«Nunca um portista me disse: 'O senhor não é um bom tripeiro'»

16 dez 2021, 09:12
Júlio Machado Vaz
Júlio Machado Vaz

«Um café com…» Júlio Machado Vaz: psiquiatra, portuense e benfiquista

PUB

É médico psiquiatra, mas também o sexólogo que falava ao país na TV. É professor e autor de mais de uma dezena de livros. É neto do antigo Presidente da República Bernardino Machado e comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Júlio Machado Vaz é uma série de coisas. Benfiquista também.

PUB

Cultivou o gosto pelo futebol nos tempos da telefonia, a ouvir relatos com os primos que eram também seus vizinhos num prédio da Rua do Bolhão.

Herdou o benfiquismo da avó e da mãe, a cantora Maria Clara, com o beneplácito do pai, professor universitário que, sendo portista, era acima de tudo «um democrata completo» que permitia desvios clubísticos entre portas.

Houve dias em que o levou às Antas e houve um outro em que o abraçou na casa de banho, num consolo após uma eliminação europeia – pouco ortodoxa – frente aos católicos do Celtic de Glasgow, por moeda ao ar.

Nasceu há 72 anos, no Porto, mas nunca se tentou pelos tons de azul e branco, embora a cada abordagem de conterrâneos seus sobre o assunto reconheça placidamente que «ninguém é perfeito».

PUB
PUB
PUB

Júlio Machado Vaz é também um comunicador notável, ou não se tivesse tornado ele também numa voz da rádio, que já não é telefonia, em rubricas como «O Amor é…».  

Na conversa com o Maisfutebol, a voz serena salienta-lhe a clareza no pensamento.

«O futebol mexe com a psique das pessoas», reflete, relativizando a importância de um jogo que tanto lhe pode passar despercebido como provocar insónias.

Ainda assim, atalha: «Durante 90 minutos ninguém tem o direito de me pedir isenção.»

Pelo meio, recorda uma fugaz passagem pelo comentário desportivo televisivo, cita Pedroto e recorda o ídolo de infância. E a conversa continua a fluir, umas vezes pontuada por um sorriso, outras por uma gargalhada.

Qual a primeira memória que tem de futebol?

Sou o mais novo da minha geração dos Machado Vaz. As memórias mais precoces que eu tenho são com os meus primos a ouvir os jogos do Benfica. A minha mãe e a minha avó eram lisboetas e benfiquistas. Eu cresci numa altura em que o Benfica ganhava quase sempre e os putos gostam de ganhar. O meu pai era portista, mas era um democrata completo. Cada um fazia e pensava o que queria lá em casa. Aliás, o meu tio integrou até órgãos diretivos do FC Porto.

PUB
PUB
PUB

Antigamente, essa ligação dos miúdos ao futebol vinha sobretudo pela rádio, não?

Exatamente. Ia para casa dos meus primos – eu morava no terceiro andar e eles no primeiro de um prédio na rua do Bolhão. Descia, sentávamo-nos à volta da telefonia, como se dizia na altura, e o meu primo mais velho, que era o mais louco de todos, saía disparado pelo corredor. As minhas tias, que não percebiam nada de futebol, também gritavam golo do Benfica. Era enternecedor vê-las. Não sabiam quantos jogadores estão de cada lado sequer, mas festejavam só por ver os filhos felizes. Também houve algum choro e ranger de dentes.

Que momento desses recorda?

Lembro-me de quando o Benfica foi eliminado por moeda ao ar frente ao Celtic Glasgow (1969). Fechei-me no quarto de banho e foi o meu pai que me foi buscar. Apenas olhou para mim, deu-me um abraço e eu vim a chorar para o quarto.

Na infância tinha algum ídolo?

Vou dizer uma heresia: o meu ídolo não era o Eusébio, mas o José Águas. Mas ainda tive o privilégio de ir às Antas com o meu pai e ver o Hernâni, o Monteiro da Costa, o Pedroto, essa geração de ouro do FC Porto.

PUB
PUB
PUB

Ir a um jogo era uma experiência muito diferente da dos dias de hoje?

Sem dúvida. Lembro-me dos tempos em que as famílias iam futebol às três da tarde de domingo. Hoje, tenho clientes meus no consultório que dizem: «Não levo os meus filhos ao futebol, tenho medo.»

Concorda que o futebol mexe em demasia com a psique das pessoas?

Mexe. É uma possibilidade de descarregar agressividade. Veja a facilidade com que um estádio inteiro desata a insultar uma senhora que nunca viu, que é a mãe do árbitro. Pessoas que têm de engolir sapos vivos no dia a dia têm ali uma hipótese de descarregar frustrações.

Alguma vez sentiu algum desconforto por ser benfiquista na cidade do Porto?

Nenhum. Lembro-me daquela descrição do Miguel Sousa Tavares – «Ser portista em Lisboa é como ser muçulmano na Bósnia» –, ora, eu ao contrário nunca senti isso. Depois de ir para um programa de TV defender o Benfica a única diferença é que os tripeiros como eu, que nasci aqui há 72 anos, passaram a abordar-me da seguinte forma: «O senhor só tem um defeito…» e desatavam-se a rir. E eu respondia: «Eu sei qual é. Mas ninguém é perfeito.»

PUB
PUB
PUB

O facto de ter participado num programa televisivo não o expôs a alguma animosidade de adeptos rivais?

Quando fui despedido [na RTP, em 2012] recebi muitas mensagens e telefonemas e os que mais me enterneceram eram de portistas e sportinguistas a dizer-me que eu era justo nas análises que fazia. Muitas vezes, nesses programas o que se privilegia é o espetáculo. Se alguém chega lá e se limita a conversar, acaba por não ter muito interesse.

Foi por isso que saiu?

Presumo que sim. A justificação oficial era tão descabelada: foi dizer que era preciso renovar o programa quando eu era o comentador mais recente… [risos] Já agora, digo outra coisa: não tenho a menor dúvida que houve gente dos corpos dirigentes do Benfica que ficou muito satisfeita por eu sair. Estou convencido, aliás, de que saí com o beneplácito da direção do Benfica da altura.

O facto de o futebol não lhe toldar o raciocínio era, neste caso, uma desvantagem?

As pessoas desenvolvem um espírito tribal, faccioso, que impede qualquer avaliação isenta. Eu dizia meio a brincar que durante 90 minutos ninguém tem o direito de me pedir isenção: qualquer jogador do Benfica que cai na área do adversário é penálti, qualquer jogador do adversário que caia na área do Benfica é ‘fita’. Assim que chega ao fim do jogo, eu volto a ser um ser pensante e aí tento ser justo.

PUB
PUB
PUB

Sendo portuense e nortenho, a assunção do FC Porto também como bandeira de um território nunca o tentou?

Não, porque nunca houve um portista que me dissesse na cara: «O senhor não é um bom tripeiro.» Quem apoia o Boavista ou o Salgueiros também é tripeiro. Agora, evidentemente, o FC Porto pelas conquistas nacionais e internacionais tornou-se numa bandeira sobretudo da cidade. Isto porque o Minho tem benfiquistas que nunca mais acabam. Aí, está muito dividido. E em Trás-os-Montes também. Quem inventou isso foi o Pedroto, que tive o prazer de conhecer.

De que forma?

Nessa altura [décadas de 1970 e 1980], quando a equipa do FC Porto ia para Lisboa de comboio, lembro-me de ele me dizer: «Ó Doutor, eles chegam às Devesas e já só jogam metade.» [risos] Ele utilizou essa sensação de o Benfica e o Sporting dominarem tudo para moralizar o FC Porto. E foi altamente eficaz.

É dessa forja que nasce um rival à medida dos grandes de Lisboa?

Ainda há pouco tempo estava a ver um programa desportivo antes do Benfica-Sporting, que para mim foi uma tragédia, e alguém dizia: «O dérbi é o jogo mais importante do país.» E imediatamente alguém do lado corrigiu: «Nem pensar! O jogo mais importante do país é o Benfica-FC Porto.» Ora, há 40 anos, era evidente que era o Benfica-Sporting.

PUB
PUB
PUB

Hoje ainda sente aquele encantamento pelo futebol que tinha na sua juventude?

Já havia menos antes e agora passou a haver muito menos com a pandemia. Esta situação limite em que vivemos faz-nos rever as hierarquias. Olhe, durante a pandemia aconteceu uma coisa que seria impensável há uns tempos: de repente, telefonaram-me a dizer «não estamos a jogar nada» e eu tinha-me esquecido que o Benfica estava a jogar a essa hora. Agora, continuo a ser suficientemente benfiquista para uma derrota me dar uma noite de insónias.

É daqueles benfiquistas que apoia Jorge Jesus?

Hoje [segunda-feira] já me ri muito, porque entre as consultas fui ao computador e vi que o Real Madrid tinha calhado ao Benfica [nos oitavos de final da Champions]. Pensei: «Pronto, Jesus disse que se saísse o Real Madrid nós passávamos, isto vai ser hilariante.» Passando um bocado, voltei de uma consulta e vi que foi tudo refeito. «Pronto, não quiseram meter o Jesus em trabalhos: contra o Ajax ele não disse nada.» [risos]

O momento do Benfica não o tranquiliza?

PUB
PUB
PUB

O Benfica neste momento está encostado à parede. No Natal, arrisca-se a estar fora da Taça de Portugal, a estar no campeonato a uma distância de sete pontos dos dois rivais, o que é praticamente irrecuperável, portanto, isso significa que a corrente anti-Jesus terá muito mais argumentos para contestar.

E a seleção, acompanha com algum interesse ou menos do que o Benfica?

Acompanho, mas muitas vezes desconsolado. Causa-me engulhos ver jogadores que nos respetivos clubes me enchem o olho e que depois chegam à seleção e praticam um futebol às vezes deprimente e muitas vezes tristonho. É uma coisa que não me entra na cabeça.

Há algum jogo especial que guarde na memória?

Seguramente. A minha mãe, que não era para brincadeiras, deixou-me ir sozinho a Lisboa. Deus estava lá em cima a zelar por mim e eu vi o Benfica dar cinco ao Real Madrid. Mas também cheguei a ir lá e a apanhar cinco do Manchester United. É como dizem: «Deus não dorme, mas de vez em quando também faz uma sesta.» [risos]

--

«Um café com...» senta o Maisfutebol à mesa com figuras eminentes da nossa sociedade, nomes sem ligação aparente ao desporto, a não ser a paixão. A música, a literatura, o cinema ou a política enredados nas quatro linhas de conversas livres e descontraídas.

PUB
PUB
PUB

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Benfica

Mais Benfica

Patrocinados