando chegou ao seu ponto de rutura durante uma visita ao Mali, um país sem litoral na África Ocidental, foram as palavras de alguns locais que a convenceram a continuar.

"Um dos rapazes disse: 'Não é por ti. É por nós." "Foi realmente um grande ponto de viragem. Porque à medida que o meu público estava a crescer e as pessoas me enviavam emails e mensagens, apercebi-me que a viagem estava a tornar-se muito maior do que eu. Aqueles homens ajudaram-me realmente a chegar à meta.”

Nabongo salienta que ter um passaporte dos EUA concede os seus privilégios que não são concedidos a viajantes de outras nacionalidades, mas explica que conseguiu viajar para mais de 40 países com o seu passaporte ugandês.

Arma secreta

"Ter um passaporte americano e ugandês funcionou a meu favor", admite. "Porque é muito difícil os americanos irem ao Irão."

"E o Governo dos EUA proíbe os americanos de irem à Coreia do Norte [exceções são concedidas "em circunstâncias muito limitadas", mas eu tinha um passaporte ugandês para poder ir."

"Era a minha arma secreta. Se eu tivesse um passaporte americano, provavelmente não teria terminado quando o fiz."

O seu sucesso, juntamente com o de outros viajantes como ela, terá, sem dúvida, inspirado outros a tentarem viajar para todos os países do mundo, mas faz questão de salientar que este objetivo em particular não é para todos.

Antes de partir para tal missão, Nabongo sublinha que os viajantes devem realmente questionar porque querem embarcar nesse desafio, "porque essa é a motivação que vai levá-los à meta".

Ela espera que a sua história encoraje os outros a irem atrás dos seus sonhos, sejam eles o que forem.

"Acho que nem todos estão interessados em ir a todos os países do mundo", diz. "Mas quero que as pessoas saibam têm tudo dentro de si para fazer o que quiserem na vida."

"E se eu pude ir a todos os países do mundo, o que é uma loucura, sinto que o sonho de todos é alcançável."

Rede mundial

Em "The Catch Me If You Can", Nabongo conta várias histórias de estranhos que foram particularmente amáveis para com ela durante as suas viagens, incluindo uma guia turística chamada Maha, na Jordânia, que lhe deu um vestido como símbolo da sua amizade.

"Definitivamente tenho amigos em todo o mundo", diz, antes de expressar o seu deleite pela forma como escrever o livro ajudou a pô-la outra vez em contacto com muitos dos que conheceu em viagem.

"Tem sido muito bom", acrescenta. "A qualquer momento no meu WhatsApp provavelmente há conversas em 20 países."

"As pessoas, é claro, começam sempre como estranhos. Mas se estivermos abertos a isso, podemos fazer amigos e, em alguns casos, até família."

"Para mim, o lar não tem que ver pessoas. Acho que é por isso que me sinto tão intimamente ligada às pessoas quando viajo. Porque é como se eu estivesse a construir pequenos lares em todo o mundo.”

Apesar de achar o processo de visita a todos os países do mundo cansativo, Nabongo confessa que escrever "The Catch Me If You Can" tem sido mais difícil "sem dúvida".

Mas espera que o livro inspire mais bondade no mundo, explicando que notou uma mudança no comportamento dos outros, particularmente durante viagens, desde os primeiros dias da pandemia.

"Era tudo amor e bondade, e depois tornou-se uma loucura", diz. "Agora vemos pessoas a discutir em aviões e a serem muito más.

"Acho que, infelizmente, aquele primeiro choque de amor e humanidade que obtivemos nos primeiros quatro a seis meses dissipou-se."

Nabongo admite que, em certas ocasiões, isso fê-la sentir-se bastante desanimada.

No entanto, continua animada pelas suas próprias experiências de bondade humana e continua a procurar beleza no mundo onde quer que vá.

E agora que já visitou todos os países, a paixão de Nabongo pelas viagens só se tornou mais forte.

No momento em que escreve, está prestes a fazer outra viagem ao Senegal, que descreve como o seu "lugar feliz", e eventualmente planeia cumprir outro objetivo. visitar todos os estados dos EUA.

"Ainda tenho seis", explica, antes de sublinhar que não tem pressa e que completará esta tarefa em particular, "quando lá chegar".

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados