Europa quer apostar forte na indústria dos semicondutores

25 nov, 11:44
Microchip (Foto: Pexels)

Após um impasse nas negociações, os Estados-Membros concordaram em fomentar a indústria de semicondutores com 45 mil milhões de euros. O acordo será agora discutido no parlamento europeu a 1 de dezembro

Os Estados-Membros da União Europeia (UE) acordaram avançar com um plano de 45 mil milhões de euros para estimular a produção de semicondutores no velho continente, avança a Bloomberg. O acordo deverá agora ser aprovado a 1 de dezembro.

O plano - que caso seja aprovado será discutido no parlamento europeu em 2023 - destina-se a reduzir a dependência europeia em fabricantes de semicondutores provenientes do mercado norte-americano e asiático.

Segundo fontes citadas pela Bloomberg, o acordo irá também alargar o grupo de fábricas qualificadas para apoios governamentais, embora nem todos os semicondutores destinados à indústria automóvel estejam abrangidos pelas novas regras.

O novo acordo também irá acrescentar medidas de salvaguarda à capacidade da Comissão Europeia em declarar uma emergência e, assim, intervir nas cadeias de abastecimento das empresas.

A União Europeia, atualmente, tem um peso de 8% na produção de semicondutores a nível mundial, o que corresponde a uma revisão em baixa face aos 24% verificados no ano 2000, avança a agência Reuters.

A Comissão Europeia espera agora que, através de apoios, consiga regressar ao patamar dos 20% na produção de semicondutores a nível mundial, até 2030.

A aposta na indústria dos semicondutores surge após uma crise na produção de semicondutores e nas cadeias de abastecimento afetar a indústria automóvel, da saúde e das telecomunicações.

Uma das questões mais contestadas diz respeito à utilização de fundos europeus para este investimento na indústria de chips. Os Estados-Membros concordaram em não realocar 400 milhões de euros, destinados originalmente para a pesquisa e desenvolvimento de semicondutores.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados