560 milhões de crianças estão atualmente expostas a ondas de calor, afirma a Unicef

Agência Lusa
25 out, 14:35
Calor (EPA)

Num ano em que as ondas de calor atingiram números recorde, tanto no hemisfério sul como no norte, o relatório realça os extensos efeitos deste fenómeno nas crianças, sublinhando que as ondas de calor são particularmente nocivas para os mais novos, uma vez que estes têm menos capacidade para regular a temperatura corporal

Quase 560 milhões de crianças são atualmente expostas a ondas de calor mais frequentes e o fenómeno vai aumentar, afirmou esta terça-feira a Unicef, sublinhando a urgência de se adaptarem os serviços essenciais para os mais jovens.

O relatório “O ano mais frio do resto das suas vidas: proteger as crianças dos impactos crescentes das ondas de calor”, divulgado esta terça-feira, revela que, mesmo que o aquecimento global seja limitado a níveis mais baixos, “será inevitável que, em apenas três décadas, as crianças de todo o mundo vivam ondas de calor com maior frequência”.

Num ano em que as ondas de calor atingiram números recorde, tanto no hemisfério sul como no norte, o relatório realça os extensos efeitos deste fenómeno nas crianças, sublinhando que as ondas de calor são particularmente nocivas para os mais novos, uma vez que estes têm menos capacidade para regular a temperatura corporal.

“Quanto mais ondas de calor as crianças passarem, maior é a probabilidade de sofrerem problemas de saúde como doenças respiratórias crónicas, asma e doenças cardiovasculares”, adverte o estudo, sublinhando que, no caso dos bebés e das crianças pequenas, o calor aumenta muito o risco de morte.

“As ondas de calor também podem afetar o ambiente, a segurança, a nutrição e o acesso à água, bem como a educação e a subsistência futura das crianças”, acrescenta a análise publicada pelo Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O estudo alerta ainda que 624 milhões de crianças estão expostas a um de três outros indicadores utilizados nestas análises: ondas de calor mais longas, ondas mais severas ou períodos de temperaturas extremas.

O relatório, desenvolvido em colaboração com o ‘The Data for Children Collaborative’ e divulgados em parceria com a embaixadora da Boa Vontade da Unicef, Vanessa Nakate, e o Movimento Rise Up, sediado em África - sublinha a urgência de se adaptarem os serviços essenciais para as crianças, como forma de reagir proativamente às consequências do aquecimento global.

“A duração das ondas de calor afeta atualmente 23% das crianças de todo o mundo” e “este número aumentará para 1,6 mil milhões de crianças até 2050 se o aquecimento [médio do planeta aumentar] 1,7° Celsius, e para 1,9 mil milhões de crianças se o aquecimento for de 2,4°C”, refere.

Por isso, é crucial que sejam tomadas medidas urgentes e drásticas de mitigação das emissões e de adaptação, a fim de conter o aquecimento global e proteger vidas.

“Até 2050, quase metade de todas as crianças em África e na Ásia estarão expostas a temperaturas extremamente elevadas constantes”, avisam os investigadores, adiantando que atualmente, há 23 países que registam o mais alto nível de exposição infantil a temperaturas extremamente elevadas.

No entanto, “este número aumentará para 33 países em 2050 num cenário de emissões reduzidas, ou para 36 países num cenário de emissões muito elevadas”, adianta o estudo, sublinhando que Burkina Faso, Chade, Mali, Níger, Sudão, Iraque, Arábia Saudita, Índia e Paquistão estão entre os países que deverão permanecer na categoria mais elevada em ambos os cenários.

“As crises climáticas de 2022 deixaram um forte aviso do perigo crescente que enfrentamos", lembrou a ativista do clima e embaixadora da Boa Vontade da Unicef, Vanessa Nakate.

“As ondas de calor são um exemplo claro. Por mais quente que este ano tenha sido em quase todo o mundo, este será provavelmente o ano mais frio do resto das nossas vidas. O termómetro está a subir no nosso planeta e, no entanto, os líderes mundiais ainda não transpiraram. A única opção é continuarmos a pressioná-los para corrigir o curso em que nos encontramos”, concluiu.

Clima

Mais Clima

Patrocinados