Covid-19: secretário de Estado da Saúde diz que é preciso "planear o futuro" quanto à quarta dose

Agência Lusa , CE
16 dez 2021, 17:38

Relativamente à vacinação da terceira dose, Diogo Serras Lopes considerou que “está a correr no ritmo previsto"

PUB

O secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes, afirmou esta quinta-feira que é necessário preparar “todas as eventualidades” e “planear o futuro” quanto a uma eventual quarta dose da vacina contra a covid-19.

“Não sabemos ainda o que acontecerá em 2022, nomeadamente o que será a quarta dose, em que formato será a quarta dose e como poderá ser dada ou mesmo se será necessária. Agora temos que estar preparados para todas as eventualidades e creio que é importante pensarmos, discutirmos e planearmos o futuro”, referiu o governante que falava aos jornalistas à margem de uma visita à unidade de Vila Real do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro.

PUB

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta quinta-feira, em Bruxelas, que Portugal já pediu vacinas a contar com uma eventual quarta dose, dada a populações mais fragilizadas. Estas inoculações, explicou, estarão disponíveis a partir da primavera e desde logo preparadas para a nova variante da covid-19, a Ómicron.

Relativamente à vacinação da terceira dose, Serras Lopes considerou que “está a correr no ritmo previsto".

PUB
PUB
PUB

Sobre novas medidas para travar a covid-19 que possam vir a ser implementadas, o secretário de Estado remeteu para a conferência de imprensa que será dada na sexta-feira pela ministra da Saúde.

“Agora o que sabemos claramente é que o número de casos tem vindo a aumentar, embora a incidência de doença seja bastante mais baixa, também pela capacidade que tivemos de vacinar a população portuguesa e pela adesão a essa mesma vacinação”, afirmou.

No entanto, lembrou que “este é o segundo dia consecutivo com 5.000 casos, algo que não acontecia desde fevereiro”.

“Há claramente aqui uma evolução significativa de casos, estamos preparados e a preparar todo o Serviço Nacional de Saúde para o impacto de um aumento significativo do número de casos, mas sabemos, como sabemos desde sempre, que a melhor forma de controlar é efetivamente através dos comportamentos individuais. A utilização de máscara, a lavagem de mãos, a diminuição de contactos sociais é sempre a resposta mais eficaz”, salientou.

Relativamente aos hospitais, Diogo Serras Lopes disse que ainda se está “bastante longe” das linhas vermelhas definidas nas últimas ondas da pandemia.

PUB
PUB
PUB

“Os hospitais estão a níveis bastante aceitáveis de utilização, sabemos também que o inverno é particularmente um inverno desconfinado, como este está a ser face ao ano passado, são sempre alturas de pressão nos hospitais, mas não registamos qualquer pico anormal de pressão face aquilo que costuma ser o mês de dezembro”, frisou.

O governante adiantou ainda que os hospitais estão a preparar-se para “poderem responder a picos de procura maiores”.

“Não sabemos se poderão surgir da pandemia covid-19, mas também não sabemos se poderão surgir da gripe que acontece quase todos os anos"”, referiu.

O secretário de Estado lembrou que “é política do Ministério da Saúde que os hospitais estejam preparados e tenham as suas estruturas preparadas para poder aumentar o número de camas caso elas venham a ser necessária”.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.717 pessoas e foram contabilizados 1.211.130 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 77 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

PUB
PUB
PUB

Relacionados

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados