NASA publica nova imagem espantosa da Galáxia Fantasma

CNN , Zoe Sottile
30 ago, 23:45
Galáxia Fantasma

A Galáxia Fantasma M74 brilha nesta imagem combinada, com dados tanto do Telescópio Espacial Hubble como do Telescópio Espacial James Webb.

Novas imagens impressionantes produzidas pelo Telescópio Hubble e pelo Telescópio James Webb mostram a Galáxia Fantasma, uma espiral de sistemas solares a 32 milhões de anos-luz da Terra.

A galáxia está localizada na constelação Peixes, segundo a Agência Espacial Europeia, que colabora com a NASA tanto no Telescópio Hubble como no Telescópio James Webb.

A Galáxia Fantasma, formalmente conhecida como M74, é uma espécie de galáxia em espiral conhecida como uma "espiral de grande design". Isto significa que tem braços espirais bem definidos, visivelmente a sair do centro nas imagens recém-lançadas.

As imagens foram criadas utilizando dados tanto do Telescópio Hubble como do Telescópio Webb. O Webb detectou "filamentos delicados de gás e poeira" nos braços em espiral da galáxia, de acordo com a Agência Espacial Europeia. As imagens também fornecem uma visão clara do aglomerado de estrelas nucleares no centro da galáxia, desobstruído por gás.

O telescópio Webb também utilizou o seu Instrumento Mid-InfraRed (MIRI) para examinar a Galáxia Fantasma como parte de um projeto para compreender as primeiras fases da formação estelar, observou a ESA.

Embora o Webb seja melhor na observação dos comprimentos de onda infravermelhos da luz, o Hubble tem uma visão particularmente nítida nos comprimentos de onda ultravioleta e visível, de acordo com a agência. Isto permitiu-lhe revelar áreas particularmente brilhantes de formação estelar, conhecidas como regiões HII, nas imagens da Galáxia Fantasma.

A combinação de dados de ambos os telescópios permitiu aos cientistas obter uma compreensão ainda mais profunda da Galáxia Fantasma - e criar imagens espetaculares do cosmos.

A NASA lançou as primeiras imagens de alta resolução do Webb há apenas algumas semanas, em julho. Maior do que Hubble, este supertelescópio é capaz de observar galáxias extremamente distantes, permitindo que os cientistas aprendam sobre a formação precoce de estrelas. O Hubble orbita a Terra, mas o Webb orbita o Sol, a cerca de 1,6 milhões de quilómetros de distância da Terra.

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados