Escola de Uvalde vai ser demolida. Novas imagens aumentam críticas à atuação da polícia durante massacre

22 jun, 13:56
Cruzes com os nomes de algumas das vítimas do massacre em Uvalde (Jae C. Hong/AP)

Nova imagem mostra agentes da polícia altamente equipados dentro da escola 19 minutos após o início do ataque, que só terminou quase uma hora depois

A escola primária de Uvalde, onde 19 crianças e duas professoras foram mortas por um atirador a 24 de maio, vai ser demolida. A informação foi adiantada pelo mayor daquela cidade do Estado do Texas.

Numa reunião com o conselho da autarquia, Don McLaughlin disse que é “compreensível” que a escola primária Robb seja demolida, para que depois seja construído um novo edifício para os cerca de 600 alunos.

“O meu entendimento – e tive esta discussão com o superintendente [da escola] – é que a escola vai ser demolida. Nunca podemos pedir a uma criança ou a um professor que regresse àquela escola”, referiu o autarca. Recorde-se que o ataque perpetrado por Salvador Ramos, de apenas 18 anos, ocorreu a apenas um dia do fim do ano letivo.

A demolição da instituição seguirá o exemplo daquilo que foi feito na escola de Sandy Hook, no Connecticut, onde, em 2012, 26 pessoas foram mortas, a maioria crianças, num ataque semelhante.

Atuação da polícia sob críticas

O anúncio de Don McLaughlin surge numa altura em que a comunidade de Uvalde, principalmente os pais das crianças que morreram, continuam a questionar a atuação da polícia no dia do tiroteio. É sabido que Salvador Ramos se barricou numa sala, onde ocorreram todas as mortes, sendo que entre esse momento e a neutralização do atirador decorreu mais de uma hora.

Isso mesmo comprova uma imagem obtida pela CNN, e que mostra três agentes da polícia, um deles com um escudo, dentro da escola 19 minutos após o início do massacre.

Polícia entrou na escola 19 minutos após o início do massacre (CNN)

A atuação da polícia está sob investigação, mas o diretor do Departamento de Segurança Pública do Texas (DPS, na sigla original) já veio apelidar a operação de um “falhanço abjeto e antiético em todos os sentidos”. Segundo Steve McCraw, o chefe da polícia, Pedro Arredondo, “decidiu colocar a vida dos agentes à frente da vida das crianças”, impedindo a polícia de entrar mais cedo no local onde o massacre decorreu.

“Os agentes tinham armas – as crianças não tinham nada. Os agentes tinham coletes à prova de bala – as crianças não tinham nada. Os agentes tinham treino – o atirador não tinha”, acrescentou o responsável.

As palavras de Steve McCraw não caíram bem junto da autarquia, que tem a responsabilidade sobre a polícia. Para Don McLaughlin, a DPS tem falhado em providenciar os detalhes da investigação que está a decorrer, dizendo ainda que os comentários do diretor daquele departamento têm sido erróneos.

"O coronel Steve McCraw continua, como lhe queiram chamar... a mentir, a divulgar, a enganar e a dar informação enganosa para tentar distanciar os seus agentes da responsabilidade. Em todos os detalhes ele deixa de fora os seus agentes e os Rangers que estavam no local naquele dia", afirmou o autarca.

Agentes tinham escudos à prova de bala e armas de assalto (CNN)

Peter Arredondo, que decidiu não falar em público, também testemunhou sobre o caso no comité que esteve reunido esta terça-feira.

Para acrescentar à polémica, o procurador de Uvalde pediu que não sejam divulgados os registos da atuação da polícia, incluindo as imagens das câmaras de vídeo que estão nos coletes dos agentes.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados